Fechar
Publicidade

Sábado, 22 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Aulas ‘no escuro’ na escola de lata


Gabriel Batista
Do Diário do Grande ABC

10/02/2006 | 08:02


O Conselho Tutelar de São Bernardo visitou nesta quinta as salas de lata da escola municipal Lorenzo Lorenzetti, no bairro Botujuru, e concluiu que os aparelhos de ar-condicionado instalados pela Prefeitura colocam as crianças em risco de desenvolver problemas respiratórios. De acordo com os conselheiros, quatro dos cinco contêineres utilizados como salas de aula têm janelas também de lata, em vez de vidro, o que impede a incidência de luz natural. “É óbvio que ali é um local muito empoeirado, pois está cercado de terra e mata”, disse o conselheiro tutelar Sérgio Linhares Hora. O Conselho Tutelar afirma que vai entregar na próxima quarta-feira ofício detalhado ao Ministério Público pedindo agilidade na construção de uma nova escola no bairro, prometida pela Prefeitura, mas sem data prevista.

A atual escola fica próxima ao bar Ilha de Capri, no Km 23 da Anchieta, e deve ser demolida para a construção do trecho Sul do Rodoanel. Lá, estudam alunos de 1ªa 4ªsérie do ensino fundamental, na faixa dos 6 aos 10 anos. Há dois anos estudam em contêineres de zinco improvisados pela Prefeitura de São Bernardo. Após duas vistorias do Ministério Público realizadas neste ano, começaram a funcionar nesta quinta aparelhos de ar-condicionado para aliviar a temperatura dentro das “salas de aula”, que pode passar dos 40 ºC devido às paredes metálicas.

“As salas devem ter janela de vidro. Com a janela de lata, os alunos têm de assistir a aula com luz artificial. Mas, no nosso entendimento, uma outra escola tem de ser construída com urgência. Esses contêineres já estão há dois anos no local”, disse o conselheiro tutelar Sérgio Linhares Hora.

Além dessas questões, o Conselho Tutelar observou que em dias de chuva faz muito barulho na escola de lata, o que prejudica o andamento das aulas. Os banheiros da escola exalam mau cheiro, que pode ser da fossa ou das próprias instalações do banheiros.

A Prefeitura de São Bernardo foi procurada nesta quinta pela reportagem, após a visita dos conselheiros na escola, e não se pronunciou sobre o assunto até o fechamento desta edição. Quarta-feira, a Prefeitura afirmou que vai construir uma nova escola no local e que está em busca de um terreno adequado. Disse, também, que providenciou contêineres por causa da construção do trecho Sul do Rodoanel, ressaltando que esse foi a forma mais rápida para atender aos alunos do bairro, onde há alta demanda de crianças em idade escolar.


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Aulas ‘no escuro’ na escola de lata

Gabriel Batista
Do Diário do Grande ABC

10/02/2006 | 08:02


O Conselho Tutelar de São Bernardo visitou nesta quinta as salas de lata da escola municipal Lorenzo Lorenzetti, no bairro Botujuru, e concluiu que os aparelhos de ar-condicionado instalados pela Prefeitura colocam as crianças em risco de desenvolver problemas respiratórios. De acordo com os conselheiros, quatro dos cinco contêineres utilizados como salas de aula têm janelas também de lata, em vez de vidro, o que impede a incidência de luz natural. “É óbvio que ali é um local muito empoeirado, pois está cercado de terra e mata”, disse o conselheiro tutelar Sérgio Linhares Hora. O Conselho Tutelar afirma que vai entregar na próxima quarta-feira ofício detalhado ao Ministério Público pedindo agilidade na construção de uma nova escola no bairro, prometida pela Prefeitura, mas sem data prevista.

A atual escola fica próxima ao bar Ilha de Capri, no Km 23 da Anchieta, e deve ser demolida para a construção do trecho Sul do Rodoanel. Lá, estudam alunos de 1ªa 4ªsérie do ensino fundamental, na faixa dos 6 aos 10 anos. Há dois anos estudam em contêineres de zinco improvisados pela Prefeitura de São Bernardo. Após duas vistorias do Ministério Público realizadas neste ano, começaram a funcionar nesta quinta aparelhos de ar-condicionado para aliviar a temperatura dentro das “salas de aula”, que pode passar dos 40 ºC devido às paredes metálicas.

“As salas devem ter janela de vidro. Com a janela de lata, os alunos têm de assistir a aula com luz artificial. Mas, no nosso entendimento, uma outra escola tem de ser construída com urgência. Esses contêineres já estão há dois anos no local”, disse o conselheiro tutelar Sérgio Linhares Hora.

Além dessas questões, o Conselho Tutelar observou que em dias de chuva faz muito barulho na escola de lata, o que prejudica o andamento das aulas. Os banheiros da escola exalam mau cheiro, que pode ser da fossa ou das próprias instalações do banheiros.

A Prefeitura de São Bernardo foi procurada nesta quinta pela reportagem, após a visita dos conselheiros na escola, e não se pronunciou sobre o assunto até o fechamento desta edição. Quarta-feira, a Prefeitura afirmou que vai construir uma nova escola no local e que está em busca de um terreno adequado. Disse, também, que providenciou contêineres por causa da construção do trecho Sul do Rodoanel, ressaltando que esse foi a forma mais rápida para atender aos alunos do bairro, onde há alta demanda de crianças em idade escolar.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;