Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 31 de Março

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Juros para crédito pessoal seguem os menores do Plano Real


Do Diário OnLine

26/06/2006 | 12:20


Os juros nos bancos para empréstimos para a pessoa física caíram 1,7 ponto percentual em maio na comparação com abril, para 56,1% ao ano. Segundo os números divulgados nesta segunda-feira pelo BC (Banco Central), por três meses consecutivos é o menor valor desde a implementação do Plano Real, em julho de 1994.

De acordo com o relatório do BC, a taxa média dos juros cobrados pelos bancos caiu de 45% em abril para 43,9% ao ano em maio. É o menor patamar desde setembro de 2002, considerando-se todas as modalidades de operações, com pessoas físicas e jurídicas.

Os juros no cheque especial ficaram estáveis, em 145,4% ao ano. O crédito consignado, com desconto em folha de pagamento, passou de 36,2% para 36,8%. A taxa para a aquisição de bens (exceto veículos) ficou em 58,1%, contra 59,4% no mês anterior.

Entre as outras operações para pessoas físicas, registraram-se quedas de 65,3% para 62,3% no crédito pessoal, e de 34,1% para 33,3% na aquisição de veículos. O spread bancário (diferença entre o custo de captação e a taxa efetiva cobrada pelos bancos) caiu de 43 pontos para 41,1 em maio, também o menor patamar desde o início da série.

Para as empresas, as taxas caíram 0,9 ponto, para 29,7%. O spread nesse caso caiu 1 ponto, para 14 pontos percentuais. Já a conta garantida para as empresas aumentou de 68,6% para 69,9%.


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Juros para crédito pessoal seguem os menores do Plano Real

Do Diário OnLine

26/06/2006 | 12:20


Os juros nos bancos para empréstimos para a pessoa física caíram 1,7 ponto percentual em maio na comparação com abril, para 56,1% ao ano. Segundo os números divulgados nesta segunda-feira pelo BC (Banco Central), por três meses consecutivos é o menor valor desde a implementação do Plano Real, em julho de 1994.

De acordo com o relatório do BC, a taxa média dos juros cobrados pelos bancos caiu de 45% em abril para 43,9% ao ano em maio. É o menor patamar desde setembro de 2002, considerando-se todas as modalidades de operações, com pessoas físicas e jurídicas.

Os juros no cheque especial ficaram estáveis, em 145,4% ao ano. O crédito consignado, com desconto em folha de pagamento, passou de 36,2% para 36,8%. A taxa para a aquisição de bens (exceto veículos) ficou em 58,1%, contra 59,4% no mês anterior.

Entre as outras operações para pessoas físicas, registraram-se quedas de 65,3% para 62,3% no crédito pessoal, e de 34,1% para 33,3% na aquisição de veículos. O spread bancário (diferença entre o custo de captação e a taxa efetiva cobrada pelos bancos) caiu de 43 pontos para 41,1 em maio, também o menor patamar desde o início da série.

Para as empresas, as taxas caíram 0,9 ponto, para 29,7%. O spread nesse caso caiu 1 ponto, para 14 pontos percentuais. Já a conta garantida para as empresas aumentou de 68,6% para 69,9%.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;