Fechar
Publicidade

Sábado, 27 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Anchieta registra maior parte dos acidentes fatais do Grande ABC

Nario Barbosa/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Infosiga aponta registro de nove mortes desde o
mês de agosto, o correspondente a 18% do total


Yara Ferraz
do Diário do Grande ABC

08/12/2016 | 07:07


A Rodovia Anchieta é a via que registra maior número de mortes no trânsito no Grande ABC. Conforme ferramenta do Infosiga (Sistema de Informações Gerenciais de Acidentes de Trânsito do Estado de São Paulo) lançada ontem pelo governo do Estado, o trecho da rodovia em São Bernardo totaliza nove óbitos desde agosto, o que corresponde a 18% do total, sendo quatro apenas em outubro.

Pelo menos 48 pessoas perderam a vida em decorrência de acidentes no trânsito na região entre agosto e outubro, período de consulta disponibilizado pelo sistema estadual (veja arte acima).

As demais vias com maior número de ocorrências fatais na região são a Praça Antônio Flaquer, ao lado do Parque Ipiranguinha, em Santo André, onde duas mortes foram contabilizadas no período; a Avenida Prestes Maia, que também registrou dois óbitos desde agosto; além da Rodovia Índio Tibiriçá, em Ribeirão Pires, com dois casos fatais observados.

Conforme o professor de Engenharia da FEI (Fundação Educacional Inaciana) e especialista em transportes Creso Peixoto, devem ser consideradas a extensão e a grande quantidade de carros que passam pelas avenidas diariamente. No caso da Rodovia Anchieta, ele aponta o problema de pedestres que não utilizam as passarelas. “Grande parte da via, principalmente no trecho de planalto, há anos virou avenida, sendo que a concessionária criou áreas laterais para o tráfego. Por outro lado, com a cidade próxima, as pessoas acabam ousando e atravessando em locais que não têm segurança. Dá para ver que também existe um problema de falta de educação dos usuários.”

Outra característica dos acidentes fatais registrados é que a maior parte deles ocorreu à noite ou durante a madrugada: 27 no período. “Não há dúvidas de que a fiscalização precisa ser maior nesses períodos. Os recursos humanos das prefeituras são inferiores em relação à quantidade de veículos”, disse o chefe do departamento de medicina de tráfego ocupacional da Abramet (Associação Brasileira de Medicina de Tráfego), Dirceu Alves Junior.

A Ecovias, concessionária que administra o Sistema Anchieta-Imigrantes, disse que realiza ações de consicentização para a redução de acidentes. Entre elas estão o incentivo ao uso das passarelas e a educação no trânsito nas comunidades do entorno das rodovias. De acordo com a concessionária, foram registrados 4.532 acidentes em 2015, contra 7.147 em 1999, redução de 36%. Em relação às vítimas fatais, o número caiu 52% no período.

Nas vias urbanas, o Consórcio Intermunicipal do Grande ABC realiza a Campanha Travessia Segura para conscientização do pedestre e motorista sobre o respeito no trânsito, finalizada no dia 12 de novembro neste ano.

FERRAMENTA
Apesar de ser atualizado mensalmente, o Infosiga não apontava os locais onde as mortes aconteciam. “Além de ter o banco de dados, teremos, por georreferenciamento, a localização do acidente em todos os 645 municípios. Os dados nos ajudam a prevenir acidentes e permitem melhorar políticas públicas de educação e conscientização”, afirmou o governador Geraldo Alckmin (PSDB).

Para Peixoto, a iniciativa é um avanço em relação ao mapeamento dos acidentes e deve ser aproveitada pelas prefeituras. “Nada impede que os grandes e médios municípios criem estudos matemáticos e estatísticos com esses dados. A partir daí, é possível criar política local na área”, observou. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Anchieta registra maior parte dos acidentes fatais do Grande ABC

Infosiga aponta registro de nove mortes desde o
mês de agosto, o correspondente a 18% do total

Yara Ferraz
do Diário do Grande ABC

08/12/2016 | 07:07


A Rodovia Anchieta é a via que registra maior número de mortes no trânsito no Grande ABC. Conforme ferramenta do Infosiga (Sistema de Informações Gerenciais de Acidentes de Trânsito do Estado de São Paulo) lançada ontem pelo governo do Estado, o trecho da rodovia em São Bernardo totaliza nove óbitos desde agosto, o que corresponde a 18% do total, sendo quatro apenas em outubro.

Pelo menos 48 pessoas perderam a vida em decorrência de acidentes no trânsito na região entre agosto e outubro, período de consulta disponibilizado pelo sistema estadual (veja arte acima).

As demais vias com maior número de ocorrências fatais na região são a Praça Antônio Flaquer, ao lado do Parque Ipiranguinha, em Santo André, onde duas mortes foram contabilizadas no período; a Avenida Prestes Maia, que também registrou dois óbitos desde agosto; além da Rodovia Índio Tibiriçá, em Ribeirão Pires, com dois casos fatais observados.

Conforme o professor de Engenharia da FEI (Fundação Educacional Inaciana) e especialista em transportes Creso Peixoto, devem ser consideradas a extensão e a grande quantidade de carros que passam pelas avenidas diariamente. No caso da Rodovia Anchieta, ele aponta o problema de pedestres que não utilizam as passarelas. “Grande parte da via, principalmente no trecho de planalto, há anos virou avenida, sendo que a concessionária criou áreas laterais para o tráfego. Por outro lado, com a cidade próxima, as pessoas acabam ousando e atravessando em locais que não têm segurança. Dá para ver que também existe um problema de falta de educação dos usuários.”

Outra característica dos acidentes fatais registrados é que a maior parte deles ocorreu à noite ou durante a madrugada: 27 no período. “Não há dúvidas de que a fiscalização precisa ser maior nesses períodos. Os recursos humanos das prefeituras são inferiores em relação à quantidade de veículos”, disse o chefe do departamento de medicina de tráfego ocupacional da Abramet (Associação Brasileira de Medicina de Tráfego), Dirceu Alves Junior.

A Ecovias, concessionária que administra o Sistema Anchieta-Imigrantes, disse que realiza ações de consicentização para a redução de acidentes. Entre elas estão o incentivo ao uso das passarelas e a educação no trânsito nas comunidades do entorno das rodovias. De acordo com a concessionária, foram registrados 4.532 acidentes em 2015, contra 7.147 em 1999, redução de 36%. Em relação às vítimas fatais, o número caiu 52% no período.

Nas vias urbanas, o Consórcio Intermunicipal do Grande ABC realiza a Campanha Travessia Segura para conscientização do pedestre e motorista sobre o respeito no trânsito, finalizada no dia 12 de novembro neste ano.

FERRAMENTA
Apesar de ser atualizado mensalmente, o Infosiga não apontava os locais onde as mortes aconteciam. “Além de ter o banco de dados, teremos, por georreferenciamento, a localização do acidente em todos os 645 municípios. Os dados nos ajudam a prevenir acidentes e permitem melhorar políticas públicas de educação e conscientização”, afirmou o governador Geraldo Alckmin (PSDB).

Para Peixoto, a iniciativa é um avanço em relação ao mapeamento dos acidentes e deve ser aproveitada pelas prefeituras. “Nada impede que os grandes e médios municípios criem estudos matemáticos e estatísticos com esses dados. A partir daí, é possível criar política local na área”, observou. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;