Desvendando a economia

Preocupações atuais: PIB e pandemia da Covid-19


O crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) é uma das variáveis mais seguidas por economistas, empresários, analistas e o próprio governo. Sua importância recai no acompanhamento do desempenho econômico de um país ao longo de determinado período, que serve de base de comparação entre outras nações. O PIB mede o valor total de bens e serviços finais produzidos em um país e, como padrão de medida, consideramos preços constantes, portanto, o que realmente importa é a quantidade produzida de bens e serviços finais no período analisado. É assim que podemos saber se a economia cresceu ou não.

Dessa forma, quando abordamos o termo crescimento econômico, nossa análise é voltada a aspectos quantitativos. A questão central está na importância de como tal crescimento afeta o padrão de vida da sociedade. Podemos dizer que, para elevar o padrão de vida dos agentes econômicos, é imprescindível que o aumento da produção de bens e serviços finais ocorra por longos períodos. Tal fato geralmente é acompanhado pelo aumento no nível de emprego e renda da sociedade.

O PIB per capita é outra variável importante é derivada do resultado do PIB. Trata-se da riqueza total de um país em determinado período dividida pelo número de habitantes. Tendo em vista que as nações diferem em termos de tamanho populacional, o PIB real per capita é uma medida de comparação bastante utilizada. Mas, mesmo assim, é difícil realizar comparações do PIB real entre os países, pois cada qual tem moedas e sistemas de preços diferentes. Além disso, os padrões de consumo também são diferentes. No entanto, a importância do crescimento econômico dos países deve ser considerada.

Existem basicamente dois elementos importantes para o aumento do PIB per capita ao longo do tempo: a acumulação de capital e o progresso tecnológico. Consideramos como acumulação de capital o estoque total de fábricas, máquinas, equipamentos e instalações produtivas de uma economia. O aumento da quantidade de fábricas e equipamentos produtivos, relativos à força de trabalho, de um período em relação a outros anteriores, promove o crescimento econômico do país. Daí a importância para que as empresas consigam investir na base produtiva, no parque fabril. Um ambiente econômico e político estável é essencial para que tal estoque de capital aumente.

O progresso tecnológico é outro mecanismo importante para o crescimento econômico. Por progresso tecnológico vale observar a eficiência produtiva. Ou seja, o fato de uma economia operar de maneira mais eficiente, produzindo cada vez mais sem necessidade de se aumentar a quantidade de insumos necessários para tal atividade produtiva. Dessa forma, por meio do progresso tecnológico poderíamos considerar aumento na produção sem elevar a quantidade de capital e trabalho utilizados nos processos produtivos. Mas o que seria tal progresso tecnológico em termos práticos? Poderíamos considerar vários exemplos para identificá-lo e observar os possíveis benefícios. A eletricidade permitiu a troca das máquinas e equipamentos a vapor por forma mais eficiente e limpa de produção, resultando em processos produtivos maiores; a iluminação dos ambientes possibilitou ganhos em termos produtivos. A invenção do automóvel e de outros meios de locomoção permitiu percorrer distâncias mais rápidas. A invenção do termômetro possibilitou aos profissionais de saúde realizar diagnósticos mais precisos, e tantos outros exemplos que poderiam ser aqui abordados.

O importante é que o progresso tecnológico permita à sociedade produzir mais sem a necessidade de se aumentar a quantidade necessária de capital e insumos, ou ainda a quantidade de horas relativas à dedicação ao trabalho produtivo. Assim, podemos observar que o ritmo do progresso tecnológico influencia o crescimento econômico e, consequentemente, o bem-estar da sociedade.

Daí a necessidade de o governo destinar recursos para pesquisa e desenvolvimento. Mas, principalmente, para a educação. Não existe progresso tecnológico, pesquisa e desenvolvimento sem investimento em educação. Empresas também necessitam investir em pesquisa e desenvolvimento, buscando sempre novas descobertas e inovações. No entanto, a força do Estado na promoção e destino de recursos para a educação pode promover avanços considerados em termos produtivos, resultando, assim, em crescimento econômico e do nível de bem-estar. Nesse sentido, vale ressaltar que a dedicação de grandes empresas, universidades e governos de alguns países na busca pela vacina e cura da Covid-19 representa exemplo atual de pesquisa, desenvolvimento e inovação.

Notamos o quanto somos frágeis e precisamos dedicar recursos para encontrar soluções à atual pandemia e melhorar o nível de bem-estar social. Além disso, a solução desse atual problema também impactará em resultados positivos em termos de crescimento do PIB – de acordo com o relatório Focus divulgado em 2 de dezembro pelo Banco Central, a previsão de queda do PIB brasileiro deste ano é de 4,4%.

Por fim, não são apenas agentes mencionados acima os responsáveis pela solução da pandemia. A responsabilidade recai sobre todos. Necessitamos nos precaver e diminuir os casos da Covid-19. Terminamos 2020 com 195 mil mortes e 7,6 milhões de casos diagnosticados no Brasil. A cura não cairá do céu. Todos precisamos nos precaver e agir com responsabilidade.
 

Comentários


Veja Também


Voltar