Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 21 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Setor alimentício em alta


Leone Farias
Do Diário do Grande ABC

14/06/2009 | 08:01


 

Em meio à crise global, indústrias e empresas de serviços do Grande ABC ligadas ao setor alimentício têm sobressaído no cenário econômico, registrando resultados superiores aos alcançados em 2008.

Dentre as companhias que participam, a partir da segunda-feira, da Fispal Food Service e da Fispal Tecnologia - feiras que, em conjunto, constituem o quarto maior evento mundial do segmento -, em São Paulo, há motivos para comemorar.

"O mercado continua muito comprador", resumiu o gerente geral da Eletro Metalúrgica Edanca, José Tucci. Fabricante de chapas para lanches e estufas para salgados, a empresa de São Bernardo projeta incremento de pelo menos 5% nas vendas neste ano.

A Edanca trabalha com revendedores que fazem a distribuição em todo o Brasil e conta com a participação na Fispal Food Service para ampliar contatos. Um dos objetivos é também alcançar o mercado Externo. "Temos meta de exportar, já temos clientes prospectados na América Cental", afirmou o gerente.

Com o foco na região, a distribuidora de polpas de frutas Conquista Foods, de Santo André, estima crescimento ainda maior, da ordem de 50%. "A crise não chegou pra gente", afirmou o empresário Hemetério Novais Souto Neto. A companhia atende supermercados, bares e restaurantes e prevê passar de vendas mensais de 50 toneladas de polpas em 2008, para 100 toneladas/mês no fim deste ano.

Outra empresa que atende restaurantes, a All Cooks, também registra desempenho em alta. Aberta há apenas dois anos, essa indústria de Santo André produz equipamentos para cozinhas industriais - linhas de cocção, caldeirões e balcões - fatura R$ 400 mil por mês. "Até por conta dos investimentos, esperamos chegar a R$ 1 milhão mensal até o fim do ano", assinalou o proprietário, Gilmar Carlos Dias. A empresa investe R$ 2 milhões para ampliar a fábrica e adquirir novos maquinários.

Dias afirmou que as vendas deram freada, mas reagiram nos últimos 60 dias. Ele demonstrou otimismo. "O mercado de gastronomia costuma se aquecer a partir de julho", explicou.

CRÉDITO
Estimulado pelo crescimento do consumo das famílias - alta de 0,7% no País no primeiro trimestre, de acordo com dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) -, o setor segue em expansão, mas enfrenta desafios.

O gerente da Engefood, de São Caetano, José Carlos Dias Reis, observou que um dos fatores que atrapalham é o crédito, que ficou mais caro. Por conta disso, a companhia, que também atua no segmento de cozinhas industriais, passou a financiar pequenos clientes.

Reis destacou que, apesar da crise, as vendas devem crescer 5% neste ano. "Grandes companhias como Vale e Petrobras não brecaram investimentos (nessa área)", afirmou.

 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;