Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 26 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Famílias invadem terreno em Diadema

Celso Luiz/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Cerca de 100 barracos ocupam local que pertence a Ecovias; empresa diz que já acionou a Justiça


Aline Melo
Do Diário do Grande ABC

30/06/2020 | 00:01


A pandemia de Covid-19, além de doentes e mortes, tem deixado rastro de destruição econômica e financeira importante. No Grande ABC não é diferente e muitas famílias sentem o peso da perda de renda. Em Diadema, no Jardim Ruyce, cerca de 100 famílias ocupam há dez dias terreno embaixo da Rodovia dos Imigrantes, em área de domínio da Ecovias, concessionária responsável pelo SAI (Sistema Anchieta-Imigrantes).

A ocupação ocorreu na manhã do dia 20 e, segundo o músico Misael Souza Marcelino, 29 anos, uma das lideranças, começou a ser planejada dia 12. Inicialmente, o grupo reunia 40 famílias de moradores do próprio bairro, que não estão mais conseguindo pagar o aluguel e as outras contas do cotidiano. Segundo Marcelino, nenhuma das pessoas é ligada a movimentos de moradia e o grupo está formalizando a criação de associação, que será batizada de “Jureba”.

No dia seguinte à ocupação inicial, que não contou com resistência nem da Prefeitura de Diadema nem da Polícia Militar, que esteve no local, mas não retirou os ocupantes, outras 60 famílias chegaram e se integraram ao grupo. “Colocamos outras pessoas para coordenar e cadastramos os nomes de quem chegou depois. Com base em informações como renda, número de filhos, se paga aluguel ou não, estamos definindo uma lista de prioridades”, explicou o músico.

O objetivo do grupo é ser atendido em algum projeto habitacional ofertado pelo governo, seja ele municipal, estadual ou federal. Marcelino argumenta que, embora a administração municipal alegue que exista cadastro habitacional na cidade, nenhuma das famílias que integram a ocupação preencheu ficha na Prefeitura.
“Nunca passaram lá (no bairro) para saber quem paga aluguel e quem tem condições de pagar. Aquele bairro é bastante caro para o aluguel, com IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) caro. O que todas a famílias esperam é que a gente tenha pedaço de terra para chamar de nosso, seja ali (no local da invasão) ou em qualquer outro lugar”, completou. Para Marcelino, se for ofertada oportunidade “justa e dentro da realidade das pessoas”, quem tiver condições vai pagar pela moradia.

O coordenador relatou que o terreno foi dividido entre as famílias e cada uma recebeu um lote de cinco por nove metros para construir o seu barraco. Os que já estão prontos estão ocupados pelas famílias. Um ponto de luz foi puxado do poste para iluminar os terrenos. Marcelino afirma que todas as famílias têm sido orientadas para manter o local limpo e organizado e que o grupo tem recebido diversas doações, tanto de cestas básicas quanto de marmitas. “Nossa expectativa é que a Prefeitura atenda coerentemente a nossa demanda habitacional”, concluiu.

A Prefeitura de Diadema informou que está encaminhando ao MP (Ministério Público) local todas as informações sobre ações adotadas para a desocupação. “A área em questão pertence à Ecovias. A Prefeitura acompanhou a ação no sábado (20 de junho) e desocupou a área que pertence ao município, porém, o Estado foi inerte no momento”, relatou em nota.

A Ecovias, por sua vez, informou que por se tratar de invasão em área do governo do Estado, pela qual a Ecovias é responsável, o policiamento rodoviário foi acionado e, juntamente à equipe da empresa, foi até o local negociar com os moradores, que desmontaram algumas estruturas que estavam sendo erguidas. “Sobre as estruturas que ainda permanecem no local, a concessionária ingressou com pedido de reintegração de posse na Justiça”, completou o comunicado.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Famílias invadem terreno em Diadema

Cerca de 100 barracos ocupam local que pertence a Ecovias; empresa diz que já acionou a Justiça

Aline Melo
Do Diário do Grande ABC

30/06/2020 | 00:01


A pandemia de Covid-19, além de doentes e mortes, tem deixado rastro de destruição econômica e financeira importante. No Grande ABC não é diferente e muitas famílias sentem o peso da perda de renda. Em Diadema, no Jardim Ruyce, cerca de 100 famílias ocupam há dez dias terreno embaixo da Rodovia dos Imigrantes, em área de domínio da Ecovias, concessionária responsável pelo SAI (Sistema Anchieta-Imigrantes).

A ocupação ocorreu na manhã do dia 20 e, segundo o músico Misael Souza Marcelino, 29 anos, uma das lideranças, começou a ser planejada dia 12. Inicialmente, o grupo reunia 40 famílias de moradores do próprio bairro, que não estão mais conseguindo pagar o aluguel e as outras contas do cotidiano. Segundo Marcelino, nenhuma das pessoas é ligada a movimentos de moradia e o grupo está formalizando a criação de associação, que será batizada de “Jureba”.

No dia seguinte à ocupação inicial, que não contou com resistência nem da Prefeitura de Diadema nem da Polícia Militar, que esteve no local, mas não retirou os ocupantes, outras 60 famílias chegaram e se integraram ao grupo. “Colocamos outras pessoas para coordenar e cadastramos os nomes de quem chegou depois. Com base em informações como renda, número de filhos, se paga aluguel ou não, estamos definindo uma lista de prioridades”, explicou o músico.

O objetivo do grupo é ser atendido em algum projeto habitacional ofertado pelo governo, seja ele municipal, estadual ou federal. Marcelino argumenta que, embora a administração municipal alegue que exista cadastro habitacional na cidade, nenhuma das famílias que integram a ocupação preencheu ficha na Prefeitura.
“Nunca passaram lá (no bairro) para saber quem paga aluguel e quem tem condições de pagar. Aquele bairro é bastante caro para o aluguel, com IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) caro. O que todas a famílias esperam é que a gente tenha pedaço de terra para chamar de nosso, seja ali (no local da invasão) ou em qualquer outro lugar”, completou. Para Marcelino, se for ofertada oportunidade “justa e dentro da realidade das pessoas”, quem tiver condições vai pagar pela moradia.

O coordenador relatou que o terreno foi dividido entre as famílias e cada uma recebeu um lote de cinco por nove metros para construir o seu barraco. Os que já estão prontos estão ocupados pelas famílias. Um ponto de luz foi puxado do poste para iluminar os terrenos. Marcelino afirma que todas as famílias têm sido orientadas para manter o local limpo e organizado e que o grupo tem recebido diversas doações, tanto de cestas básicas quanto de marmitas. “Nossa expectativa é que a Prefeitura atenda coerentemente a nossa demanda habitacional”, concluiu.

A Prefeitura de Diadema informou que está encaminhando ao MP (Ministério Público) local todas as informações sobre ações adotadas para a desocupação. “A área em questão pertence à Ecovias. A Prefeitura acompanhou a ação no sábado (20 de junho) e desocupou a área que pertence ao município, porém, o Estado foi inerte no momento”, relatou em nota.

A Ecovias, por sua vez, informou que por se tratar de invasão em área do governo do Estado, pela qual a Ecovias é responsável, o policiamento rodoviário foi acionado e, juntamente à equipe da empresa, foi até o local negociar com os moradores, que desmontaram algumas estruturas que estavam sendo erguidas. “Sobre as estruturas que ainda permanecem no local, a concessionária ingressou com pedido de reintegração de posse na Justiça”, completou o comunicado.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;