Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 7 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Força Sindical critica investimentos com FGTS


William Glauber
Do Diário do Grande ABC

17/01/2007 | 22:08


A proposta de destinar recursos do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) para projetos de infra-estrutura, a ser anunciada pelo governo federal por meio do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), é duramente rechaçada pela Força Sindical – a segunda maior central do país. O presidente da entidade, Paulo Pereira da Silva, o Paulinho, anunciou nesta quarta-feira que a Força vai entrar com ação no STF (Supremo Tribunal Federal), em Brasília, para barrar a medida do governo.

Segundo avaliação da central, a estratégia do Executivo de aplicar recursos do FGTS para financiar a infra-estrutura do país coloca em risco um “patrimônio do trabalhador”. Caso um investimento realizado com dinheiro do FGTS não dê o resultado projetado ou uma obra fundamental de infra-estrutura não seja concluída, o prejuízo recai, dessa forma, sobre o conjunto dos trabalhadores que mantém o fundo.

“Não podemos de forma alguma ficar calados diante da tentativa do governo de criar um fundo que pode gerar prejuízos, à revelia dos trabalhadores. Entendemos que os trabalhadores devem ter o direito de optar ou não em correr o risco, como no caso das aplicações de dinheiro do FGTS em compra de ações da Petrobras ou da Companhia Vale do Rio Doce”, diz Paulinho.

Na opinião do sindicalista e também deputado federal pelo PDT-SP, a proposta do governo é arbitrária e desconsidera o fato de o FGTS ser um direito adquirido pelos trabalhadores.

“O dinheiro nas contas do FGTS, vale ressaltar, é uma reserva que sempre é utilizada pelos trabalhadores para seu sustento após demissões, doenças graves ou na compra da casa própria”, enfatiza o dirigente sindical.

Embora critique a proposta do governo de aplicar recurso do fundo em obras públicas de infra-estrutura, a fim de estimular o crescimento da economia em 5% ao ano, Paulinho considera importantes os projetos para o desenvolvimento do país. No entanto, para se opor à idéia, ele destaca os riscos apresentados aos trabalhadores.

O vice-presidente da Força, Eleno Bezerra, também critica a proposta do governo. “Se, no pacote a ser anunciado segunda-feira, por meio de MP (Medida Provisória), o governo determinar o uso de recursos do fundo para esta finalidade vamos nos mobilizar”, ameaça Bezerra.

Para ele, essa proposta consiste em “tomar dinheiro do trabalhador”.

Segundo Bezerra, a Força é a favor da criação de um fundo no qual o trabalhador possa aplicar recursos voluntariamente, e com garantias, o FGTS em ações. “Não vamos aceitar que o governo pegue o dinheiro do FGTS para fazer investimentos de risco e deixar o prejuízo para os trabalhadores”, destaca o sindicalista, também presidente da CNTM (Confederação Nacional dos Trabalhadores Metalúrgicos).



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Força Sindical critica investimentos com FGTS

William Glauber
Do Diário do Grande ABC

17/01/2007 | 22:08


A proposta de destinar recursos do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) para projetos de infra-estrutura, a ser anunciada pelo governo federal por meio do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), é duramente rechaçada pela Força Sindical – a segunda maior central do país. O presidente da entidade, Paulo Pereira da Silva, o Paulinho, anunciou nesta quarta-feira que a Força vai entrar com ação no STF (Supremo Tribunal Federal), em Brasília, para barrar a medida do governo.

Segundo avaliação da central, a estratégia do Executivo de aplicar recursos do FGTS para financiar a infra-estrutura do país coloca em risco um “patrimônio do trabalhador”. Caso um investimento realizado com dinheiro do FGTS não dê o resultado projetado ou uma obra fundamental de infra-estrutura não seja concluída, o prejuízo recai, dessa forma, sobre o conjunto dos trabalhadores que mantém o fundo.

“Não podemos de forma alguma ficar calados diante da tentativa do governo de criar um fundo que pode gerar prejuízos, à revelia dos trabalhadores. Entendemos que os trabalhadores devem ter o direito de optar ou não em correr o risco, como no caso das aplicações de dinheiro do FGTS em compra de ações da Petrobras ou da Companhia Vale do Rio Doce”, diz Paulinho.

Na opinião do sindicalista e também deputado federal pelo PDT-SP, a proposta do governo é arbitrária e desconsidera o fato de o FGTS ser um direito adquirido pelos trabalhadores.

“O dinheiro nas contas do FGTS, vale ressaltar, é uma reserva que sempre é utilizada pelos trabalhadores para seu sustento após demissões, doenças graves ou na compra da casa própria”, enfatiza o dirigente sindical.

Embora critique a proposta do governo de aplicar recurso do fundo em obras públicas de infra-estrutura, a fim de estimular o crescimento da economia em 5% ao ano, Paulinho considera importantes os projetos para o desenvolvimento do país. No entanto, para se opor à idéia, ele destaca os riscos apresentados aos trabalhadores.

O vice-presidente da Força, Eleno Bezerra, também critica a proposta do governo. “Se, no pacote a ser anunciado segunda-feira, por meio de MP (Medida Provisória), o governo determinar o uso de recursos do fundo para esta finalidade vamos nos mobilizar”, ameaça Bezerra.

Para ele, essa proposta consiste em “tomar dinheiro do trabalhador”.

Segundo Bezerra, a Força é a favor da criação de um fundo no qual o trabalhador possa aplicar recursos voluntariamente, e com garantias, o FGTS em ações. “Não vamos aceitar que o governo pegue o dinheiro do FGTS para fazer investimentos de risco e deixar o prejuízo para os trabalhadores”, destaca o sindicalista, também presidente da CNTM (Confederação Nacional dos Trabalhadores Metalúrgicos).

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;