Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 2 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Ato pelo impeachment perde fôlego na Paulista; Bíblia supera na região

Denis Maciel/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Manifestação em São Paulo reúne 30 mil, diz PM;
público foi 11 vezes menor que o último, em agosto


Vanessa Oliveira
Do Diário do Grande ABC

14/12/2015 | 07:00


Ato pedindo impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT), realizado ontem na Avenida Paulista, na Capital, reuniu 30 mil pessoas, segundo estimativas da PM (Polícia Militar) – público 11 vezes menor que o último protesto, em agosto. No Grande ABC, a Marcha da Bíblia, no Paço de Santo André, atraiu mais gente do que a manifestação exigindo a queda da presidente (leia mais abaixo). A mobilização ocorreu no dia em que se completou 47 anos do AI-5 (Ato Institucional), quando o governo militar instaurou medidas antidemocráticas, como o fechamento do Congresso Nacional e a censura à imprensa.

Na Avenida Paulista, em caminhões de som, representantes de variados movimentos, como o MBL (Movimento Brasil Livre) e o Vem Pra Rua, inflamavam o público com gritos de ‘Fora PT’ e ‘Fora Dilma’. Vendedores ambulantes comercializavam, ao preço de R$ 10, boneco inflável do ex-presidente Lula vestido de presidiário.

Presente no ato, o jurista Hélio Bicudo, um dos autores do pedido de impeachment acolhido pelo presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), crê que os protestos terão o impacto almejado. “Depois dessa manifestação, como é que os parlamentares vão reagir, a não ser a favor do impeachment? Quem é que tem coragem de parar o movimento que tem respaldo popular? A rua é que será a voz que vai mandar a Dilma (sair)”, avaliou. Acusado de ser um dos beneficiários do esquema de corrupção na Petrobras e com o mandato na mira do Conselho de Ética, Cunha foi poupado pelos manifestantes.

Embora apartidário, o ato recebeu figuras da oposição, como os senadores tucanos Aloysio Nunes e José Serra, que foram recebidos como celebridades. “Estamos na pior crise econômica-social da nossa história. O Brasil precisa de uma solução, ter um governo de verdade, que só vai acontecer se a população se juntar”, salientou Serra.

CONTRA A CPMF
A manifestação também envolveu a contrariedade da possível criação de imposto nos moldes da CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira). O aposentado José Merquides Ribeiro, 67, morador da Capital, entretanto, acredita não ver “outra maneira” para aumentar a arrecadação e amenizar as dívidas do governo federal. “O povo consegue se sacrificar com mais um imposto, a partir do instante que tiver alguém para confiar, mas não é o caso da Dilma”, argumentou ele, que participou dos protestos que pediram o impeachment então presidente Fernando Collor (hoje senador pelo PTB), em 1992.

As manifestações aconteceram em todos os Estados brasileiros e no Distrito Federal. O protesto de ontem na Paulista não superou o público registrado nos três primeiros atos do ano. Em março, a adesão foi de 1 milhão, em abril, 275 mil e, em agosto, 350 mil participantes.

Em Santo André, protesto frustra expectativa de participantes

Inicialmente programado para receber entre 25 mil e 80 mil pessoas, o protesto pró-impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) em Santo André levou 300 pessoas segundo a PM (Polícia Militar). Até a tarde de sábado, o evento, nas redes sociais, registrava 7.000 convidados, mas só 261 pessoas haviam confirmado presença, realizado no Paço.

A tímida adesão frustrou os organizadores e até os próprios participantes. “Acho inadmissível isso, o povo não vir para a rua. Estou decepcionado. O que falta é as pessoas serem mais politizadas, coisa que o PT nunca deixou acontecer. Única saída agora é o aeroporto de Cumbica: pegar um voo internacional e sumir deste País”, reclamou o vendedor Osmair de Campos, 58 anos, de Santo André.

O evento foi coordenado pelos movimentos Mobiliza ABC e Brasil Livre, que falaram em 27 mil pessoas. Abrindo caminho para dois caminhões de som, os protestantes caminharam até a região do Ipiranguinha e retornaram ao Paço. (VO)

Com adesão maior, Marcha da Bíblia reúne 3.000

Tauana Marin
Do Diário do Grande ABC

Além de manifestação contra o governo, o Paço Municipal de Santo André também foi ponto de encontro de 3.000 pessoas, segundo a PM (Polícia Militar), ontem pela manhã, na 3ª Corrida da Bíblia, a Marcha da Bíblia e o Show Gospel. A GCM (Guarda Civil Municipal) estimou o público em 15 mil.

De acordo com o prefeito Carlos Grana (PT), além de ontem ter sido o Dia Mundial da Bíblia, o “momento que o país vive” requer orações. “Não foi um ano fácil, em todos os sentidos. Independentemente de religião, celebrar a Bíblia é universal”, contextualizou.

“Unir famílias aqui em prol da saúde, da fé, de Deus é muito importante. Tudo isso está escrito na Bíblia, o livro mais lido mundialmente. É a carta de Deus para nós”, disse o representante da Assembleia de Deus, pastor Silas Josué de Oliveira.

A corrida acontece há três anos, com percursos de 5 e 10 quilômetros. A largada ocorreu às 8h. Na sequência, ocorreu a Marcha da Bíblia. A realização foi da Assembleia de Deus, com o apoio da Copasa (Conselho dos Pastores de Santo André).

Nas semanas anteriores, a Prefeitura foi palco de uma exposição da Bíblia, que recebeu cerca de 5.000 visitantes, segundo o secretário de Cultura Tiago Nogueira (PT). “A Prefeitura tem um comprometimento com esses eventos. Apoiamos o grafite, o funk, as danças de rua e as festas gospel. Não importa a religião, estamos fomentando a fé, o lazer e a saúde”.

GANHADORES
O GCM Rodrigo Lopes Sabino, 29 anos, levou a medalha de ouro nos 10 quilômetros. Ele é bicampeão. “O segredo é o treino e se alimentar bem antes e depois da prova.” Em segundo lugar ficou o controlador de estoque Alex Dias de Sousa, 35. A medalha de bronze foi para o frentista Israel das Neves, 50. Ele participou de todas as corridas promovidas pelo Diário. “Me exercito há 10 anos. Comecei caminhando e olha onde cheguei.” Nos cinco quilômetros, César Chagas Santos, 42, Maurício Ribeiro, 45, e Edilson Vitorino, 37, receberam as medalhas de ouro, prata e bronze, respectivamente.  



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;