Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 20 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Polícia arquiva inquérito que envolve Paulo Chuchu

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Vereador eleito de S.Bernardo era investigado após operação do Facebook contra fake news


Daniel Tossato
Do Diário do Grande ABC

24/11/2020 | 00:43


A corregedoria da Polícia Civil determinou o arquivamento do inquérito que investigava se o vereador eleito por São Bernardo Paulo Eduardo Lopes, o Paulo Chuchu (PRTB), atuava em rede de perfis em redes sociais que eram ligados à família Bolsonaro e que disseminavam fake news.

O pedido da corregedoria foi acatado pelo Ministério Público de São Paulo e pelo TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) sob alegação de que não havia elementos que demonstravam comportamento “delitivo” por parte de Chuchu.

“Desta forma, (determina-se o arquivamento) diante dos frágeis elementos angariados, não caracterizadores de alguma materialidade delitiva em face do investigado nos presentes autos”, informou a Polícia Civil em relatório final. A corporação também sustenta que Chuchu não é alvo de inquérito que tramita no STF (Supremo Tribunal Federal) referente a fake news.

Conforme Paulo Chuchu, a decisão de arquivamento do inquérito “é justa”, já que, conforme o vereador eleito, ele não praticou nenhum tipo de crime. “A corregedoria achou por bem abrir procedimento disciplinar, baseado em reportagens do Jornal Nacional e de outras mídias, e acharam por bem investigar. Eu não concordaria em abrir procedimento baseado em fatos jornalísticos, mas abriram, investigaram, foram transparentes, fui ouvido e a delegada pediu o arquivamento”, declarou Chuchu, que não teve mais acesso aos perfis que foram derrubados pelo Facebook.

Em julho deste ano, o Facebook realizou operação para derrubar páginas e perfis que disseminavam fake news ligadas à família Bolsonaro. Ao todo foram removidas 35 contas da plataforma social, 14 páginas e um grupo. Além disso, 38 perfis do Instagram também foram suspensos. No processo, o Facebook identificou dois suspeitos de operarem os perfis, dentre eles o de Chuchu, que foi assessor do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL), filho do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido).

“Até tentei reaver minhas contas por meio da Justiça, mas acabei obtendo derrotas na primeira e na segunda instâncias e preferi não recorrer mais. Tenho utilizado novas contas, que têm até mais seguidores que as antigas”, afirmou o vereador eleito.

Paulo Chuchu recebeu 2.908 votos na eleição do dia 15 e conquistou, pela primeira vez, uma cadeira na Câmara de São Bernardo. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Polícia arquiva inquérito que envolve Paulo Chuchu

Vereador eleito de S.Bernardo era investigado após operação do Facebook contra fake news

Daniel Tossato
Do Diário do Grande ABC

24/11/2020 | 00:43


A corregedoria da Polícia Civil determinou o arquivamento do inquérito que investigava se o vereador eleito por São Bernardo Paulo Eduardo Lopes, o Paulo Chuchu (PRTB), atuava em rede de perfis em redes sociais que eram ligados à família Bolsonaro e que disseminavam fake news.

O pedido da corregedoria foi acatado pelo Ministério Público de São Paulo e pelo TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) sob alegação de que não havia elementos que demonstravam comportamento “delitivo” por parte de Chuchu.

“Desta forma, (determina-se o arquivamento) diante dos frágeis elementos angariados, não caracterizadores de alguma materialidade delitiva em face do investigado nos presentes autos”, informou a Polícia Civil em relatório final. A corporação também sustenta que Chuchu não é alvo de inquérito que tramita no STF (Supremo Tribunal Federal) referente a fake news.

Conforme Paulo Chuchu, a decisão de arquivamento do inquérito “é justa”, já que, conforme o vereador eleito, ele não praticou nenhum tipo de crime. “A corregedoria achou por bem abrir procedimento disciplinar, baseado em reportagens do Jornal Nacional e de outras mídias, e acharam por bem investigar. Eu não concordaria em abrir procedimento baseado em fatos jornalísticos, mas abriram, investigaram, foram transparentes, fui ouvido e a delegada pediu o arquivamento”, declarou Chuchu, que não teve mais acesso aos perfis que foram derrubados pelo Facebook.

Em julho deste ano, o Facebook realizou operação para derrubar páginas e perfis que disseminavam fake news ligadas à família Bolsonaro. Ao todo foram removidas 35 contas da plataforma social, 14 páginas e um grupo. Além disso, 38 perfis do Instagram também foram suspensos. No processo, o Facebook identificou dois suspeitos de operarem os perfis, dentre eles o de Chuchu, que foi assessor do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL), filho do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido).

“Até tentei reaver minhas contas por meio da Justiça, mas acabei obtendo derrotas na primeira e na segunda instâncias e preferi não recorrer mais. Tenho utilizado novas contas, que têm até mais seguidores que as antigas”, afirmou o vereador eleito.

Paulo Chuchu recebeu 2.908 votos na eleição do dia 15 e conquistou, pela primeira vez, uma cadeira na Câmara de São Bernardo. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;