Fechar
Publicidade

Domingo, 16 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Pedreiro improvisa moradia em viaduto

Orlando Filho/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Na Avenida Prestes Maia, em Sto.André, moradores de rua montaram estrutura com doações


Yara Ferraz
do Diário do Grande ABC

17/11/2014 | 07:07


‘Não tenho tudo que eu quero, mas amo tudo que eu tenho.’ Essa é a frase escrita na parede da Avenida Prestes Maia embaixo do viaduto da Avenida Dom Pedro II, em Santo André. Quem passa por lá se surpreende com a ‘casa’ improvisada, montada por dois moradores de rua. São duas camas, uma pequena estante com televisão e telefone, uma mesa mais afastada com filtro de água e alguns alimentos, além de um fogão. A organização, impecável, chama a atenção. Os eletrodomésticos não funcionam, mas dão a sensação de que o ambiente é realmente o de é uma casa.
O pedreiro Márcio César da Silva, 46 anos, é o morador em tempo integral do espaço. Fluminense, natural de Santa Cruz, ele chegou a São Paulo há quatro meses em busca de melhores oportunidades de trabalho. “Sempre diziam que por aqui eu conseguiria mais trabalho, aí eu comprei a passagem e vim. Assim que cheguei ao Terminal Tietê fui roubado. Levaram todos os meus documentos e as minhas coisas.”
Silva conta que ficou perdido e desorientado em uma cidade que não conhecia, e começou a morar nas ruas. Um dia chegou a Santo André com o trem. Foi aqui na cidade que ele procurou a Casa Amarela, que abriga moradores de rua, e passou a viver lá. “As pessoas são muito boas, porém, tem muitas regras, como dormir cedo, por exemplo. Na Casa Amarela acabei conhecendo o Daniel, que é marceneiro e também morava nas ruas. Aí um dia a gente decidiu sair de lá”, explica.
Os móveis foram todos conseguidos em doações ou foram encontrados nas ruas. Depois, foi só encontrar um viaduto vazio e pronto.
Em meio a estabelecimentos comerciais e empresas, a única residência que fica em frente é a da dona de casa Vera Rodrigues Ferreira, 60. “O rapaz é ótimo e esse viaduto nunca esteve tão limpo. A situação comove muito a gente, por isso, se ele precisa de algo, eu faço uma doação.”
Daniel, o outro morador do espaço, passa o dia inteiro fora trabalhando, de modo que Silva é o responsável pela organização do local. Ele encontrou uma ocupação para a qual não é necessária a saída dali. “Eu olho os carros que as pessoas estacionam e aí elas me dão um trocadinho. Cada um dá o que pode. Quem não pode, vai com Deus. Eu não desejo nenhum mal para ninguém não.”
Ele relatou que nunca havia morado na rua. Perguntado sobre sua família, ele manteve a cabeça baixa e respondeu que tem seis filhos e é divorciado. Quanto ao fato de ter entrado em contato com eles, Márcio simplesmente deu de ombros. Esse foi o único momento em que o sorriso sumiu do seu rosto. Em seguida, disse que até o fim do ano está de volta para a família. “Eu já tenho quase todo o dinheiro da passagem e estou tirando meus documentos de novo, com a ajuda do pessoal da Casa Amarela. Se Deus quiser vou passar o Natal com eles.”
O pedreiro também se alegra ao falar da pequena mascote que encontrou, a gatinha Laila. “Ela é muito especial para mim, minha única companhia. Agora ela vai comigo para o Rio também.”
Sobre a experiência que viveu na cidade, ele se emociona, mas diz que não se arrepende. “Eu gostei daqui, vou correr no Parque Celso Daniel pela manhã. E nos fins de semana vou olhar carros em outros locais. É uma experiência sabe? A gente tem que viver. Eu não imaginei que seria assim, mas é isso.” 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Pedreiro improvisa moradia em viaduto

Na Avenida Prestes Maia, em Sto.André, moradores de rua montaram estrutura com doações

Yara Ferraz
do Diário do Grande ABC

17/11/2014 | 07:07


‘Não tenho tudo que eu quero, mas amo tudo que eu tenho.’ Essa é a frase escrita na parede da Avenida Prestes Maia embaixo do viaduto da Avenida Dom Pedro II, em Santo André. Quem passa por lá se surpreende com a ‘casa’ improvisada, montada por dois moradores de rua. São duas camas, uma pequena estante com televisão e telefone, uma mesa mais afastada com filtro de água e alguns alimentos, além de um fogão. A organização, impecável, chama a atenção. Os eletrodomésticos não funcionam, mas dão a sensação de que o ambiente é realmente o de é uma casa.
O pedreiro Márcio César da Silva, 46 anos, é o morador em tempo integral do espaço. Fluminense, natural de Santa Cruz, ele chegou a São Paulo há quatro meses em busca de melhores oportunidades de trabalho. “Sempre diziam que por aqui eu conseguiria mais trabalho, aí eu comprei a passagem e vim. Assim que cheguei ao Terminal Tietê fui roubado. Levaram todos os meus documentos e as minhas coisas.”
Silva conta que ficou perdido e desorientado em uma cidade que não conhecia, e começou a morar nas ruas. Um dia chegou a Santo André com o trem. Foi aqui na cidade que ele procurou a Casa Amarela, que abriga moradores de rua, e passou a viver lá. “As pessoas são muito boas, porém, tem muitas regras, como dormir cedo, por exemplo. Na Casa Amarela acabei conhecendo o Daniel, que é marceneiro e também morava nas ruas. Aí um dia a gente decidiu sair de lá”, explica.
Os móveis foram todos conseguidos em doações ou foram encontrados nas ruas. Depois, foi só encontrar um viaduto vazio e pronto.
Em meio a estabelecimentos comerciais e empresas, a única residência que fica em frente é a da dona de casa Vera Rodrigues Ferreira, 60. “O rapaz é ótimo e esse viaduto nunca esteve tão limpo. A situação comove muito a gente, por isso, se ele precisa de algo, eu faço uma doação.”
Daniel, o outro morador do espaço, passa o dia inteiro fora trabalhando, de modo que Silva é o responsável pela organização do local. Ele encontrou uma ocupação para a qual não é necessária a saída dali. “Eu olho os carros que as pessoas estacionam e aí elas me dão um trocadinho. Cada um dá o que pode. Quem não pode, vai com Deus. Eu não desejo nenhum mal para ninguém não.”
Ele relatou que nunca havia morado na rua. Perguntado sobre sua família, ele manteve a cabeça baixa e respondeu que tem seis filhos e é divorciado. Quanto ao fato de ter entrado em contato com eles, Márcio simplesmente deu de ombros. Esse foi o único momento em que o sorriso sumiu do seu rosto. Em seguida, disse que até o fim do ano está de volta para a família. “Eu já tenho quase todo o dinheiro da passagem e estou tirando meus documentos de novo, com a ajuda do pessoal da Casa Amarela. Se Deus quiser vou passar o Natal com eles.”
O pedreiro também se alegra ao falar da pequena mascote que encontrou, a gatinha Laila. “Ela é muito especial para mim, minha única companhia. Agora ela vai comigo para o Rio também.”
Sobre a experiência que viveu na cidade, ele se emociona, mas diz que não se arrepende. “Eu gostei daqui, vou correr no Parque Celso Daniel pela manhã. E nos fins de semana vou olhar carros em outros locais. É uma experiência sabe? A gente tem que viver. Eu não imaginei que seria assim, mas é isso.” 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;