Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 26 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Desafio para os próximos 4 anos

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Impactos da pandemia e possível alto índice de rejeição à política estão no horizonte dos próximos prefeitos


Daniel Tossato
Do Diário do Grande ABC

14/11/2020 | 23:02


A palavra desafiador é constantemente utilizada por candidatos a prefeito durante o processo eleitoral no Grande ABC ao descrever como será o futuro da região. E não é para ser diferente. Os próximos quatro anos trazem um cenário repleto de incertezas aos eleitos hoje – e aos que confirmarem a vitória em eventual segundo turno, agendado para o dia 29. Não apenas do aspecto de políticas públicas, mas, também no diálogo com o eleitor.

As sete cidades foram impactadas por todas as frentes por causa da pandemia de Covid-19. Estão próximas de atingir a triste marca de 3.000 casos de morte pelo novo coronavírus, além de registrarem perto de 80 mil contaminados. Os números de internações cresceram nas últimas semanas, o que reforça a preocupação com uma segunda onda de disseminação do vírus.
Aliada ao quadro de saúde pública está a situação econômica. Celeiro industrial e com mudança em curso de sua vocação para a área de serviços, o Grande ABC sentiu no bolso a necessidade de fechamento do comércio para conter o avanço da doença.

O impacto, evidentemente, chega ao poder público. Há mais gente desempregada, menos dinheiro circula, existe redução de receita tributária e maior dependência dos serviços públicos, em especial de saúde e de educação.

Aliás, o futuro educacional é outro gargalo que se apresenta. O ano letivo vigente é considerado perdido por muitos especialistas na área devido à adoção abrupta do sistema remoto. Índices preliminares e alguns estudos indicam para a baixa taxa de aprendizado. Há quem defenda a reprovação do ano letivo.

“Será inevitável aos futuros prefeitos a gestão de assuntos delicados cuja capacidade de enfrentamento não está integralmente em suas competências de atuação legal, como a crise econômica ligada à Covid-19”, avisou o cientista político Marcus Vincius Pessanha. “Por mais que os prefeitos tenham vontade de resolver as dificuldades que a pandemia do novo coronavírus trouxe para as cidades, suas ações poderão estar limitadas pela abrangência da atuação do governo federal e dos Estados, que também estarão focados para tentar resolver os mesmos problemas”, avaliou Pessanha.

E, justamente, União e governo paulista batem cabeça sobre a política adotada para combater a Covid-19. A gestão do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) foi crítica à imposição de quarentena feita pelo governador João Doria (PSDB). A troca de farpas persiste sobre a aplicação da vacina, uma vez que o tucano firmou parceria para testagem do imunizante produzido pela empresa chinesa Sinovac, contrariando Bolsonaro. A politização sobre o uso da vacina – bem como o duelo dos dois, já mirando a corrida presidencial de 2022 – serão outros ingredientes de dificuldade para os futuros prefeitos do Grande ABC.

No campo político, os chefes de Executivo eleitos hoje ou dia 29 devem enfrentar a questão da representatividade. Até por causa da pandemia de Covid-19, especialistas apontam para a possibilidade de abstenção em massa. A rejeição à política também está presente, o que tende a fazer crescer índices de votos brancos e nulos. Ou seja, existe a chance real de a maioria dos eleitores rejeitar por completo a classe política.

“É preciso estabelecer diálogo com a camada de eleitores que se abstiveram, sendo que o chefe do Executivo deve ter em mente que esses números, do voto nulo e em branco, são cada vez maiores, o que indica claro descontentamento e redução da confiança da população na política” 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Desafio para os próximos 4 anos

Impactos da pandemia e possível alto índice de rejeição à política estão no horizonte dos próximos prefeitos

Daniel Tossato
Do Diário do Grande ABC

14/11/2020 | 23:02


A palavra desafiador é constantemente utilizada por candidatos a prefeito durante o processo eleitoral no Grande ABC ao descrever como será o futuro da região. E não é para ser diferente. Os próximos quatro anos trazem um cenário repleto de incertezas aos eleitos hoje – e aos que confirmarem a vitória em eventual segundo turno, agendado para o dia 29. Não apenas do aspecto de políticas públicas, mas, também no diálogo com o eleitor.

As sete cidades foram impactadas por todas as frentes por causa da pandemia de Covid-19. Estão próximas de atingir a triste marca de 3.000 casos de morte pelo novo coronavírus, além de registrarem perto de 80 mil contaminados. Os números de internações cresceram nas últimas semanas, o que reforça a preocupação com uma segunda onda de disseminação do vírus.
Aliada ao quadro de saúde pública está a situação econômica. Celeiro industrial e com mudança em curso de sua vocação para a área de serviços, o Grande ABC sentiu no bolso a necessidade de fechamento do comércio para conter o avanço da doença.

O impacto, evidentemente, chega ao poder público. Há mais gente desempregada, menos dinheiro circula, existe redução de receita tributária e maior dependência dos serviços públicos, em especial de saúde e de educação.

Aliás, o futuro educacional é outro gargalo que se apresenta. O ano letivo vigente é considerado perdido por muitos especialistas na área devido à adoção abrupta do sistema remoto. Índices preliminares e alguns estudos indicam para a baixa taxa de aprendizado. Há quem defenda a reprovação do ano letivo.

“Será inevitável aos futuros prefeitos a gestão de assuntos delicados cuja capacidade de enfrentamento não está integralmente em suas competências de atuação legal, como a crise econômica ligada à Covid-19”, avisou o cientista político Marcus Vincius Pessanha. “Por mais que os prefeitos tenham vontade de resolver as dificuldades que a pandemia do novo coronavírus trouxe para as cidades, suas ações poderão estar limitadas pela abrangência da atuação do governo federal e dos Estados, que também estarão focados para tentar resolver os mesmos problemas”, avaliou Pessanha.

E, justamente, União e governo paulista batem cabeça sobre a política adotada para combater a Covid-19. A gestão do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) foi crítica à imposição de quarentena feita pelo governador João Doria (PSDB). A troca de farpas persiste sobre a aplicação da vacina, uma vez que o tucano firmou parceria para testagem do imunizante produzido pela empresa chinesa Sinovac, contrariando Bolsonaro. A politização sobre o uso da vacina – bem como o duelo dos dois, já mirando a corrida presidencial de 2022 – serão outros ingredientes de dificuldade para os futuros prefeitos do Grande ABC.

No campo político, os chefes de Executivo eleitos hoje ou dia 29 devem enfrentar a questão da representatividade. Até por causa da pandemia de Covid-19, especialistas apontam para a possibilidade de abstenção em massa. A rejeição à política também está presente, o que tende a fazer crescer índices de votos brancos e nulos. Ou seja, existe a chance real de a maioria dos eleitores rejeitar por completo a classe política.

“É preciso estabelecer diálogo com a camada de eleitores que se abstiveram, sendo que o chefe do Executivo deve ter em mente que esses números, do voto nulo e em branco, são cada vez maiores, o que indica claro descontentamento e redução da confiança da população na política” 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;