Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 2 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Brunão à espera do resfriamento

Claudinei Plaza/ DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Sistema hidráulico é último passo antes da colocação do gramado sintético; serão necessários 120 mil litros d’água para dar conta do novo campo


Dérek Bittencourt

16/08/2021 | 07:26


A novela envolvendo o novo gramado do Estádio Bruno Daniel está mais perto de um final feliz. Apesar de não haver prazo preciso para a praça esportiva ficar pronta para uso, ao menos mais uma parte do processo de transformação do piso de grama natural para artificial foi completada com a finalização da base para receber agora o sistema de resfriamento, último passo antes da instalação do tapete sintético, aumentando a expectativa da torcida do Santo André e do próprio clube, que espera poder usá-lo no Paulistão de 2022.

“Estamos terminando os procedimentos para devolver o estádio para o futebol. Tem uma questão de contratação de (sistema de) resfriamento do gramado, que não é irrigação, porque não se irriga grama sintética, e também não é simples rede hidráulica, porque precisamos descarregar 120 mil litros de água no estádio. São 15 caminhões-pipa, não é uma torneirinha que vai dar conta. Então diâmetro de tubulação, dimensionamento, bomba, tudo, é complexo. E a gente não queria que isso ficasse dentro do gramado para não atrapalhar e interferir na área de jogo”, explicou o secretário de Manutenção e Serviços Urbanos, Vitor Mazzeti. “O campo já está com emulsão asfáltica esperando terminar essa parte do resfriamento para a chegada do tapete”, complementou. Assim, os prazos de entrega, que vêm sendo estendidos desde o início da temporada, deverão ser postergados para o fim do ano.

De acordo com Alessandro Oliveira, presidente da Soccer Grass – empresa que vai instalar o gramado artificial –, a grama sintética necessita obrigatoriamente desse sistema de resfriamento.

“São 60 mil litros antes do jogo e 60 mil no intervalo, essa é a previsão quantitativa de água, não só para ajudar em temperatura, como exigência da Fifa e algumas federações. Como os campos de grama natural são molhados, os sintéticos também acabam molhando, faz parte de protocolo”, justificou ele. A água também ajuda na preservação dos fios. Segundo ele, depois dessa instalação hidráulica, a empresa necessitará de 60 dias para colocação do tapete.

Orçada em R$ 3 milhões, a obra do gramado do Estádio Bruno Daniel foi necessária após a praça esportiva ser utilizada para abrigar, durante quatro meses de 2020, um hospital de campanha na luta contra o novo coronavírus; 446 vidas foram salvas no local. 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;