Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 9 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Diadema aprova parcelamento de dívida do Paço com o Ipred

Nario Barbosa 26/10/17 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Aval veio um dia depois de o funcionalismo aceitar proposta de reajuste feita por Lauro


Júnior Carvalho
Do Diário do Grande ABC

31/05/2018 | 07:33


A Câmara de Diadema aprovou ontem por unanimidade projeto que permite que o governo do prefeito Lauro Michels (PV) parcele em 60 vezes dívida de R$ 108,3 milhões do Paço com o Ipred (Instituto de Previdência de Diadema).

O aval veio após impasses e incertezas sobre a campanha salarial do funcionalismo. Na terça-feira, porém, os servidores aceitaram a segunda proposta do governo Lauro em conceder 7,02% de aumento salarial, por meio de assembleia liderada pelo Sindema (Sindicato dos Funcionários Públicos de Diadema). Pela oferta, esse índice será aplicado aos vencimentos em duas etapas: a primeira de 2,54%, retroativa a maio, e a segunda e última, de 4,48%, a partir de dezembro.

A pauta do parcelamento da dívida da Prefeitura com o Ipred estava atrelada à campanha salarial porque, inicialmente, a gestão Lauro propôs o mesmo percentual de reajuste, porém, condicionando a concessão do aumento à aprovação do parcelamento, além de outras questões. A negociação permitirá que o débito com o Ipred – referente à falta de repasse de contribuições previdenciárias patronais – deixe de ser contabilizado como despesa com folha de pagamento e passe a ser legalmente considerado dívida fundada (de longo prazo). Com isso, o Paço diademense reduz o saldo de gastos com pessoal e, consequentemente, se distancia do teto da LFR (Lei de Responsabilidade Fiscal) para esse tipo de gasto.

A intenção do governo Lauro era ver o parcelamento aprovado na sessão do dia 24, mas foi justamente na mesma data em que o Sindema liderou paralisação parcial e conseguiu convencer os vereadores a deixarem para avalizar em definitivo o projeto na sessão de ontem, já que estava agendada para segunda-feira reunião para a retomada da negociação. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Diadema aprova parcelamento de dívida do Paço com o Ipred

Aval veio um dia depois de o funcionalismo aceitar proposta de reajuste feita por Lauro

Júnior Carvalho
Do Diário do Grande ABC

31/05/2018 | 07:33


A Câmara de Diadema aprovou ontem por unanimidade projeto que permite que o governo do prefeito Lauro Michels (PV) parcele em 60 vezes dívida de R$ 108,3 milhões do Paço com o Ipred (Instituto de Previdência de Diadema).

O aval veio após impasses e incertezas sobre a campanha salarial do funcionalismo. Na terça-feira, porém, os servidores aceitaram a segunda proposta do governo Lauro em conceder 7,02% de aumento salarial, por meio de assembleia liderada pelo Sindema (Sindicato dos Funcionários Públicos de Diadema). Pela oferta, esse índice será aplicado aos vencimentos em duas etapas: a primeira de 2,54%, retroativa a maio, e a segunda e última, de 4,48%, a partir de dezembro.

A pauta do parcelamento da dívida da Prefeitura com o Ipred estava atrelada à campanha salarial porque, inicialmente, a gestão Lauro propôs o mesmo percentual de reajuste, porém, condicionando a concessão do aumento à aprovação do parcelamento, além de outras questões. A negociação permitirá que o débito com o Ipred – referente à falta de repasse de contribuições previdenciárias patronais – deixe de ser contabilizado como despesa com folha de pagamento e passe a ser legalmente considerado dívida fundada (de longo prazo). Com isso, o Paço diademense reduz o saldo de gastos com pessoal e, consequentemente, se distancia do teto da LFR (Lei de Responsabilidade Fiscal) para esse tipo de gasto.

A intenção do governo Lauro era ver o parcelamento aprovado na sessão do dia 24, mas foi justamente na mesma data em que o Sindema liderou paralisação parcial e conseguiu convencer os vereadores a deixarem para avalizar em definitivo o projeto na sessão de ontem, já que estava agendada para segunda-feira reunião para a retomada da negociação. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;