Fechar
Publicidade

Sábado, 31 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Usuários precisam esperar até 4 meses por vaga em serviço do Poupatempo

Claudinei Plaza/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Emissão de RG e exame médico para a CNH
estão com longas filas nas unidades da região


Yasmin Assagra
Do Diário do Grande ABC

23/09/2020 | 00:01


Criado para facilitar a vida da população com a oferta de serviços rápidos, o Poupatempo tem se tornado obstáculo para pessoas que precisam adicionar categoria na CNH (Carteira Nacional de Habilitação) ou solicitar o RG, por exemplo. O prazo de agendamento destes dois serviços pelos canais de atendimento disponíveis – site, aplicativo e telefone – pode chegar a quatro meses.

A justificativa é a demanda represada durante os cinco meses que as unidades ficaram fechadas devido à pandemia causada pelo novo coronavírus. No Grande ABC, os postos de São Bernardo e Mauá voltaram a funcionar no dia 19 de agosto, enquanto as unidades de Santo André e Mauá reabriram no dia 2 de setembro. Neste primeiro momento, podendo receber até 30% da capacidade de público, os únicos serviços disponibilizados são os que precisam da presença do cidadão, como a mudança de categoria da CNH, que exige exame médico, e a solicitação do RG, que precisa da foto e assinatura.

A equipe de reportagem do Diário acessou o site do Poupatempo e procurou pelos dois serviços nas unidades da região. Para tirar o RG, por exemplo, até ontem, a primeira data disponível é dia 23 de novembro. Antes disso, as opções são os postos das cidades de Itapeva ou Avaré, localizadas a cerca de 300 quilômetros de distância do Grande ABC. Em relação à busca pelo agendamento para mudança ou inclusão de categoria na CNH e, consequentemente, realizar o exame médico, o sistema informa que não há mais data disponível este ano.

Essa é a dificuldade enfrentada pela assistente de Recursos Humanos Camila Melo, 26 anos, que busca pelo agendamento da segunda via do RG. “Como voltei a trabalhar, os meus horários também ficaram mais restritos. Antes, não era tão difícil um agendamento, mas hoje, é sentar e esperar. Não tem outro jeito.”

O atendimento do Detran no Poupatempo também tem tirado a paciência dos usuários. O analista contábil William dos Santos, 26, busca o agendamento para adicionar a categoria de moto na CNH. O rapaz já deu entrada na habilitação em uma autoescola em Santo André e o agendamento para o exame médico só está disponível para 2021. Para piorar, o serviço precisa ser, necessariamente, na mesma cidade onde ele iniciou o processo na autoescola.

“Gostaria de tirar a carta de moto agora, justamente pela praticidade do home office, que me permite mais tempo. Sempre foi rápido e nunca tive problemas. Agora entro todos os dias para ver se alguém desistiu para eu conseguir agendar”, destaca William.

POSICIONAMENTO
O diretor da Prodesp, empresa de tecnologia do governo do Estado responsável pelo gerenciamento do Poupatempo, Murilo Macedo disse que a demanda é alta porque a população ainda está se acostumando a utilizar os serviços digitais. “Não é da noite para o dia, envolve processo de uma nova cultura, até que os usuários entendam que muitos serviços podem ser resolvidos também pelo digital”, comenta, sem garantir que novas vagas serão abertas para os serviços que precisam ser realizados presencialmente nas unidades.

Mesmo com os prazos longos, Macedo garante que os atendimentos foram reforçados pelas equipes. “Nosso fale conosco está mais rápido e, neste momento, aumentamos o número de orientadores, que ficam do lado de fora das unidades ajudando o cidadão e dando suporte para agendamento on line”, conta.

Murilo pede que os usuários que não possam comparecer ao atendimento que desmarque o horário. “Muitas vezes as pessoas fazem o agendamento e não comparecem. Esse número é superior a 30%, ou seja, o usuário descobre que dá para resolver pelo digital e acaba não indo”, finaliza o diretor. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Usuários precisam esperar até 4 meses por vaga em serviço do Poupatempo

Emissão de RG e exame médico para a CNH
estão com longas filas nas unidades da região

Yasmin Assagra
Do Diário do Grande ABC

23/09/2020 | 00:01


Criado para facilitar a vida da população com a oferta de serviços rápidos, o Poupatempo tem se tornado obstáculo para pessoas que precisam adicionar categoria na CNH (Carteira Nacional de Habilitação) ou solicitar o RG, por exemplo. O prazo de agendamento destes dois serviços pelos canais de atendimento disponíveis – site, aplicativo e telefone – pode chegar a quatro meses.

A justificativa é a demanda represada durante os cinco meses que as unidades ficaram fechadas devido à pandemia causada pelo novo coronavírus. No Grande ABC, os postos de São Bernardo e Mauá voltaram a funcionar no dia 19 de agosto, enquanto as unidades de Santo André e Mauá reabriram no dia 2 de setembro. Neste primeiro momento, podendo receber até 30% da capacidade de público, os únicos serviços disponibilizados são os que precisam da presença do cidadão, como a mudança de categoria da CNH, que exige exame médico, e a solicitação do RG, que precisa da foto e assinatura.

A equipe de reportagem do Diário acessou o site do Poupatempo e procurou pelos dois serviços nas unidades da região. Para tirar o RG, por exemplo, até ontem, a primeira data disponível é dia 23 de novembro. Antes disso, as opções são os postos das cidades de Itapeva ou Avaré, localizadas a cerca de 300 quilômetros de distância do Grande ABC. Em relação à busca pelo agendamento para mudança ou inclusão de categoria na CNH e, consequentemente, realizar o exame médico, o sistema informa que não há mais data disponível este ano.

Essa é a dificuldade enfrentada pela assistente de Recursos Humanos Camila Melo, 26 anos, que busca pelo agendamento da segunda via do RG. “Como voltei a trabalhar, os meus horários também ficaram mais restritos. Antes, não era tão difícil um agendamento, mas hoje, é sentar e esperar. Não tem outro jeito.”

O atendimento do Detran no Poupatempo também tem tirado a paciência dos usuários. O analista contábil William dos Santos, 26, busca o agendamento para adicionar a categoria de moto na CNH. O rapaz já deu entrada na habilitação em uma autoescola em Santo André e o agendamento para o exame médico só está disponível para 2021. Para piorar, o serviço precisa ser, necessariamente, na mesma cidade onde ele iniciou o processo na autoescola.

“Gostaria de tirar a carta de moto agora, justamente pela praticidade do home office, que me permite mais tempo. Sempre foi rápido e nunca tive problemas. Agora entro todos os dias para ver se alguém desistiu para eu conseguir agendar”, destaca William.

POSICIONAMENTO
O diretor da Prodesp, empresa de tecnologia do governo do Estado responsável pelo gerenciamento do Poupatempo, Murilo Macedo disse que a demanda é alta porque a população ainda está se acostumando a utilizar os serviços digitais. “Não é da noite para o dia, envolve processo de uma nova cultura, até que os usuários entendam que muitos serviços podem ser resolvidos também pelo digital”, comenta, sem garantir que novas vagas serão abertas para os serviços que precisam ser realizados presencialmente nas unidades.

Mesmo com os prazos longos, Macedo garante que os atendimentos foram reforçados pelas equipes. “Nosso fale conosco está mais rápido e, neste momento, aumentamos o número de orientadores, que ficam do lado de fora das unidades ajudando o cidadão e dando suporte para agendamento on line”, conta.

Murilo pede que os usuários que não possam comparecer ao atendimento que desmarque o horário. “Muitas vezes as pessoas fazem o agendamento e não comparecem. Esse número é superior a 30%, ou seja, o usuário descobre que dá para resolver pelo digital e acaba não indo”, finaliza o diretor. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;