Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 29 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Tegeda nega contrato com merenda em Mauá


Paula Cabrera
Do Diário do Grande ABC

23/02/2009 | 07:00


A Tegeda Distribuição e AssessoriaCcomercial Ltda, contratada emergencialmente para fornecimento de alimentos estocáveis para a merenda de Mauá - o do convênio é R$ 276 mil -, nega que seja responsável pelo contrato. Funcionários da empresa afirmam que são responsáveis apenas pela entrega dos pedidos da Cathita Comercialização e Distribuição de Alimentos, empresa que, segundo a Prefeitura de Mauá, não participou da licitação para o fornecimento de merenda.

Otávio Gottardi Filho, dono da Cathita, confirma que a empresa não participou do certame e desvincula sua companhia do fornecimento emergencial. "Não tenho nenhum contrato com a Prefeitura. Se eles abriram uma licitação, não fui avisado", diz.

Tegeda e Cathita possuem em comum os mesmos sócios: Otávio Gottardi Filho e Camila Bragoni Gottardi, responsável pelo setor de licitações da Tegeda, que não foi encontrada para esclarecer o caso. Otávio negou possuir cotas da distribuídora. "Sou dono da Cathita. Não tenho qualquer vínculo com a Tegeda. Não conheço seus proprietários. A empresa prestou alguns serviços a Cathita, mas há algum tempo não o faz mais", observa.

Otávio era sócio-administrador da Tegeda até 30 de janeiro de 2008, com cota de cerca de R$ 30 mil, quando passou suas ações para Camila. Na mesma época, a empresa que fazia apenas distribuição, alterou o objeto social e passou a ser "comércio atacadista de produtos alimentícios em geral".

A ligação entre as duas empresas vai além. A ganhadora do certame em Mauá não possui website próprio, mas está alocada dentro do domínio da Cathita. Otávio diz que a medida foi adotada para facilitar a concessão de licitações, uma vez que durante grande período de tempo, a Cathita usava a Tegeda para fazer a distribuição de seus produtos. "Para que não houvesse um problema legal para as empresas onde fornecíamos, alocamos o site, mas são distintas. Isso deve ser corrigido em breve", justificou.

Sem licitação - Segundo o especialista em Direito Administrativo Márcio Cammarosano, só é possível analisar irregularidades no contrato depois de avaliar a licitação para o forneciento. O edital não foi divulgado pela Prefeitura, assim como a publicação dos contratos do fornecimento emergencial, fixados em R$ 885 mil no total. "É necessário uma análise precisa sobre o edital para verificar se há irregularidade no caso", explica.

Sem problemas - Questionada sobre as possíveis irregularidades, a Prefeitura negou qualquer problema com o contrato da Tegeda. "A Tegeda foi a única empresa contratada para o fornecimento de produtos estocáveis. No tocante a este fornecimento, a Prefeitura se relaciona apenas com a Tegeda, sem qualquer vínculo com a Cathita. A Prefeitura não tem responsabilidade sobre subcontratadas e não responde pelos funcionários da empresa", informa a administração em nota oficial.

Para não cair no mesmo erro apontado em 2003 pela CGU (Controladoria-geral da União), a Prefeitura reitera que a Cathita não participou da licitação para o contrato emergencial e, segundo nota, a subcontratação para prestação de serviços do fornecedor não é de responsabilidade da administração, que fecha contrato levando em consideração o menor preço oferecido, independentemente de como ele chegará ao Executivo. "A Prefeitura sempre fiscaliza os alimentos que recebe. A empresa é responsável por entregar os alimentos dentro dos prazos requeridos e em bom estado de conservação. Subcontratos não são de responsabilidade da Prefeitura. Para participar da licitação a empresa precisa ser legalmente constituída e estar capacitada para fornecer os produtos", argumenta.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;