Fechar
Publicidade

Sábado, 18 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Servidores de S.Bernardo querem 60% de aumento


Sergio Kapustan
Do Diário do Grande ABC

27/10/2005 | 08:25


Servidores públicos de São Bernardo pressionam a Prefeitura para obter reposição salarial de 60%, índice que corresponde às perdas acumuladas nos últimos dez anos. Depois de protestar em postos de saúde e hospitais na segunda e terça-feira, o Sindiserv (Sindicatos dos Servidores Públicos) promoveu quarta-feira nova manifestação com faixas na Câmara Municipal.

A presidente do sindicato, Vânia Aparecida de Souza, disse aos parlamentares que há quatro anos nenhum sindicalista entra no Paço Municipal para tratar do assunto. Ela defendeu também a participação do Legislativo na negociação para pressionar o Executivo. "O que se busca é a negociação de contrato coletivo de trabalho para que depois seja aprovado na Câmara", defendeu.

Apesar da pressão, o líder do governo, Alex Manente (PPS), disse que a posição da Prefeitura é não dialogar com o sindicato. O motivo é o recurso pendente no TJ (Tribunal de Justiça) que pode anular o mandato da atual direção da entidade eleita em junho. "Sem resolver esse imbróglio jurídico fica difícil conversar", disse Manente.

Aliados da administração afirmaram nos bastidores, no entanto, que a chance de a atual direção abrir negociação com a Prefeitura é zero. A justificativa é o comprometimento político de Vânia de Souza que é contrário à administração. A presidente respondeu que tem filiação partidária, mas "isso não interfere no trabalho sindical."

A manifestação do sindicato encerrou os três dias de campanha pró-negociação salarial e em defesa da saúde pública municipal, desenvolvida em postos de saúde e hospitais. Foram distribuídas faixas nos locais e uma carta aberta à população – denunciando o sucateamento do setor – e servidores usaram jalecos no uniforme de trabalho com a inscrição "luto" em defesa da saúde.

Alex Manente negou o sucateamento do setor. Segundo o vereador, dos R$ 204 milhões do orçamento da área para 2005, apenas R$ 43,2 milhões são recursos federais. O restante – R$ 161 milhões – são recursos da Prefeitura, conforme balanço da Secretaria da Saúde. Para Manente, em vez de criticar a Prefeitura, o sindicato deveria cobrar do governo federal mais recursos para o setor.

Para garantir a segurança da sessão, a Câmara aumentou o efetivo de segurança no Paço Municipal. Em uma das portas de acesso ao prédio policiais civis metropolitanos trabalharam com detectores de metais.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;