Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 17 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Rosamaria Murtinho: arte a todo vapor


Ana Clara Werneck
Da TV Press

22/12/2007 | 07:01


Na TV, Rosamaria Murtinho interpreta a vilã atrapalhada Otília em Sete Pecados, sua 43ª novela. No teatro, está em turnê pelo Brasil com a peça Frida, de Meire Rioto, na qual vive a pintora mexicana Frida Kahlo em sua idade madura. Além disso, faz planos para o futuro, como produzir uma peça com depoimentos que ouviu do público nos mais de 50 anos de carreira.

“Agora que meus filhos já são adultos, posso me dedicar de corpo e alma à atuação. Não preciso mais sair correndo para ver se as crianças foram ao curso de inglês”, justifica a mãe de três homens, todos na faixa dos 40 anos.

A Otília faz parte do núcleo da preguiça em Sete Pecados. Desde o início da trama, ela arma planos para não ter de trabalhar. Você acha que ela vai se regenerar até o fim da história?

ROSAMARIA MURTINHO – Considero que a Otília tem a função de denunciar esse tipo de gente que pratica pequenos golpes, sem se dar conta de que suas ações repercutem infinitamente. Achei que o público fosse me odiar, porque atrapalho o casal mais querido, a Juju e o Romeu. Mas não, as pessoas acham graça das trapalhadas dela. Em uma trama das sete, mesmo a vilã tem de ser caricata. Muitas crianças assistem a esta novela, por isso gostaria que ela se emendasse. Novela também é educação. Eu queria que ela terminasse a história vendendo tapioca numa barraquinha, a “Tapioca da Baronesa”.

Levando em conta sua trajetória, a TV ainda oferece bons papéis para atrizes maduras?

ROSAMARIA – Para as mulheres, a TV e o cinema são cruéis. Com os homens, não. O homem maduro ainda tem lugar. Já no teatro, pode-se permitir mais. Em Frida, por exemplo, interpreto a pintora mexicana na casa do 40 anos. Em Sete Pecados, comecei namorando um rapaz mais jovem, o Antero, vivido pelo Marcelo Médici. Não posso reclamar.

Como surgiu a idéia de montar Frida no teatro?

ROSAMARIA – Meu agente, Marcos Montenegro, propôs que montássemos o espetáculo em homenagem aos 100 anos que a pintora completaria em 2007, se fosse viva. Eu achava que já tinha passado da idade para interpretá-la. Mas já encarnei Chiquinha Gonzaga, que tinha 86 anos. Se posso fazer alguém mais velho, posso interpretar alguém mais novo também. Como diria Bibi Ferreira, o melhor é surpreender o público.

Você estreou no teatro aos 18 anos, mas sua primeira novela foi só em 1964, A Moça Que Veio de Longe, na TV Excelsior. Houve uma resistência inicial à TV?

ROSAMARIA – Nunca pensei em ser atriz. Fui estudar nos Estados Unidos, e, na volta, meu irmão, Carlos Murtinho, que depois virou ator e diretor, fazia teatro amador. Eu sempre ia ver os ensaios e, um dia, uma das moças ficou doente. O Paulo Francis, que era o diretor, me chamou para substitui-la. E nunca mais saí do palco, tomei gosto. Foi acontecendo aos poucos. Depois, casei com o Mauro Mendonça, o que me aproximou ainda mais do meio. No entanto, não abri mão de criar meus filhos. Hoje estou na minha 43ª novela, mas o que eu pensava mesmo era em casar e ter filhos.


Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;