Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 16 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Donisete Braga
não descarta
irmão para o PED

Arquivo/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Zezinho Braga é citado pelo prefeito, mas grupos aliados não acreditam na escolha para o comando do PT


Bruno Coelho
Do Diário do Grande ABC

01/07/2013 | 07:04


O prefeito de Mauá, Donisete Braga, não descarta a escolha do irmão, Zezinho Braga, para comandar o PT local por meio do PED (Processo de Eleição Direta), agendado para 10 de novembro. Apesar disso, grupos próximos do gestor municipal não acreditam nessa opção. Segundo informações do Paço, o aspecto de indicar um parente do petista foi discutido internamente, porém rejeitado em seguida.

Para petistas ligados a Donisete, o PT de Mauá não pode repetir a fórmula apontada pelo ex-prefeito Oswaldo Dias, que designou o filho Leandro Dias para a presidência do partido em 2009. A avaliação interna é que o atual mandatário teve um desempenho abaixo do esperado e, pelo grau de parentesco, não conseguia transparecer a independência entre o partido e o governo municipal.

Donisete, por sua vez, prefere não rechaçar o irmão, embora ele não seja favorito para representá-lo no PED. Segundo o prefeito, Zezinho tem condições de exercer o cargo. “Meu irmão me acompanha há muitos anos, é filiado do PT e todo filiado do PT tem condição de ser presidente do partido. Hoje, temos vários quadros para assumir o partido. Não descarto e nem afirmo que ele vai ser. Estamos amadurecendo isso (processo)”, discorre.

EXEMPLO PRÓXIMO
Em São Bernardo, o prefeito Luiz Marinho aposta na fórmula familiar desempenhada por Oswaldo há quatro anos, em Mauá. O petista articula o irmão Braz Marinho para o PED. No entanto, o postulante não tem consenso interno, perante outras quatro candidaturas para a direção da legenda. Há avaliação interna que ele representará domínio do Paço sobre a sigla e não tem articulação política para lidar com momentos de crise no petismo.

CRÍTICA À RESOLUÇÃO
O prefeito se mostrou contrário à resolução do PED 2013, a qual proíbe que componentes da executiva municipal, como o presidente, tenha cargos na Prefeitura. Para o petista, a norma exclui nomes com potencial de dirigir o partido. “Mais grave que o parentesco é proibir o secretário de dirigir o partido. Acho isso um erro. Mas estamos procurando nomes para aglutinar forças (da legenda)”, considera.

A avaliação do prefeito ocorre justamente pelo fato de seu secretário de Relações Institucionais, Rômulo Fernandes, ser o mais aceitado pelos grupos majoritários do petismo para o posto. Outro nome sem grandes divergências no partido seria o do responsável pela Pasta de Governo, Edílson de Paula.
 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;