Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 27 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Moradores lucram com os visitantes


Marco Borba
Do Diário do Grande ABC

19/10/2007 | 07:48


Por R$ 30 ou até mesmo de graça é possível assistir aos treinos da Fórmula 1, que começam nesta sexta-feira, ou à última prova da temporada no autódromo de Interlagos, no domingo.

O valor é o médio cobrado por comerciantes estabelecidos no entorno do circuito. Já para aqueles que nos últimos anos se tornaram clientes cativos, a entrada para ver os possantes multicoloridos rasgarem os pouco mais de quatro quilômetros de pista pode sair de graça. É só consumir.

Já os que moram no entorno do autódromo, especialmente na avenida Manoel de Teffé, têm o privilégio de ver a corrida de camarote.

Um dos pontos mais disputados é o Bar do Nilton. Do terraço do estabelecimento, cerca de quatro metros acima do nível da pista, é possível ver, ainda que numa fração de segundos, o momento em que os carros apontam na curva do Laranjinha para ganhar a reta dos boxes.

O bar recebe visitantes de diversos lugares da cidade. "Tem uma família de Pirituba (zona Norte) que vem todo ano ver a corrida e traz a carne para o churrasco. Paga só a entrada (R$ 30) e a cerveja", diz a proprietária, Lindaci Maria de Novaes. E os vizinhos? "De vizinho a gente não cobra, né."

Insônia – Na Villagio di Pizza, há quem vire a noite do sábado para o domingo para garantir espaço na cobertura. "Abrimos às 9h do sábado e fechamos só às 22h do domingo. É muito divertido", conta o ajudante de cozinha Ronaldo Lourenço de Castro.

O empresário do ramo de embalagens, Carlos Toshio, foi à pizzaria pela primeira vez no ano passado, no primeiro dia de treinos, uma sexta-feira, e levou os dois filhos: Fábio, 5 anos, e Fabiana, 8. Não pagou nada. Só a pizza consumida. Mas no domingo, a entrada custa R$ 30.

Toshio conta que dois dias antes foi fazer entrega para um cliente e que este comentou que de alguns estabelecimentos é possível ver parte da pista. "Falei com a esposa. As crianças ouviram e não deram sossego. Tive de trazê-las."

O empresário promete voltar nesta sexta-feira. "Meu filho já me cobrou. A gente vem mais pelo lazer em si e pelo ronco dos motores, porque é possível ver um pequeno trecho da pista." E a torcida, é claro, pela vitória de Felipe Massa.


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Moradores lucram com os visitantes

Marco Borba
Do Diário do Grande ABC

19/10/2007 | 07:48


Por R$ 30 ou até mesmo de graça é possível assistir aos treinos da Fórmula 1, que começam nesta sexta-feira, ou à última prova da temporada no autódromo de Interlagos, no domingo.

O valor é o médio cobrado por comerciantes estabelecidos no entorno do circuito. Já para aqueles que nos últimos anos se tornaram clientes cativos, a entrada para ver os possantes multicoloridos rasgarem os pouco mais de quatro quilômetros de pista pode sair de graça. É só consumir.

Já os que moram no entorno do autódromo, especialmente na avenida Manoel de Teffé, têm o privilégio de ver a corrida de camarote.

Um dos pontos mais disputados é o Bar do Nilton. Do terraço do estabelecimento, cerca de quatro metros acima do nível da pista, é possível ver, ainda que numa fração de segundos, o momento em que os carros apontam na curva do Laranjinha para ganhar a reta dos boxes.

O bar recebe visitantes de diversos lugares da cidade. "Tem uma família de Pirituba (zona Norte) que vem todo ano ver a corrida e traz a carne para o churrasco. Paga só a entrada (R$ 30) e a cerveja", diz a proprietária, Lindaci Maria de Novaes. E os vizinhos? "De vizinho a gente não cobra, né."

Insônia – Na Villagio di Pizza, há quem vire a noite do sábado para o domingo para garantir espaço na cobertura. "Abrimos às 9h do sábado e fechamos só às 22h do domingo. É muito divertido", conta o ajudante de cozinha Ronaldo Lourenço de Castro.

O empresário do ramo de embalagens, Carlos Toshio, foi à pizzaria pela primeira vez no ano passado, no primeiro dia de treinos, uma sexta-feira, e levou os dois filhos: Fábio, 5 anos, e Fabiana, 8. Não pagou nada. Só a pizza consumida. Mas no domingo, a entrada custa R$ 30.

Toshio conta que dois dias antes foi fazer entrega para um cliente e que este comentou que de alguns estabelecimentos é possível ver parte da pista. "Falei com a esposa. As crianças ouviram e não deram sossego. Tive de trazê-las."

O empresário promete voltar nesta sexta-feira. "Meu filho já me cobrou. A gente vem mais pelo lazer em si e pelo ronco dos motores, porque é possível ver um pequeno trecho da pista." E a torcida, é claro, pela vitória de Felipe Massa.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;