Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 6 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Irã executa publicamente assassinos de juiz


Da AFP

02/08/2007 | 08:38


Dois homens condenados pelo assassinato de um juiz iraniano em 2005 foram executados na forca, nesta quinta-feira, em Teerã. Estas foram as primeiras execuções públicas na capital em cinco anos. O ato foi assistido por milhares de pessoas.

Os dois homens foram condenados pelo assassinato de Hassan Moghaddas, um procurador adjunto de linha dura nos julgamentos por críticas às autoridades.

Moghaddas condenou, entre outros, o escritor Akbar Ganji a seis anos de prisão em 2001, sob a acusação de ter envolvido autoridades do regime no assassinato de membros da oposição. Também havia presidido o julgamento dos intelectuais e reformistas iranianos que participaram em uma polêmica conferência em Berlim em 2000.

Pelo menos 151 pessoas foram executadas no Irã no decorrer do ano, a maioria na forca, segundo uma contagem elaborada a partir de informações da imprensa e de testemunhas. De acordo com a Anistia Internacional, em 2006 o número de execuções chegou a pelo menos 177. De acordo com a organização o Irã é, ao lado de China e Paquistão, um dos três países do mundo que mais recorre à pena de morte.

Traição, espionagem, assassinato, roubo a mão armada, tráfico de drogas, estupro, sodomia, adultério, prostituição e apostasia podem resultar em condenação à pena de morte na República Islâmica do Irã.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Irã executa publicamente assassinos de juiz

Da AFP

02/08/2007 | 08:38


Dois homens condenados pelo assassinato de um juiz iraniano em 2005 foram executados na forca, nesta quinta-feira, em Teerã. Estas foram as primeiras execuções públicas na capital em cinco anos. O ato foi assistido por milhares de pessoas.

Os dois homens foram condenados pelo assassinato de Hassan Moghaddas, um procurador adjunto de linha dura nos julgamentos por críticas às autoridades.

Moghaddas condenou, entre outros, o escritor Akbar Ganji a seis anos de prisão em 2001, sob a acusação de ter envolvido autoridades do regime no assassinato de membros da oposição. Também havia presidido o julgamento dos intelectuais e reformistas iranianos que participaram em uma polêmica conferência em Berlim em 2000.

Pelo menos 151 pessoas foram executadas no Irã no decorrer do ano, a maioria na forca, segundo uma contagem elaborada a partir de informações da imprensa e de testemunhas. De acordo com a Anistia Internacional, em 2006 o número de execuções chegou a pelo menos 177. De acordo com a organização o Irã é, ao lado de China e Paquistão, um dos três países do mundo que mais recorre à pena de morte.

Traição, espionagem, assassinato, roubo a mão armada, tráfico de drogas, estupro, sodomia, adultério, prostituição e apostasia podem resultar em condenação à pena de morte na República Islâmica do Irã.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;