Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 3 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

UFABC contesta reorganização

Denis Maciel/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Análise feita por professores da instituição e entregue ao Ministério Público sugere embasamento teórico e debate


Natália Fernandjes
Do Diário do Grande ABC

02/12/2015 | 07:00


Análise elaborada por grupo de professores do curso de Políticas Públicas da UFABC (Universidade Federal do ABC) considera que o projeto de reorganização escolar imposto pela Secretaria Estadual da Educação não tem fundamento científico e, com isso, poderá gerar consequências negativas para os estudantes. O documento, entregue ao Ministério Público, tem o intuito de ampliar o debate sobre o tema, tendo em vista as dúvidas geradas desde que a proposta foi anunciada, em setembro.

O estudo questiona o fato de o Estado considerar “apenas os resultados do Idesp (Índice de Desenvolvimento do Estado de São Paulo) de 2014 para a reorganização” e também a “falta de mapeamento claro e estruturado ou plano detalhado sobre as ações, os impactos e riscos da mudança proposta”. A reorganização da rede estadual de ensino para 2016 resultará no encerramento das atividades de 93 escolas, cujos prédios ficarão ociosos após a transferência de estudantes, sendo seis no Grande ABC.

“É uma política séria e que mexe com centenas de milhares de pessoas. Não pode ser fundamentada em uma alegação frágil. Além disso, todas as informações que temos sobre o assunto foram obtidas por meio da imprensa. Não foi apresentado um plano do que vai ser feito”, afirma um dos autores do estudo, o professor coordenador da Comissão Própria de Avaliação da UFABC Marcos Vinícius Pó.

Uma das recomendações da análise é que a Secretaria Estadual da Educação qualifique e aprofunde o embasamento técnico e os estudos da reorganização, amplie a disponibilidade de informações e o debate público sobre a medida, propiciando a participação de toda a comunidade. A falta de diálogo sobre o tema é o principal argumento para o movimento de ocupação de estudantes em pelo menos 190 escolas em todo o Estado, 23 na região.

Por meio de nota, a Secretaria de Educação do Estado destacou que alguns pontos decisivos foram levados em conta para a reorganização, como “infraestrutura especializada, especialização dos profissionais de Educação, aumento de chances de criação de vínculo do professor com a escola e mais creches e escolas de Educação Infantil no lugar de prédios parcialmente ociosos”.

Ainda segundo o Estado “a academia pode desenvolver estudos utilizando regressões sofisticadas e incluindo outras variáveis, mas o papel do governo é fazer política pública que, nesse caso, é baseada em argumentos técnicos de gestão e pedagógicos, em evidências internas e em evidências acadêmicas externas.”

Na semana passada, professores da USP (Universidade de São Paulo), Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) e Unifesp (Universidade Federal de São Paulo)já tinham destacado contrariedade à reorganização. “Não é essa proposta que vai melhorar a Educação. Estamos observando um festival de ações erráticas. O Estado tem o direito de fazer mudanças, mas deve explicitá-las”, considera o professor da Faculdade de Educação da USP Ocimar Alavarse.

PROTESTO

Na tarde de ontem, estudantes das EE Américo Brasiliense e EE Oscavo de Paula, de Santo André, realizaram ato contra a reorganização na Avenida dos Estados, na altura do número 5.000. Munidos de cartazes, faixas, instrumentos de percussão e gritando palavras de ordem, cerca de 50 alunos das unidades de ensino, que permanecem ocupadas, fecharam a via para chamar a atenção para o tema.

“É uma espécie de debate sobre a reorganização e para mostrar o nosso descontentamento com a falta de diálogo”, destaca a aluna do 2º ano do EE Américo Brasiliense Thalia Letícia, 16 anos. Durante o protesto, houve momento de tensão entre os estudantes e policiais militares, que foram chamados para tentar conter os alunos.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;