Fechar
Publicidade

Sábado, 4 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Invasoes crescem no governo de Roriz no DF


Do Diário do Grande ABC

24/01/1999 | 17:54


Desde os primeiros dias do ano, o Distrito Federal enfrenta uma onda quase incontrolável de invasoes, coincidentemente no mesmo período em que o atual governador, Joaquim Roriz (PMDB), assumiu o poder. Ninguém sabe exatamente o número de pessoas envolvidas nas ocupaçoes, nem a quantidade de áreas invadidas neste ano. No entanto, até novembro, quando foi feito um levantamento pelo governo, a estimativa era de 30 mil famílias invasoras. Hoje, esse número pode ser até maior do que a populaçao das Ilhas Cayman, um dos paraísos fiscais do Caribe, onde vivem 33,6 mil habitantes.

O governo do Distrito Federal possui um cadastro com 52 mil pessoas que estao em busca de um lote, cuja distribuiçao foi prometida por Roriz durante a campanha eleitoral. Até agora, ele tem suportado com surpreendente calma o aumento das invasoes, chegando a ir aos locais ocupados. Sua decisao é bem diferente da atitude de Cristovam Buarque (PT), que reprimia as ocupaçoes com a Polícia Militar, o que ocasionou vários conflitos durante seu governo. "Nao se acaba com a invasao coibindo ou propondo uma política habitacional responsável", diz a secretária de Habitaçao, Ivelise Longhi. Para ela, é necessário, antes de tudo, um crescimento econômico. "Vamos trabalhar para criar empregos." As invasoes, porém, nao estao limitadas a lotes do governo, mas incluem áreas de preservaçao ambiental e até complexos turísticos, como o Taguapark, em Taguatinga, com aproximadamente 2 milhoes de quilômetros quadrados.

Barracos - As cercas que mantinham a área intocável foram arrancadas e vários barracos começam a aparecer. Alguns sao feitos de alvenaria - uma tentativa de garantir a manutençao das casas. Até mesmo áreas nobres se transformaram, em pouco tempo, em condomínios luxuosos, como o Hollywood e o Porto Seguro, no Setor de Mansoes do Lago Norte.

Nem todos os habitantes dessas áreas sao vítimas do desemprego ou nao possuem fonte de renda. Na semana passada, por exemplo, o jornal Correio Braziliense descobriu na invasao do Areal, em Taguatinga Sul - uma das cidades-satélites de Brasília - a professora aposentada Rosa Maria Silva dos Santos. Ao contrário dos vizinhos, que vao ao local a pé ou de ônibus, ela chegou em um carro Pólo e nao escondeu sua condiçao de moradora de um apartamento no Núcleo Bandeirante - outra cidade-satélite - e sua formaçao superior em filosofia. Como justificativa, alegou que o terreno que estava demarcando era para a filha.

No Riacho Fundo, uma cidade-satélite que nasceu de uma grande invasao, novos loteamentos irregulares começam a aparecer. Ninguém tem dificuldade em "conseguir" um lote. Basta estar de posse do kit- invasao. Para se construir um barraco de três metros quadrados no Riacho Fundo ou nas quadras QE 38 e QE 44 do Guará, onde surgiu uma ocupaçao nos últimos dias, necessita apenas de 12 folhas de madeirite, 16 telhas de amianto, sarrafos, prego e as estacas, indispensáveis para "demarcar" o terreno. E próximos às invasoes, também surgem o comércio de kits, que sao adquiridos por R$ 130,00. Na semana passada a secretária Ivelise Longhi previu que o problema da invasao estará resolvido em 60 dias, quando a política habitacional deverá estar definida. Ela observa que, quando o governado Roriz assumiu, no dia primeiro do ano, as invasoes já estavam em andamento.

De fato, foi a partir da eleiçao do atual governador que o número de invasores duplicou da noite para o dia. Em dezembro, segundo a Polícia Militar, houve uma média de cinco invasoes diárias.

Joaquim Roriz, em resposta às criticas de que seria o culpado por esse aumento, afirmou em artigos publicados em jornais locais que "o excesso de demanda por habitaçoes no Distrito Federal é um problema quase insolúvel". Mas, segundo ele, o "governo nao está promovendo, como apregoam os maledicentes, uma farra de lotes".

Em resposta a um artigo de Roriz, o deputado federal do PT Chico Vigilante vai ingressar na Procuradoria Geral da República com uma açao para pedir intervençao federal em Brasília. Vigilante alega que o governador está admitindo que perdeu o controle da situaçao. Por isso, segundo ele, é preciso intervir para repor a ordem.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;