Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 6 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Hospital cancela plano sem consulta a consumidores


Isis Mastromano Correia
Especial para o Diário

27/08/2007 | 07:09


Depois de pagar por 13 anos o convênio do Hospital Central, em São Caetano, a servente Maria Aparecida Silva Rodrigues, 71 anos, teme pela extinção do plano de saúde.

Atualmente, o convênio atende apenas cinco pessoas e não tem condições de continuar com R$ 263, que é a soma de todas as mensalidades, segundo o diretor da unidade hospitalar, Antônio José Monaco.

Dessa forma, o hospital propôs aos conveniados que migrem para outro plano.

“Meu marido tem 73 anos e é doente renal crônico. Tenho medo de ir para outro plano por causa das carências”, diz Maria Aparecida.

Ela acredita que um novo plano implicará em reajuste de mensalidade. Também teme que alguns atendimentos sejam proibidos por tempo determinado. O diretor do hospital diz que aqueles que passam para o novo plano não perdem os benefícios anteriores e, enquanto não se transferirem, continuam sendo atendidos. Monaco ainda garante que há outro plano, mais variado.

A técnica do Procon-SP, Renata Molina, explica que as operadoras têm o direito de deixar de atuar devido a dificuldades financeiras. “Mas, no novo contrato não pode ser alegada carência, que só vale para procedimentos que os clientes não tinham direito anteriormente”, diz.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Hospital cancela plano sem consulta a consumidores

Isis Mastromano Correia
Especial para o Diário

27/08/2007 | 07:09


Depois de pagar por 13 anos o convênio do Hospital Central, em São Caetano, a servente Maria Aparecida Silva Rodrigues, 71 anos, teme pela extinção do plano de saúde.

Atualmente, o convênio atende apenas cinco pessoas e não tem condições de continuar com R$ 263, que é a soma de todas as mensalidades, segundo o diretor da unidade hospitalar, Antônio José Monaco.

Dessa forma, o hospital propôs aos conveniados que migrem para outro plano.

“Meu marido tem 73 anos e é doente renal crônico. Tenho medo de ir para outro plano por causa das carências”, diz Maria Aparecida.

Ela acredita que um novo plano implicará em reajuste de mensalidade. Também teme que alguns atendimentos sejam proibidos por tempo determinado. O diretor do hospital diz que aqueles que passam para o novo plano não perdem os benefícios anteriores e, enquanto não se transferirem, continuam sendo atendidos. Monaco ainda garante que há outro plano, mais variado.

A técnica do Procon-SP, Renata Molina, explica que as operadoras têm o direito de deixar de atuar devido a dificuldades financeiras. “Mas, no novo contrato não pode ser alegada carência, que só vale para procedimentos que os clientes não tinham direito anteriormente”, diz.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;