Fechar
Publicidade

Sábado, 28 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Procuradoria quer transparência da região com gastos na pandemia

Celso Luiz/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


17/06/2020 | 16:15


O Ministério Público Federal recomendou que as prefeituras dos sete municípios do Grande ABC coloquem à disposição, na internet, a publicação dos gastos referentes às medidas de combate ao novo coronavírus. Segundo a Procuradoria, o objetivo da medida é aumentar a transparência com relação à forma como os recursos destinados à Saúde estão sendo utilizados nos municípios de Diadema, Mauá, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, Santo André, São Bernardo e São Caetano.

 

De acordo com o Ministério Público Federal, entre os dados recomendados a serem disponibilizados pelas prefeituras, devem estar informações sobre a forma das contratações, dados dos fornecedores, prazos, valores contratuais e os números dos processos administrativos. As páginas também deverão conter a relação de todas as ações concretas adotadas para o combate à Covid-19 e as manifestações técnicas emitidas por órgãos municipais de saúde, inclusive os boletins epidemiológicos com a contabilidade de casos da doença. Na segunda-feira (15), o prefeito de Mauá Átila Jacomussi foi alvo de uma operação para investigar supostas fraudes em contrato de R$ 3,3 milhões para administração do hospital de campanha do município.

 

"Considerando que as regras específicas criadas para atender a urgência de contratação existente no momento atual tornam ainda mais relevante que seja conferida a devida publicidade aos gastos públicos;", destacou a Procuradoria no documento enviado às prefeituras.

 

A exigência de publicidade dos gastos está prevista não só nas Leis da Transparência (Lei Complementar 131/09) e de Acesso à Informação (Lei 12.527/11), mas também na Lei 13.979/20, sancionada em fevereiro deste ano para tornar mais ágil a implementação das medidas de enfrentamento ao da covid-19 país. A obrigatoriedade dos gestores públicos de expor detalhadamente as despesas é uma das contrapartidas às facilidades que o texto legal trouxe para o uso dos recursos, como a possibilidade de dispensa de licitações, a redução do prazo de pregões e a permissão excepcional de contratação de fornecedores que já tenham sido declarados inidôneos.

 

Atualmente, São Paulo é o estado com o maior número de casos e mortes por coronavírus no País. De acordo com o balanço mais recente, divulgado pela Secretaria Estadual de Saúde nesta quarta-feira, 17, o total de óbitos é de 11.521, enquanto os registros de infectados somam 191.517 pessoas.

 

 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Procuradoria quer transparência da região com gastos na pandemia


17/06/2020 | 16:15


O Ministério Público Federal recomendou que as prefeituras dos sete municípios do Grande ABC coloquem à disposição, na internet, a publicação dos gastos referentes às medidas de combate ao novo coronavírus. Segundo a Procuradoria, o objetivo da medida é aumentar a transparência com relação à forma como os recursos destinados à Saúde estão sendo utilizados nos municípios de Diadema, Mauá, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, Santo André, São Bernardo e São Caetano.

 

De acordo com o Ministério Público Federal, entre os dados recomendados a serem disponibilizados pelas prefeituras, devem estar informações sobre a forma das contratações, dados dos fornecedores, prazos, valores contratuais e os números dos processos administrativos. As páginas também deverão conter a relação de todas as ações concretas adotadas para o combate à Covid-19 e as manifestações técnicas emitidas por órgãos municipais de saúde, inclusive os boletins epidemiológicos com a contabilidade de casos da doença. Na segunda-feira (15), o prefeito de Mauá Átila Jacomussi foi alvo de uma operação para investigar supostas fraudes em contrato de R$ 3,3 milhões para administração do hospital de campanha do município.

 

"Considerando que as regras específicas criadas para atender a urgência de contratação existente no momento atual tornam ainda mais relevante que seja conferida a devida publicidade aos gastos públicos;", destacou a Procuradoria no documento enviado às prefeituras.

 

A exigência de publicidade dos gastos está prevista não só nas Leis da Transparência (Lei Complementar 131/09) e de Acesso à Informação (Lei 12.527/11), mas também na Lei 13.979/20, sancionada em fevereiro deste ano para tornar mais ágil a implementação das medidas de enfrentamento ao da covid-19 país. A obrigatoriedade dos gestores públicos de expor detalhadamente as despesas é uma das contrapartidas às facilidades que o texto legal trouxe para o uso dos recursos, como a possibilidade de dispensa de licitações, a redução do prazo de pregões e a permissão excepcional de contratação de fornecedores que já tenham sido declarados inidôneos.

 

Atualmente, São Paulo é o estado com o maior número de casos e mortes por coronavírus no País. De acordo com o balanço mais recente, divulgado pela Secretaria Estadual de Saúde nesta quarta-feira, 17, o total de óbitos é de 11.521, enquanto os registros de infectados somam 191.517 pessoas.

 

 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;