Fechar
Publicidade

Domingo, 16 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Alison e Álvaro Filho vencem com facilidade e chega às quartas de final em Tóquio

Divulgação/ Wander Roberto/ COB Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


02/08/2021 | 10:42


O Brasil colocou mais uma dupla nas quartas de final do vôlei de praia dos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020. Alison e Álvaro Filho derrotaram nesta segunda-feira os mexicanos Caxiola e Rubio por 2 sets a 0 - com parciais de 21/14 e 21/13 - e voltam à quadra nesta quarta em busca de um lugar nas semifinais. Os adversários serão Plavins e Tocs, da Letônia, responsáveis pela eliminação dos brasileiros Bruno Schmidt e Evandro.

Os brasileiros começaram o primeiro set dominando o placar. Concentrados o tempo todo e bons saques, conseguiram jogar pressão sobre os adversários e dificultar o ataque dos mexicanos. Com isso, também tiveram muito mais facilidade para bloquear e armar contra-ataques até fecharem em 21/14. A dupla continuou com o mesmo ritmo na segunda parcial, mantendo o nível de energia e vibração sempre alto, e não teve dificuldade para fechar em 21/13.

"Estamos nos sentindo bem. Jogamos contra um time forte, que estava num grupo forte. Nós estudamos muito o time deles, mas nunca havíamos jogado contra eles. Mas eles sabiam o que fazer contra a gente. Colocamos muita energia nesse jogo o tempo todo porque agora todo jogo é uma final. O placar não mostra o que é o time do México, ficamos o tempo todo concentrados e botando nossa energia na quadra. A gente sempre busca performar dessa forma, dando nosso melhor", afirmou Álvaro Filho.

Alison contou que a dupla não tem acompanhado os outros confrontos do vôlei de praia e fez uma breve análise do estilo de jogo dos rivais da próxima fase.

"A Letônia tem Plavins, medalhista de bronze, ele defende muito bem. O Tocs é um bloqueador que tem um tempo de bloqueio diferente, parece um polvo. A gente jogou contra eles em 2019, há muito tempo. Não vimos a última partida deles, mas a gente não está assistindo ao vôlei de praia. Vimos o handebol, ficamos chateados, nos encontramos com as meninas, vimos natação. Se eu ficar assistindo ao vôlei toda hora, eu e ele, que somos fominhas, vamos querer aquecer e jogar. Precisamos desligar um pouco o cérebro", explicou o campeão olímpico no Rio-2016.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;