Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 26 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Pesquisa de minério em terra indígena não é proibida ou um 'problema', diz Mourão



27/11/2020 | 12:37


O vice-presidente Hamilton Mourão opinou nesta sexta, 27, que a pesquisa de minérios em terras indígenas não é um "problema" ou uma atividade proibida. Na chegada à Vice-Presidência, ele foi questionado sobre a autorização de requerimentos de pesquisa ou lavra de minério em terras indígenas da Amazônia, reveladas em reportagem do jornal O Globo.

"A concessão da pesquisa é uma coisa, a lavra é outra. A lavra que não é permitida. Pesquisar para saber se tem (minério) ou não acho que não é proibido", comentou Mourão.

Para ele, as atividades de pesquisa feita por empresas nos locais não necessariamente incentivam a exploração ilegal de minérios, pois "depende do mineral" encontrado. "O ouro quando aparece a turma vai atrás, isso aí é uma realidade", completou.

A reportagem de O Globo informou que a Agência Nacional de Mineração (ANM) aprovou pelo menos 58 requerimentos de pesquisa ou lavra de minério em terras indígenas da Amazônia, apesar de a atividade ser proibida.

De acordo com o jornal, o dado é de um levantamento realizado pelo projeto Amazônia Minada, do InfoAmazonia, que considerou os requerimentos válidos no dia 10 de novembro. "(Pesquisa) não é problema, mas a lavra não pode enquanto o Congresso não regular o assunto", disse.

Mourão coordena o Conselho da Amazônia e defende a aprovação do projeto de lei enviado pelo governo ao Congresso para regulamentar a atividade de mineração em terras indígenas. "Na Amazônia existem inúmeros garimpos ilegais. O pessoal monta pista de pouso, tem lá toda uma estrutura. E a gente vai lá e destrói pista de pouso. Eterno jogo de gato e rato isso aí enquanto não regulamentar", disse.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Pesquisa de minério em terra indígena não é proibida ou um 'problema', diz Mourão


27/11/2020 | 12:37


O vice-presidente Hamilton Mourão opinou nesta sexta, 27, que a pesquisa de minérios em terras indígenas não é um "problema" ou uma atividade proibida. Na chegada à Vice-Presidência, ele foi questionado sobre a autorização de requerimentos de pesquisa ou lavra de minério em terras indígenas da Amazônia, reveladas em reportagem do jornal O Globo.

"A concessão da pesquisa é uma coisa, a lavra é outra. A lavra que não é permitida. Pesquisar para saber se tem (minério) ou não acho que não é proibido", comentou Mourão.

Para ele, as atividades de pesquisa feita por empresas nos locais não necessariamente incentivam a exploração ilegal de minérios, pois "depende do mineral" encontrado. "O ouro quando aparece a turma vai atrás, isso aí é uma realidade", completou.

A reportagem de O Globo informou que a Agência Nacional de Mineração (ANM) aprovou pelo menos 58 requerimentos de pesquisa ou lavra de minério em terras indígenas da Amazônia, apesar de a atividade ser proibida.

De acordo com o jornal, o dado é de um levantamento realizado pelo projeto Amazônia Minada, do InfoAmazonia, que considerou os requerimentos válidos no dia 10 de novembro. "(Pesquisa) não é problema, mas a lavra não pode enquanto o Congresso não regular o assunto", disse.

Mourão coordena o Conselho da Amazônia e defende a aprovação do projeto de lei enviado pelo governo ao Congresso para regulamentar a atividade de mineração em terras indígenas. "Na Amazônia existem inúmeros garimpos ilegais. O pessoal monta pista de pouso, tem lá toda uma estrutura. E a gente vai lá e destrói pista de pouso. Eterno jogo de gato e rato isso aí enquanto não regulamentar", disse.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;