Fechar
Publicidade

Domingo, 25 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Riscos ligados à pandemia podem implicar retomada ainda mais gradual, aponta ata



22/09/2020 | 08:56


Ao decidir pela manutenção da Selic (a taxa básica de juros) em 2,00% ao ano, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central avaliou que a imprevisibilidade e os riscos associados à evolução da pandemia de covid-19 no Brasil podem levar a uma recuperação "ainda mais gradual" da economia doméstica. Com isso, as pressões desinflacionárias devem ter duração maior.

Apesar dos dados recentes mostrarem uma recuperação parcial da atividade econômica, o documento repete que vários segmentos do setor de serviços permanecem bastante deprimidos. "Os programas governamentais de recomposição de renda têm permitido uma retomada relativamente forte do consumo de bens duráveis e do investimento", avaliou o Copom. "Prospectivamente, a pouca previsibilidade associada à evolução da pandemia e à necessária redução nos auxílios emergenciais a partir do final desse ano aumentam a incerteza sobre a velocidade de retomada da atividade econômica", completou a ata.

Para o BC, a pandemia de covid-19 deve continuar a ter efeitos heterogêneos sobre os diversos segmentos econômicos, com o setor de serviços mantendo uma ociosidade maior que os demais.

"O Comitê concluiu que a natureza da crise provavelmente implica que pressões desinflacionárias provenientes da redução de demanda podem ter duração maior do que em recessões anteriores", completou o BC.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Riscos ligados à pandemia podem implicar retomada ainda mais gradual, aponta ata


22/09/2020 | 08:56


Ao decidir pela manutenção da Selic (a taxa básica de juros) em 2,00% ao ano, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central avaliou que a imprevisibilidade e os riscos associados à evolução da pandemia de covid-19 no Brasil podem levar a uma recuperação "ainda mais gradual" da economia doméstica. Com isso, as pressões desinflacionárias devem ter duração maior.

Apesar dos dados recentes mostrarem uma recuperação parcial da atividade econômica, o documento repete que vários segmentos do setor de serviços permanecem bastante deprimidos. "Os programas governamentais de recomposição de renda têm permitido uma retomada relativamente forte do consumo de bens duráveis e do investimento", avaliou o Copom. "Prospectivamente, a pouca previsibilidade associada à evolução da pandemia e à necessária redução nos auxílios emergenciais a partir do final desse ano aumentam a incerteza sobre a velocidade de retomada da atividade econômica", completou a ata.

Para o BC, a pandemia de covid-19 deve continuar a ter efeitos heterogêneos sobre os diversos segmentos econômicos, com o setor de serviços mantendo uma ociosidade maior que os demais.

"O Comitê concluiu que a natureza da crise provavelmente implica que pressões desinflacionárias provenientes da redução de demanda podem ter duração maior do que em recessões anteriores", completou o BC.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;