Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 20 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

‘Shopping trem’ vende desde tesoura até guia de vestibular


William Glauber
Do Diário do Grande ABC

07/08/2005 | 11:08


Barra de chocolate, amendoim, pastilha, tesoura, cola, guias de matemática e ortografia para vestibular ou concurso público. Cada item por apenas R$ 1. Como pagamento, aceita-se dinheiro ou vale-transporte. Para vender, preços atraentes, criatividade nos slogans e até performance teatral.

É com artimanhas como essas que vendedores ambulantes disputam o mercado informal instalado no interior dos trens da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) que cruzam o Grande ABC. Trata-se de um universo de 220 mil potenciais consumidores nos 37 quilômetros da linha D, que começa na estação da Luz, em São Paulo, e serve cinco cidades da região (São Caetano, Santo André, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra).

Em geral, os preços são inferiores aos do varejo. Refrigentes e cervejas estão no cardápio mas, nesse caso, o consumidor tem de desembolsar R$ 1,50. As barras de chocolate de 300 gramas de Nestlé, Garoto ou Lacta são vendidas por R$ 3 no “shopping trem”, expressão dos próprios vendedores. O preço da barra pode parecer alto, mas é menor que os R$ 4,50 cobrados, em média, pelos supermercados.

Os ambulantes contam que os produtos são adquiridos em lojas atacadistas nos bairros da Luz e do Brás, na região central de São Paulo. Não há organização ou articulação prévia, segundo eles. Quem chegar primeiro ao vagão, começa a vender. O diferencial entre cada um é a capacidade de criar frases de efeito – “Chocolate de bacana por preço de banana”, gritam nos vagões – ou um estilo particular.

Saltando de vagão em vagão, Abraão Evangelista, de 37 anos, e Alexander de Souza, de 26, atuam em sociedade e simulam uma “concorrência desleal”. Enquanto um oferece um jogo de minicartões Looney Tunes por R$ 1, o outro lança dois jogos por R$ 1, em resposta. Indignado, o concorrente oferece quatro conjuntos pelo mesmo preço. “Assim você me quebra!”, encena o prejudicado. “Cada um faz seu preço!”, sentencia o “desleal”.

“A estratégia se chama ‘o H’. A gente tem uma jogada para incentivar os passageiros a comprar. É tudo uma brincadeira”, explica Evangelista. Cada vendedor fatura R$ 800 por mês e, de segunda a segunda, eles trabalham 12 horas por dia.

A maioria busca nos trens alternativa ao desemprego ou complementação de renda. A ajudante de cozinha Raquel Silva, de 42 anos, trabalha das 7h às 15h em um restaurante com carteira assinada, ganhando R$ 475. Às 17h, inicia o expediente nos trens e, por mês, adiciona R$ 350, em média, à renda pessoal. O passo inicial foi difícil: “A primeira vez que entrei no trem eu olhava para as pessoas e saía. Voltei porque vi que não tinha alternativa”, recorda.

Desemprego e uma filha para criar são os motivos que levaram Cláudia Costa, de 20 anos, para a venda de biscoitos na Linha D. “Não arrumava emprego, e aqui dá para ganhar dinheiro”, explica. Das 7h às 20h, Cláudia e a irmã trabalham nos trens, e a filha de um ano e meio fica sob os cuidados da avó. Por mês, ela ganha R$ 1 mil, trabalhando de segunda a segunda.

O ambulante Antônio Pedreira, de 52 anos, também soma força a essa massa de trabalhadores. Sem carteira assinada desde 1988, o ex-bancário vende diariamente chicletes e barras de chocolate das 8h às 22h para ganhar, em média, R$ 900 mensais.

Todos eles insistem no negócio, apesar da fiscalização, que os ameaça com o confisco dos produtos. A CPTM conta com o GAM (Grupo de Apoio Móvel) para conter a prática de comércio ambulante.

Diariamente, 36 agentes à paisana (seis por linha) abordam vendedores e apreendem mercadorias, enviadas para prefeituras da região ou subprefeituras da capital e, posteriormente, distribuídas a entidades sociais.

No primeiro semestre deste ano, a empresa apreendeu 760 mil mercadorias na malha ferroviária metropolitana, das quais 282 mil nas Linhas D (Luz-Rio Grande da Serra) e A (Luz-Francisco Morato). O ambulante Antônio Pedreira confirma a repressão ao comércio nos trens. “Todo dia tem blitze. Se pegarem os produtos, acabou. Há muita violência”, reclama.

Real – O professor de Economia da Umesp (Universidade Metodista de São Paulo), em São Bernardo, Edgar da Nóbrega, destaca o surgimento de redes de lojas populares que distribuem produtos para o comércio ambulante.

Em relação ao “tudo por R$ 1”, Nóbrega explica que a moeda forte, estabilizada pelo Plano Real em 1994, criou um símbolo. “Antes do real, não existiam lojas de valores pequenos. O mercado encontrou um nicho e criou um mote. Tudo o que couber em R$ 1, as pessoas vão atrás para comprar”, diz.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;