Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 20 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

diarinho@dgabc.com.br | 4435-8396

Para que serve a saliva?

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Tauana Marin
Diário do Grande ABC

01/05/2016 | 07:00


A saliva (aquele líquido que produzimos na boca) tem muitas funções: serve para preparar os alimentos para serem digeridos, lubrifica a boca, ajudando na fala e na deglutição (quando engolimos) e tem fatores de proteção que barram a entrada de muitas bactérias (o que, de certa forma, promove a higiene oral).

Ela é composta, basicamente, por água em sua maior parte. No entanto, há algumas outras substâncias em sua formação, como bicarbonato, cálcio, mucina (proteína que dá viscosidade à saliva), enzimas (como a chamada amilase e as microbianas), ácido úrico e as gamaglobulinas (anticorpos responsáveis por ‘defender’ o corpo de vírus e bactérias, por exemplo).

Por dia, cada pessoa é capaz de fabricar entre um e dois litros de saliva, em média. A produção excessiva pode não estar relacionada a doenças e ser temporária. Já a falta do líquido precisa ser investigada. Em pessoas saudáveis a saliva não tem gosto, além de ser transparente. Alterações na cor, no cheiro ou sabor podem indicar disfunções no corpo humano. Nesses casos também é preciso procurar um médico.

Um período em que há um aumento natural na produção da substância é na primeira infância, quando bebês começam a ter os dentes. Isso ocorre pois as gengivas ficam inflamadas, elevando a quantidade do líquido na boca.

Mesmo com tantas funções importantes para o corpo humano, a saliva é um meio de transmissão de doenças. Algumas delas são viroses (de uma forma geral, diferentes tipos de gripe), caxumba, mononucleose (infecção viral que causa febre e dor de garganta), herpes, varicela (doença infecciosa, altamente contagiosa, que provoca manchas na pele, comum na infância) e moniliase (conhecido como ‘sapinho’).

Pergunta de Barbara Rodrigues Dantas, 9 anos, de São Caetano, conta que quando come, o volume de saliva produzido em sua boca aumenta. “Não tenho ideia do porquê”, questiona a garota, que se diz bastante curiosa. “Fico pensando em tudo que acontece no meu corpo.”

CURIOSIDADES: Segundo pesquisadores do Instituto Pasteur, de São Paulo, a saliva é analgésica. Ela pode ser rica em opiorfina, item seis vezes mais poderoso que a morfina (remédio utilizado para controlar fortes dores);

Uma de suas principais características é a de ser fundamental na alimentação. Ela atua na digestão do amido (encontrado no arroz e no pão, por exemplo) e no glicogênio (açúcar).

Consultoria de Marisa Aprille, pediatra e gestora da Pediatria do Hospital Estadual Mário Covas, em Santo André.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Para que serve a saliva?

Tauana Marin
Diário do Grande ABC

01/05/2016 | 07:00


A saliva (aquele líquido que produzimos na boca) tem muitas funções: serve para preparar os alimentos para serem digeridos, lubrifica a boca, ajudando na fala e na deglutição (quando engolimos) e tem fatores de proteção que barram a entrada de muitas bactérias (o que, de certa forma, promove a higiene oral).

Ela é composta, basicamente, por água em sua maior parte. No entanto, há algumas outras substâncias em sua formação, como bicarbonato, cálcio, mucina (proteína que dá viscosidade à saliva), enzimas (como a chamada amilase e as microbianas), ácido úrico e as gamaglobulinas (anticorpos responsáveis por ‘defender’ o corpo de vírus e bactérias, por exemplo).

Por dia, cada pessoa é capaz de fabricar entre um e dois litros de saliva, em média. A produção excessiva pode não estar relacionada a doenças e ser temporária. Já a falta do líquido precisa ser investigada. Em pessoas saudáveis a saliva não tem gosto, além de ser transparente. Alterações na cor, no cheiro ou sabor podem indicar disfunções no corpo humano. Nesses casos também é preciso procurar um médico.

Um período em que há um aumento natural na produção da substância é na primeira infância, quando bebês começam a ter os dentes. Isso ocorre pois as gengivas ficam inflamadas, elevando a quantidade do líquido na boca.

Mesmo com tantas funções importantes para o corpo humano, a saliva é um meio de transmissão de doenças. Algumas delas são viroses (de uma forma geral, diferentes tipos de gripe), caxumba, mononucleose (infecção viral que causa febre e dor de garganta), herpes, varicela (doença infecciosa, altamente contagiosa, que provoca manchas na pele, comum na infância) e moniliase (conhecido como ‘sapinho’).

Pergunta de Barbara Rodrigues Dantas, 9 anos, de São Caetano, conta que quando come, o volume de saliva produzido em sua boca aumenta. “Não tenho ideia do porquê”, questiona a garota, que se diz bastante curiosa. “Fico pensando em tudo que acontece no meu corpo.”

CURIOSIDADES: Segundo pesquisadores do Instituto Pasteur, de São Paulo, a saliva é analgésica. Ela pode ser rica em opiorfina, item seis vezes mais poderoso que a morfina (remédio utilizado para controlar fortes dores);

Uma de suas principais características é a de ser fundamental na alimentação. Ela atua na digestão do amido (encontrado no arroz e no pão, por exemplo) e no glicogênio (açúcar).

Consultoria de Marisa Aprille, pediatra e gestora da Pediatria do Hospital Estadual Mário Covas, em Santo André.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;