Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 21 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Pipa com cerol causa acidente fatal em cerca de 25% dos casos

Denis Maciel/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Venda é proibida por lei, mas material é fácil de ser adquirido


Nelson Donato
especial para o Diário

01/02/2016 | 07:07


Empinar pipa com cerol pode ocasionar morte em 25% dos acidentes envolvendo motociclistas. Apesar da venda do material ser proibida por lei, ele pode ser obtido na internet e em estabelecimentos comerciais. Aliada à falta de equipamentos de segurança das motos, como capacetes e antenas corta-pipas, a prática ocasiona tragédias. O levantamento é da Abram (Associação Brasileira de Motociclistas).

Com risco tão grande, sobreviver à situação pode ser considerado uma segunda chance. Há 25 anos, o atual diretor do Sedersp (Sindicato das Empresas de Distribuição de Entregas Rápidas do Estado de São Paulo), Marcelo Sorrini, 47 anos, foi atingido por linha com cerol quando andava de moto. “Não estava com o capacete. Comecei a sentir algo incomodando meus olhos. De repente começou a queimar. Quando parei ao lado de um carro, percebi que estava ensanguentado e havia um grande corte.” Ele se recuperou totalmente, mas hoje evita andar de moto em período de férias escolares, quando a incidência das pipas aumenta.

Conforme a delegada titular do 3º DP (Distrito Policial) de São Caetano, Lucy Mastellini Fernandes, mesmo com a gravidade dos acidentes, o período de reclusão para quem empina pipa com linhas cortantes é pequeno. “É um crime que se encaixa como periclitação de vida, cuja pena varia de três meses a um ano, porque a conduta é expor a vida do outro a risco. Mas isso só se caracteriza caso se praticar o ato em áreas de grande circulação.”

A delegada também esclarece que, se houver vítimas, as punições são mais severas. “Se o pipeiro ferir alguém, pode ser enquadrado no crime de lesão corporal e, se matar, responde por homicídio culposo (quando não há intenção de matar) e em algumas situações por homicídio doloso (quando há intenção de matar), uma vez que ao utilizar o cerol ele assume que pode colocar a integridade do próximo em risco.”

A empresa andreense Jojafer produz antenas corta-pipas há 12 anos. De acordo com o coordenador de marketing, Edgar Santos, a procura pelo produto é maior nos meses de férias. De acordo com a Lei 12.009 de 2009, o uso das antenas corta-pipas é obrigatório para motociclistas que usam o veículo para trabalho. A lei, porém, carece de diretrizes para aqueles que utilizam as motos para o lazer. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Pipa com cerol causa acidente fatal em cerca de 25% dos casos

Venda é proibida por lei, mas material é fácil de ser adquirido

Nelson Donato
especial para o Diário

01/02/2016 | 07:07


Empinar pipa com cerol pode ocasionar morte em 25% dos acidentes envolvendo motociclistas. Apesar da venda do material ser proibida por lei, ele pode ser obtido na internet e em estabelecimentos comerciais. Aliada à falta de equipamentos de segurança das motos, como capacetes e antenas corta-pipas, a prática ocasiona tragédias. O levantamento é da Abram (Associação Brasileira de Motociclistas).

Com risco tão grande, sobreviver à situação pode ser considerado uma segunda chance. Há 25 anos, o atual diretor do Sedersp (Sindicato das Empresas de Distribuição de Entregas Rápidas do Estado de São Paulo), Marcelo Sorrini, 47 anos, foi atingido por linha com cerol quando andava de moto. “Não estava com o capacete. Comecei a sentir algo incomodando meus olhos. De repente começou a queimar. Quando parei ao lado de um carro, percebi que estava ensanguentado e havia um grande corte.” Ele se recuperou totalmente, mas hoje evita andar de moto em período de férias escolares, quando a incidência das pipas aumenta.

Conforme a delegada titular do 3º DP (Distrito Policial) de São Caetano, Lucy Mastellini Fernandes, mesmo com a gravidade dos acidentes, o período de reclusão para quem empina pipa com linhas cortantes é pequeno. “É um crime que se encaixa como periclitação de vida, cuja pena varia de três meses a um ano, porque a conduta é expor a vida do outro a risco. Mas isso só se caracteriza caso se praticar o ato em áreas de grande circulação.”

A delegada também esclarece que, se houver vítimas, as punições são mais severas. “Se o pipeiro ferir alguém, pode ser enquadrado no crime de lesão corporal e, se matar, responde por homicídio culposo (quando não há intenção de matar) e em algumas situações por homicídio doloso (quando há intenção de matar), uma vez que ao utilizar o cerol ele assume que pode colocar a integridade do próximo em risco.”

A empresa andreense Jojafer produz antenas corta-pipas há 12 anos. De acordo com o coordenador de marketing, Edgar Santos, a procura pelo produto é maior nos meses de férias. De acordo com a Lei 12.009 de 2009, o uso das antenas corta-pipas é obrigatório para motociclistas que usam o veículo para trabalho. A lei, porém, carece de diretrizes para aqueles que utilizam as motos para o lazer. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;