Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 24 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Inflaçao sobe para 1,19% em julho


Do Diário do Grande ABC

03/08/1999 | 16:09


A alta das tarifas e dos combustíveis puxou para cima o Indice do Custo de Vida (ICV) apurado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócio-Econômicos (Dieese). Em julho, a inflaçao medida por esse indicador foi de 1,19%. Esse resultado está 0,85 ponto percentual acima da taxa de 0,34% registrada em junho.

Para agosto, a perspectiva é o ICV fique abaixo de 1%, prevê a supervisora da Pesquisa de Preços, Cornélia Nogueira Porto. Apesar de os aumentos, já anunciados, dos transportes coletivos, dos combustíveis e da energia elétrica, contribuírem, de saída, com 0,67 ponto percentual para o índice de agosto, a economista pondera que outros grupos poderao registrar deflaçao.

Ela argumenta que como o consumidor nao consegue escapar da alta dos preços administrados pelo governo e das tarifas, sobra menos renda para ser gasta com produtos de setores em que há concorrência. E esse comportamento poderá forçar os preços desses setores para baixo.

Neste ano o ICV já subiu 5,48%. Os maiores aumentos registrados de janeiro a julho ocorreram nos preços públicos ou administrados pelo governo (13,62%) e nos preços ditados pelos oligopólios (11,74%). Já os setores sujeitos à concorrência subiram 2,89% no período. Para o ano, Cornélia diz que o ICV poderá ficar em torno de 6%, mas ela pondera que cada dia está mais difícil fazer previsoes por causa do comportamento dos preços administrados pelo governo, como os combustíveis.

Julho - No mês passado, a parcela mais pobre da populaçao, com renda média mensal de R$ 377,49, foi a que registrou a maior taxa de inflaçao, de 1,23%. Já o custo de vida das famílias com maior renda média (R$ 2.792,90) e das com rendimentos intermediários (R$ 934,17) foi menor, de 1,17% no mês passado.

Essa diferenciaçao entre os vários níveis de renda é explicada pelo fato de que os grupos de preços que tiveram os maiores aumentos, os transportes e a habitaçao, pesarem mais nas despesas da populaçao mais pobre.

Dentre os grupos que mais contribuíram para a alta do índice geral em julho estao os transportes, com alta de 4,81%, a habitaçao, que ficou 2,04% mais cara, e a saúde, que subiu 1 20%.

Dentro do grupo transporte, o destaque, no mês passado, ficou para o transporte individual (6,54%), que foi pressionado pela alta dos combustíveis (14,02%). A gasolina, por exemplo, subiu 13,36%, o álcool ficou 17,14% mais caro e o diesel, 8 20%.

No grupo habitaçao, a maior alta de julho ocorreu na operaçao no domicílio, que subiu 3,26%, influenciado pelo aumento das tarifas de água e esgoto (11,62%), eletricidade (5 92%), gás de botijao (8,49%). O item serviços públicos subiu em julho 5,02%.

No grupo saúde, que ficou 1,20% mais caro no período, a pressao veio dos medicamentos e dos produtos farmacêuticos (2%) e os seguros e convênios (1,48%). Já os grupos vestuário, alimentaçao e equipamentos domésticos registraram quedas nos preços em julho, com recuos de 0,33%, 047% e 0,05%, respectivamente.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;