Política

Poit entra em páreo do Novo como nome ao Estado




Deputado federal pelo Novo, Vinicius Poit se inscreveu na seletiva interna do partido para entrar na disputa ao governo de São Paulo e figurar nas urnas na sucessão de João Doria (PSDB) em 2022. Com raízes no Grande ABC – é nascido em São Bernardo –, o parlamentar, 35 anos, admite concorrência “bastante acirrada” ao cargo, mas considera que “é possível” alcançar viabilidade colocando como parâmetro o ocorrido no pleito estadual de 2018 em Minas Gerais, onde o correligionário Romeu Zema, desacreditado, venceu o páreo. “Em abril (daquele ano), ele tinha 2% nas pesquisas (de intenção de voto)”, disse, em entrevista ao Diário.

Caso seja confirmado pelo Novo, Poit enfrentará ao menos quatro potenciais candidaturas ao posto, como Rodrigo Garcia (PSDB), Fernando Haddad (PT), Geraldo Alckmin (PSDB) e Paulo Skaf (MDB). “É eleição difícil, só que me coloco como nome diferente, que tem legado e já fez diferente na política e na vida privada. É possível. O Zema estava lá atrás, de repente, ganhou o primeiro turno e venceu a eleição no segundo com 70%. Há maioria silenciosa que quer diálogo.”

Em 2018, o Novo lançou Rogério Chequer ao governo paulista – ele registrou 3,32% dos votos. Poit considerou que a eleição ao Estado corre risco de ser federalizada por conta da influência da polarização no País, avaliando, contudo, que São Paulo “não vai ficar na mão de extremismos”. O deputado afirmou que o Novo se “distanciou bastante” do governo Bolsonaro, ao pontuar que a aproximação se deu no primeiro ano devido a pautas econômicas, a exemplo da reforma da Previdência, desburocratização e MP da liberdade econômica. “Ali o Novo votou a favor. Agora, a hora que o presidente coloca MP da Eletrobras, desastre, texto horrível, que privilegia alguns funcionários públicos e eleva o custo da tarifa de energia, que favorece a compra de termoelétricas, o Novo é contra. A hora que não vem a privatização dos Correios, demora para andar com as reformas administrativa e tributária, o Novo vai criticar. Posicionamento de independência.”

Poit reforçou que participa do processo para ser aprovado como pré-candidato ao Palácio dos Bandeirantes, em que pese o foco esteja neste momento em “entregar os resultados concretos do mandato”. Entre as principais propostas sancionadas, destacou o marco legal das startups, do qual foi relator. Em seu debute em Brasília, analisou que o período como líder da bancada paulista – formada por 70 deputados – permitiu a ele alçar voo maior. “Mas não vou deixar meu trabalho e conduta desguarnecidos.” Citou como possíveis sucessores Ricardo Mellão e Daniel José, hoje deputados estaduais, e o vereador Fernando Holiday, recém-filiado. Na região, incentiva o advogado Paulo Proieti.  

Comentários


Veja Também



Voltar