Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 27 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Câmara dos EUA aprova projeto de lei que condena China por repressão em Xinjiang



04/12/2019 | 08:02


A Câmara dos Representantes dos EUA aprovou na noite de terça-feira (03) um projeto de lei que condena a brutal repressão pelo governo da China de muçulmanos étnicos na província de Xinjiang, no noroeste do país asiático. A proposta já havia sido aprovada no Senado americano.

A legislação condena a detenção de mais de 1 milhão de uigures, cazaques e outras minorias em chamados "campos de reeducação", onde eles estão sujeitos a doutrinação política, tortura, espancamentos e escassez de alimentos, além de ter negados direitos de liberdade religiosa e linguística.

Nesta quarta-feira, Pequim protestou contra a iniciativa do Congresso americano. Em comunicado, o porta-voz do Ministério de Relações Exteriores da China disse que os EUA estão utilizando a questão de Xinjiang para "semear a discórdia" nas relações étnicas chinesas e minar a prosperidade e a estabilidade da região. Fonte: Associated Press.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Câmara dos EUA aprova projeto de lei que condena China por repressão em Xinjiang


04/12/2019 | 08:02


A Câmara dos Representantes dos EUA aprovou na noite de terça-feira (03) um projeto de lei que condena a brutal repressão pelo governo da China de muçulmanos étnicos na província de Xinjiang, no noroeste do país asiático. A proposta já havia sido aprovada no Senado americano.

A legislação condena a detenção de mais de 1 milhão de uigures, cazaques e outras minorias em chamados "campos de reeducação", onde eles estão sujeitos a doutrinação política, tortura, espancamentos e escassez de alimentos, além de ter negados direitos de liberdade religiosa e linguística.

Nesta quarta-feira, Pequim protestou contra a iniciativa do Congresso americano. Em comunicado, o porta-voz do Ministério de Relações Exteriores da China disse que os EUA estão utilizando a questão de Xinjiang para "semear a discórdia" nas relações étnicas chinesas e minar a prosperidade e a estabilidade da região. Fonte: Associated Press.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;