Fechar
Publicidade

Sábado, 17 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Medo do desemprego cai e é menor que o registrado no final de 2019, revela CNI

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


14/10/2020 | 10:10


O medo do brasileiro com relação ao desemprego atingiu 55 pontos em setembro, o que representou uma queda de 1,1 ponto em relação a dezembro de 2019 e também recuo de 3,2 pontos em relação a setembro do ano passado. O dado foi divulgado nesta quarta-feira (14) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), que avalia que, apesar dos graves impactos da pandemia da covid-19 sobre a economia, as medidas de proteção do emprego adotadas no período contribuíram para conter o desemprego e aumentar a segurança do trabalhador.

"Possivelmente, a transferência de renda às famílias também contribuiu para esse resultado. Por fim, a retomada gradual das atividades comerciais e produtivas dos últimos meses tem impactado positivamente a formação de expectativas dos agentes, que, em um primeiro momento, esperavam por uma recuperação econômica mais lenta", avalia a entidade.

A pesquisa revela que, embora tenha caído para a população como um todo, o medo do desemprego, no entanto, aumentou em certos perfis da população: os com idade entre 25 e 54 anos (sobretudo os mais jovens dessa faixa); os com ensino superior; e os com renda familiar superior a cinco salários mínimos.

O medo do desemprego também segue maior entre a população feminina, os brasileiros que residem no Nordeste e os que recebem até um salário mínimo. A CNI destaca que, assim como ocorreu em dezembro de 2019, a diferença no medo do desemprego entre homens e mulheres aumentou. Apesar de o indicador ter caído para ambos, o medo do desemprego entre homens teve maior recuo.

A pesquisa da CNI mediu ainda o Índice de Satisfação com a Vida, que ficou praticamente constante em setembro, atingindo 68,5 pontos, uma variação positiva de 0,2 ponto em relação a dezembro de 2019 e uma queda de 0,5 ponto ante setembro do ano passado.

A pesquisa foi realizada entre os dias 17 e 20 de setembro, sendo realizadas 2.000 entrevistas em 127 municípios brasileiros.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Medo do desemprego cai e é menor que o registrado no final de 2019, revela CNI


14/10/2020 | 10:10


O medo do brasileiro com relação ao desemprego atingiu 55 pontos em setembro, o que representou uma queda de 1,1 ponto em relação a dezembro de 2019 e também recuo de 3,2 pontos em relação a setembro do ano passado. O dado foi divulgado nesta quarta-feira (14) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), que avalia que, apesar dos graves impactos da pandemia da covid-19 sobre a economia, as medidas de proteção do emprego adotadas no período contribuíram para conter o desemprego e aumentar a segurança do trabalhador.

"Possivelmente, a transferência de renda às famílias também contribuiu para esse resultado. Por fim, a retomada gradual das atividades comerciais e produtivas dos últimos meses tem impactado positivamente a formação de expectativas dos agentes, que, em um primeiro momento, esperavam por uma recuperação econômica mais lenta", avalia a entidade.

A pesquisa revela que, embora tenha caído para a população como um todo, o medo do desemprego, no entanto, aumentou em certos perfis da população: os com idade entre 25 e 54 anos (sobretudo os mais jovens dessa faixa); os com ensino superior; e os com renda familiar superior a cinco salários mínimos.

O medo do desemprego também segue maior entre a população feminina, os brasileiros que residem no Nordeste e os que recebem até um salário mínimo. A CNI destaca que, assim como ocorreu em dezembro de 2019, a diferença no medo do desemprego entre homens e mulheres aumentou. Apesar de o indicador ter caído para ambos, o medo do desemprego entre homens teve maior recuo.

A pesquisa da CNI mediu ainda o Índice de Satisfação com a Vida, que ficou praticamente constante em setembro, atingindo 68,5 pontos, uma variação positiva de 0,2 ponto em relação a dezembro de 2019 e uma queda de 0,5 ponto ante setembro do ano passado.

A pesquisa foi realizada entre os dias 17 e 20 de setembro, sendo realizadas 2.000 entrevistas em 127 municípios brasileiros.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;