Fechar
Publicidade

Sábado, 17 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Fabricante busca nos Estados Unidos avião para levar carreta

Divulgação/Fotos Públicas Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


17/01/2021 | 07:32


Única fabricante nacional de gases industriais e medicinais, a IBG (Indústria Brasileira de Gases), com sede em Jundiaí, negocia com diversas instituições a locação de uma aeronave de supercarga nos Estados Unidos para transportar uma carreta de 40 toneladas com oxigênio líquido para Manaus. A logística para esse tipo de produto é mais simples do que a do gás em cilindros, mas o Brasil não dispõe de um avião cargueiro com essa capacidade.

O sócio-presidente da IBG, Newton de Oliveira, diz que o grupo tem quatro fábricas no País dedicadas à produção de oxigênio, uma em Forquilhinha (SC) e três em Jundiaí, que operam com 50% da capacidade. Uma delas, em São Paulo, está parada "porque não tem mercado", informa o executivo.

O grupo completou 29 anos ontem e tem, ao todo, 10 unidades que produzem cerca de 5 milhões de metros cúbicos por mês e 17 estações de enchimento de cilindros em dez Estados, mas nenhuma na região do Amazonas. Segundo Oliveira, da produção total do segmento, dominado por multinacionais, tradicionalmente 10% era destinada aos hospitais, porcentual que aumentou para 20% a 30% com a pandemia da covid-19.

Ontem, a Honda, fabricante de motocicletas em Manaus, adquiriu da IBG 300 cilindros de oxigênio (com 3 mil metros cúbicos de gás) que serão transportados hoje pela Força Aérea até a capital amazonense e doados a hospitais locais. Outra empresa do ramo de soluções de transporte de oxigênio, a Egsa, levou 500 cilindros de pequeno porte (500 metros cúbicos) para abastecer e serem entregues à cidade.

Oliveira afirma que tem recebido muitos telefonemas de empresas interessadas em adquirir o produto para doação, mas, embora a empresa tenha disponibilidade, o problema é a logística para transporte.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Fabricante busca nos Estados Unidos avião para levar carreta


17/01/2021 | 07:32


Única fabricante nacional de gases industriais e medicinais, a IBG (Indústria Brasileira de Gases), com sede em Jundiaí, negocia com diversas instituições a locação de uma aeronave de supercarga nos Estados Unidos para transportar uma carreta de 40 toneladas com oxigênio líquido para Manaus. A logística para esse tipo de produto é mais simples do que a do gás em cilindros, mas o Brasil não dispõe de um avião cargueiro com essa capacidade.

O sócio-presidente da IBG, Newton de Oliveira, diz que o grupo tem quatro fábricas no País dedicadas à produção de oxigênio, uma em Forquilhinha (SC) e três em Jundiaí, que operam com 50% da capacidade. Uma delas, em São Paulo, está parada "porque não tem mercado", informa o executivo.

O grupo completou 29 anos ontem e tem, ao todo, 10 unidades que produzem cerca de 5 milhões de metros cúbicos por mês e 17 estações de enchimento de cilindros em dez Estados, mas nenhuma na região do Amazonas. Segundo Oliveira, da produção total do segmento, dominado por multinacionais, tradicionalmente 10% era destinada aos hospitais, porcentual que aumentou para 20% a 30% com a pandemia da covid-19.

Ontem, a Honda, fabricante de motocicletas em Manaus, adquiriu da IBG 300 cilindros de oxigênio (com 3 mil metros cúbicos de gás) que serão transportados hoje pela Força Aérea até a capital amazonense e doados a hospitais locais. Outra empresa do ramo de soluções de transporte de oxigênio, a Egsa, levou 500 cilindros de pequeno porte (500 metros cúbicos) para abastecer e serem entregues à cidade.

Oliveira afirma que tem recebido muitos telefonemas de empresas interessadas em adquirir o produto para doação, mas, embora a empresa tenha disponibilidade, o problema é a logística para transporte.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;