Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 10 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Ministros da zona do euro se irritam com lentidão grega



24/04/2015 | 06:17


Os ministros de Finanças da zona do euro pedem que o governo grego se apresse na apresentação de um plano que detalhe como o país pretende pagar sua dívida com credores internacionais. Alguns deles, inclusive, têm manifestado aborrecimento com a falta de progresso nas negociações.

"Já estou bastante irritado com essa questão", disse o ministro de Finanças da Áustria, Hans Jörg Schelling, que, nesta sexta-feira, na Letônia, se encontra com seus colegas da zona do euro em reunião do Eurogrupo, grupo informal de ministros de Finanças do bloco.

Conversas técnicas entre a Grécia e seus credores internacionais têm se arrastado há semanas sem um acordo sobre as revisões e cortes no orçamento do governo grego, que precisam ser implementadas em troca de ajuda sustentada. A reunião de ministros na Letônia vem antes de mais uma tentativa de acordo, cujo prazo final é o fim de abril.

"Nós estamos conversamos, mas falta substância", disse o ministro das Finanças eslovaco, Peter Kazimir. "Estamos à espera de propostas reais", acrescentou. Kazimir declarou ainda que, em vez de se concentrar sobre o prazo do fim de abril, todas as partes devem se certificar de que eles podem chegar a um acordo antes do fim de junho, quando expira o acordo de resgate da Grécia com a zona do euro e o Fundo Monetário Internacional (FMI), de 240 bilhões de euros.

Depois disso, a Grécia terá de pagar mais de 6 bilhões de euros em dívidas para o Banco Central Europeu (BCE), e é provável que seja incapaz de cumprir esta obrigação sem conseguir mais crédito internacional.

Alguns ministros, incluindo o holandês Jeroen Dijsselbloem, que lidera as negociações com os seus colegas da zona do euro, dizem que o ambiente de trabalho entre os dois lados tem melhorado, mas que ainda é necessário acelerar o processo.

O austríaco Schelling afirmou também que o progresso tem deixado a desejar. "Não se pode confirmar que estamos avançando em passos essenciais", disse, acrescentando que "percepções divergentes" sobre o que é preciso ser feito têm dificultado as conversas com o governo grego. "Nós estamos perdendo muito tempo", afirmou.

O governo de extrema-esquerda primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, tem se recuado a aceitar mais medidas de austeridade, em especial no sistema previdenciário do país e outras voltadas para o mercado de trabalho, que haviam sido aceitas pelo governo anterior em acordo de resgate de 2012. Fonte: Dow Jones Newswires.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Ministros da zona do euro se irritam com lentidão grega


24/04/2015 | 06:17


Os ministros de Finanças da zona do euro pedem que o governo grego se apresse na apresentação de um plano que detalhe como o país pretende pagar sua dívida com credores internacionais. Alguns deles, inclusive, têm manifestado aborrecimento com a falta de progresso nas negociações.

"Já estou bastante irritado com essa questão", disse o ministro de Finanças da Áustria, Hans Jörg Schelling, que, nesta sexta-feira, na Letônia, se encontra com seus colegas da zona do euro em reunião do Eurogrupo, grupo informal de ministros de Finanças do bloco.

Conversas técnicas entre a Grécia e seus credores internacionais têm se arrastado há semanas sem um acordo sobre as revisões e cortes no orçamento do governo grego, que precisam ser implementadas em troca de ajuda sustentada. A reunião de ministros na Letônia vem antes de mais uma tentativa de acordo, cujo prazo final é o fim de abril.

"Nós estamos conversamos, mas falta substância", disse o ministro das Finanças eslovaco, Peter Kazimir. "Estamos à espera de propostas reais", acrescentou. Kazimir declarou ainda que, em vez de se concentrar sobre o prazo do fim de abril, todas as partes devem se certificar de que eles podem chegar a um acordo antes do fim de junho, quando expira o acordo de resgate da Grécia com a zona do euro e o Fundo Monetário Internacional (FMI), de 240 bilhões de euros.

Depois disso, a Grécia terá de pagar mais de 6 bilhões de euros em dívidas para o Banco Central Europeu (BCE), e é provável que seja incapaz de cumprir esta obrigação sem conseguir mais crédito internacional.

Alguns ministros, incluindo o holandês Jeroen Dijsselbloem, que lidera as negociações com os seus colegas da zona do euro, dizem que o ambiente de trabalho entre os dois lados tem melhorado, mas que ainda é necessário acelerar o processo.

O austríaco Schelling afirmou também que o progresso tem deixado a desejar. "Não se pode confirmar que estamos avançando em passos essenciais", disse, acrescentando que "percepções divergentes" sobre o que é preciso ser feito têm dificultado as conversas com o governo grego. "Nós estamos perdendo muito tempo", afirmou.

O governo de extrema-esquerda primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, tem se recuado a aceitar mais medidas de austeridade, em especial no sistema previdenciário do país e outras voltadas para o mercado de trabalho, que haviam sido aceitas pelo governo anterior em acordo de resgate de 2012. Fonte: Dow Jones Newswires.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;