Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 27 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Obra causa desmoronamento de farmácia


Vanessa Selicani
Especial para o Diário

29/11/2007 | 07:16


Cinqüenta anos de trabalho desmoronaram quarta-feira em Santo André. A farmácia mais antiga da Vila Pires, a Edfarma, na Avenida Dom Pedro I, teve a estrutura abalada por causa de uma escavação no terreno vizinho e foi ao chão por volta das 6h. Na parte de cima do sobrado funcionava um consultório de cardiologia, do filho do farmacêutico, e um de odontologia.

Quem passava pela casa partida ao meio não acreditava no que via. Amparado pelos vizinhos, o farmacêutico Edmundo de Souza, 74 anos, ainda se recuperava do choque.

“Foram anos de sacrifício, servindo a quem ficava doente no bairro. Agora está tudo no chão”, lamentou.

Rachaduras - As rachaduras já eram percebidas quarta-feira. O filho de Souza, Eduardo Souza, 45 anos, acionou a Defesa Civil por volta das 18h de terça-feira. “Não conseguia fechar a porta porque a estrutura já estava cedendo”, contou Eduardo.

A recomendação dada ao comerciante é que saísse do prédio. Na manhã seguinte seria realizada uma nova análise para se tentar salvar a farmácia. Não deu tempo.

O Instituto de Criminalística de Santo André está investigando o caso. “As análises ainda são prematuras. Mas acredito que o desabamento seja fruto da falta de critérios do projeto de engenharia do terreno ao lado”, disse o perito Hélio Ramacciotti. Segundo ele, o resultado deve sair em 30 dias.

Na tarde anterior ao acidente, foram escavados aproximadamente 1,5 m abaixo do nível da rua no local.

“O projeto foi (da obra) aprovado pela Prefeitura e é executado por um engenheiro profissional. A casa desmoronou porque era muito velha e não tinha vigas de sustentação”, defendeu-se o proprietário do terreno, José Maria Fernandes, 37 anos. Ele disse que começaria a construção de um salão quarta-feira ali.

Enquanto os culpados pelo acidente não são apontados, os três profissionais que dependiam do local para trabalhar pagam as conseqüências. “Essa é minha única fonte de renda. Trabalho aqui há 15 anos. Resta agora tentar recuperar alguns documentos”, afirmou o dentista Kiyoshi Koga, 52 anos.

A casa vizinha ao prédio da farmácia também foi esvaziada. Parte da estrutura poderia cair na residência. No fim da tarde de quarta-feira, a Defesa Civil conseguiu demolir o que restava da construção, sem prejudicar mais ninguém. (Supervisão de Cláudia Fernandes)


Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;