Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 25 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Sem Neymar em metade das partidas pós-Copa, Brasil mantém bom aproveitamento

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


18/11/2020 | 10:45


Além de ter consolidado os bons números do técnico Tite à frente da seleção brasileira, a vitória por 2 a 0 diante do Uruguai, na noite de terça-feira, foi marcada pela ausência de Neymar mais uma vez. O craque não pôde jogar em decorrência de uma lesão e isso tem se tornado recorrente. Desde a eliminação do Brasil na Copa do Mundo de 2018, na Rússia, o camisa 10 foi desfalque na metade dos confrontos que o time nacional disputou.

Ao todo foram 26 jogos. Neymar participou exatamente de 13. Isso, contudo, não significa que o rendimento da seleção tenha caído. Na verdade, sem sua referência dentro dos gramados, o Brasil manteve o mesmo aproveitamento: nove vitórias, três empates e uma única derrota.

Tite, apesar de admitir que o craque faz falta, avalia que manter o mesmo rendimento seja natural. "Em um lance individual, ele faz aquilo que ninguém imagina. Tem a clarividência de fazer. Mas a gente tem que saber trabalhar. Fomos campeões da Copa América sem ele, sentindo a falta dele. É inevitável", ponderou o treinador.

Desde que Tite assumiu o comando do Brasil, em setembro de 2016, a seleção acumula 38 vitórias, 10 empates e apenas quatro derrotas. Isso em 52 jogos, o que atribui ao treinador um aproveitamento de quase 80%.

O zagueiro Thiago Silva avaliou que, apesar das ausências - não só de Neymar, já que a seleção acumulava oito desfalques (Rodrigo Caio, Fabinho, Philippe Coutinho, Pedro, Éder Militão, Casemiro e Gabriel Menino), - o bom resultado diante do Uruguai representa a força e determinação do grupo.

"Acredito na força do grupo, determinação, o respeito ao nosso rival (Uruguai), que aqui dentro é muito forte. Embora a gente estivesse sem nossos principais jogadores, o principal, que é o Neymar, fizemos um grande jogo, conseguimos anular as principais jogadas do Uruguai, que é um adversário muito difícil. É motivo de muita alegria, muito orgulho desse grupo", comemorou o defensor, após a vitória.

Agora o Brasil volta a campo apenas em março de 2021. A primeira partida acontece contra a Colômbia, fora de casa, em Bogotá ou em Barranquilla. Em seguida, Tite e seus comandados recebem a Argentina, no estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Sem Neymar em metade das partidas pós-Copa, Brasil mantém bom aproveitamento


18/11/2020 | 10:45


Além de ter consolidado os bons números do técnico Tite à frente da seleção brasileira, a vitória por 2 a 0 diante do Uruguai, na noite de terça-feira, foi marcada pela ausência de Neymar mais uma vez. O craque não pôde jogar em decorrência de uma lesão e isso tem se tornado recorrente. Desde a eliminação do Brasil na Copa do Mundo de 2018, na Rússia, o camisa 10 foi desfalque na metade dos confrontos que o time nacional disputou.

Ao todo foram 26 jogos. Neymar participou exatamente de 13. Isso, contudo, não significa que o rendimento da seleção tenha caído. Na verdade, sem sua referência dentro dos gramados, o Brasil manteve o mesmo aproveitamento: nove vitórias, três empates e uma única derrota.

Tite, apesar de admitir que o craque faz falta, avalia que manter o mesmo rendimento seja natural. "Em um lance individual, ele faz aquilo que ninguém imagina. Tem a clarividência de fazer. Mas a gente tem que saber trabalhar. Fomos campeões da Copa América sem ele, sentindo a falta dele. É inevitável", ponderou o treinador.

Desde que Tite assumiu o comando do Brasil, em setembro de 2016, a seleção acumula 38 vitórias, 10 empates e apenas quatro derrotas. Isso em 52 jogos, o que atribui ao treinador um aproveitamento de quase 80%.

O zagueiro Thiago Silva avaliou que, apesar das ausências - não só de Neymar, já que a seleção acumulava oito desfalques (Rodrigo Caio, Fabinho, Philippe Coutinho, Pedro, Éder Militão, Casemiro e Gabriel Menino), - o bom resultado diante do Uruguai representa a força e determinação do grupo.

"Acredito na força do grupo, determinação, o respeito ao nosso rival (Uruguai), que aqui dentro é muito forte. Embora a gente estivesse sem nossos principais jogadores, o principal, que é o Neymar, fizemos um grande jogo, conseguimos anular as principais jogadas do Uruguai, que é um adversário muito difícil. É motivo de muita alegria, muito orgulho desse grupo", comemorou o defensor, após a vitória.

Agora o Brasil volta a campo apenas em março de 2021. A primeira partida acontece contra a Colômbia, fora de casa, em Bogotá ou em Barranquilla. Em seguida, Tite e seus comandados recebem a Argentina, no estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;