Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 5 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Ricardo Teixeira vê escolha como abertura de outros mercados


Do Diário do Grande ABC

03/12/2010 | 07:00


Sob séria acusação de lavagem de dinheiro, o presidente da CBF e do Comitê Organizador da Copa do Mundo de 2014, Ricardo Teixeira, evitou ao máximo falar com a imprensa, ontem, na Suíça, e também não quis comentar seus votos para escolha das sedes dos Mundiais.

Segundo o dirigente, a opção por Rússia e Catar é uma aposta em novos mercados para o futebol. "Esse é um sinal de que a Fifa está querendo se abrir para novos países que nunca receberam uma Copa do Mundo", limitou-se a dizer.

Quando questionado sobre as arestas que precisam ser aparadas para 2014, principalmente as definições referentes à partida de abertura, o dirigente foi ainda mais evasivo. "Precisamos esperar os procedimentos. Só no início de 2011 teremos a resposta", declarou, fugindo da definição sobre o Fielzão, o novo estádio do Corinthians, ser mesmo o escolhido para abrir o Mundial.

Obama reclama

Após ser confirmada a derrota dos Estados Unidos para o Catar na luta pela sede da Copa de 2022, o presidente norte-americano, Barack Obama, que preferiu não seguir à Suíça para acompanhar de perto a votação, criticou a opção da Fifa. "Penso que foi uma decisão errada", lamentou.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Ricardo Teixeira vê escolha como abertura de outros mercados

Do Diário do Grande ABC

03/12/2010 | 07:00


Sob séria acusação de lavagem de dinheiro, o presidente da CBF e do Comitê Organizador da Copa do Mundo de 2014, Ricardo Teixeira, evitou ao máximo falar com a imprensa, ontem, na Suíça, e também não quis comentar seus votos para escolha das sedes dos Mundiais.

Segundo o dirigente, a opção por Rússia e Catar é uma aposta em novos mercados para o futebol. "Esse é um sinal de que a Fifa está querendo se abrir para novos países que nunca receberam uma Copa do Mundo", limitou-se a dizer.

Quando questionado sobre as arestas que precisam ser aparadas para 2014, principalmente as definições referentes à partida de abertura, o dirigente foi ainda mais evasivo. "Precisamos esperar os procedimentos. Só no início de 2011 teremos a resposta", declarou, fugindo da definição sobre o Fielzão, o novo estádio do Corinthians, ser mesmo o escolhido para abrir o Mundial.

Obama reclama

Após ser confirmada a derrota dos Estados Unidos para o Catar na luta pela sede da Copa de 2022, o presidente norte-americano, Barack Obama, que preferiu não seguir à Suíça para acompanhar de perto a votação, criticou a opção da Fifa. "Penso que foi uma decisão errada", lamentou.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;