Fechar
Publicidade

Domingo, 29 de Março

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

Exatas e a aceleração do crescimento

Uma economia robusta e rica, que cria oportunidades à sua população...


Dgabc

15/11/2011 | 00:00


Artigo

Uma economia robusta e rica, que cria oportunidades à sua população, emerge de uma articulação de muitos fatores institucionais, sociais, geográficos, financeiros, educacionais. Não há um único fator que crie todas as condições objetivas do crescimento, mas há fatores que se destacam e aceleram o processo. Provavelmente, o mais importante é o capital intelectual da sua população.

Habilidades, competências e atitudes das pessoas qualificadas, somadas aos investimentos e às condições institucionais viabilizam crescimento, oportunidades, conforto, dignidade a milhões de pessoas. Novos negócios e empresas surgem, novos mercados são conquistados, novas tecnologias são criadas. A geração ativa alcança melhores empregos e maiores salários e as novas gerações herdarão melhores e maiores patamares socioeconômicos. Esse processo se consolida e fica recorrente geração a geração.

No entanto, não é fácil. A construção do capital intelectual de um país exige um esforço de longa duração, tipicamente de gerações. Por isso, sem ações mais focadas e producentes para acelerá-lo, teremos grandes dificuldades na consolidação do crescimento econômico brasileiro.

No Brasil temos alguns caminhos e alternativas de aceleração, particularmente no Grande ABC. Na nossa região temos um tipo de profissional muito importante na gestão do crescimento e aceleração do crescimento econômico: o engenheiro e profissional de exatas.

Esses profissionais, ao longo da sua formação acadêmica, acumularam muitas ferramentas analíticas para refinar, estimar e otimizar processos e decisões. Essas capacidades, quando somadas aos investimentos, oferecem grande potencial ao País e às suas vidas.

Essas habilidades matemáticas somadas a outros conhecimentos (em particular, gestão de corporações, gestão de pessoas e gestão financeira) agregam grandes potencialidades aos profissionais de exatas. As decisões serão alimentadas por elementos diretos e objetivos e por conceitos mais amplos e sutis da área de humanas. Podemos entender metaforicamente uma carreira como um prato com vários ingredientes: graduação na área de exatas e mestrado em administração cria um prato saboroso.

Luiz Jurandir Simões de Araújo é professor do mestrado em Administração de Empresas da Universidade Metodista.

PALAVRA DO LEITOR

Ruas de lazer

Sobre a matéria ‘Grande ABC precisa de mais ruas de lazer' (Setecidades, dia 7), queremos opinar. Gostaríamos que tivessem mais parques e ruas de lazer na cidade, para melhorar o ar, pois as pessoas podem ir de bicicleta, e também diminuir a violência no trânsito. Os parques e ruas de lazer servem para a prática de esportes, para as pessoas terem mais opções de divertimento e acabar com o sedentarismo.

Alunos do 5º ano B da Emef Senador Flaquer, São Caetano

Hospital invasor

Os dirigentes do Hospital Cristóvão da Gama estão construindo muro invadindo mais ou menos 30 centímetros da calçada na Avenida Dr. Erasmo. Derrubaram o antigo muro a fim de avançar e construíram outro para despistar ou ocultar do público e dos fiscais, de madeira... Por quê? Instalaram vários equipamentos metálicos cujos comprimentos atingirão acima do muro antigo. A obrigação do hospital era rejeitar esses equipamentos. A Prefeitura deve intervir de imediato e ordenar a reposição do antigo muro, sem invadir a calçada e aplicar rigorosa sanção por essa transgressão ou infração escandalosa. Se a Prefeitura fizer inspeção geral no interior do hospital encontrará vários apartamentos, salas etc, que não obedecem à planta original. Senhor prefeito, é oportunidade para demonstrar sua digna autoridade na aplicação das leis em bem-estar do povo.

A de Andrade, Santo André

Dilma

Vendo a sra. presidente falar à Nação, fiquei bastante animada, pois sua fala foi tudo que eu sempre quis ouvir de um governo. Na verdade, não só ouvir, mais sim ver isso acontecendo e espero que com a palavra da exma. sra. presidente de fato isso aconteça, afinal de contas ela é chefe maior de nosso País. Quero aqui conclamar cada brasileiro (a) para que em um só sentimento e fé possamos ver na prática a transformação do SUS, porque tudo o que ela relatou é o sonho de todo cidadão. E tenho certeza de que essa atitude é a força da oração do povo.

Rosangela Caris, Mauá

São Bernardo

Muito oportuno o comentário da leitora Clarinda Pires (Terra de ninguém, dia 14), onde ela relata que a Prefeitura de São Bernardo não fiscaliza os bares do Taboão. A bem da verdade, há muitos anos a administração pública da cidade parece que jogou o ‘código de postura' no lixo, assim como não fiscaliza os bares, não fiscaliza as propagandas em muros, inclusive públicos, como também em faixas colocadas em viadutos, passarelas, calçadas esburacadas, com degraus etc. A ineficiência da fiscalização da prefeitura é tanta que até prostíbulos fazem suas propagandas em bens públicos e isso já foi levado por mim ao Ministério Público e relatado por este Diário, mas, infelizmente não estou tendo o sucesso que esperava. Quanto à ação dos vereadores, que têm como obrigação fiscalizar o Executivo, neste caso é bom esquecer, isso porque eles também fazem parte do grupo que emporcalha a cidade. Mas não tem importância para os vereadores. Já estamos em plena campanha através dos sites de relacionamento informando que no próximo ano vamos arrumar trabalho para todos. Sabem como? Então eu digo: não os reelegendo.

Marcelo Sarti, São Bernardo

Fiança

Qual será o destino das fianças? As pagas por bêbados assassinos e afins? Dizem que vão para a construção de presídios, porém, se o indivíduo é absolvido, esse dinheiro é devolvido ao ‘criminoso'. As vítimas é que deveriam receber essa fiança, algumas chegam a R$ 250 mil. Pode não ser suficiente para quem perdeu um ente querido, mas se o dinheiro fosse para a família da vítima, estaria mais bem empregado do que na construção de presídios que não saem do papel e, quando saem, custam mais de quatro vezes o preço de qualquer presídio do mundo.

José Eduardo Zago, Mauá



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;