Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 18 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Dólar cai ao menor nível desde julho com fluxo e otimismo externo



03/12/2020 | 18:43


O dólar teve novo dia de forte queda ante o real, fechando pela primeira vez abaixo de R$ 5,20 desde o pregão de 31 de julho. O cenário externo positivo foi o principal fator a contribuir para a queda, com os participantes do mercado mais otimistas com a possibilidade de aprovação de um pacote de estímulo fiscal em Washington. A moeda americana registrou mínimas em anos ante divisas como franco suíço, euro e dólar canadense e caiu de forma generalizada nos emergentes.

A expectativa pelo pacote fiscal americano provocou nova rodada de fluxo para os mercados emergentes, com Brasil incluído, e levou os investidores a seguirem reduzindo apostas contra o real no mercado futuro e de derivativos. A moeda brasileira foi a com melhor desempenho internacional hoje, considerando uma cesta de 34 divisas mais líquidas. Na mínima do dia, o dólar caiu a R$ 5,12. No fechamento, a moeda no balcão terminou em queda de 1,94%, cotada em R$ 5,1401, o menor valor desde 22 de julho, quando terminou em R$ 5,11.

No mercado futuro, o dólar para janeiro desacelerou o ritmo de queda no final da tarde, com a notícia de que a Pfizer pretende reduzir pela metade os envios de doses da vacina em relação ao que tinha inicialmente planejado. O contrato fechou em baixa de 1,27%, a R$ 5,1530, com giro de negócios de quase US$ 18 bilhões.

O sócio da Armor Capital, Alfredo Menezes, destaca que tem entrado fluxo no Brasil, com o País, que estava com preços mais descontados, acompanhando a onda que tem beneficiado os demais emergentes. Mas pelas conversas que ele tem tido com gestores, é basicamente um dinheiro de curto prazo. "Para entrar 'real money' é preciso das reformas andando", afirma ele, ressaltando que tem preocupado as quedas mensais no Investimento Externo Direto, que é de mais longo prazo, com fluxos caindo pela metade.

Na visão de um diretor de tesouraria, o ambiente favorável aos emergentes encontrou o Brasil com um ambiente político menos ruidoso e ainda apresentando indicadores da atividade melhor que seus pares. O Produto Interno Bruto (PIB) do terceiro trimestre teve avanço de 7,7%, menos que o esperado, mas deve garantir que a economia brasileira encolha na casa dos 4% este ano, melhor que outros países da América Latina, com contrações previstas de 8% a 10%, destaca a consultoria inglesa Capital Economics.

"Outro dia, mais um dia de baixa em 2020 para o dólar", destaca o analista de mercados do banco Western Union, Joe Manimbo. Ele ressalta que a moeda americana testou as mínimas em dois anos e meio ante o euro, o dólar australiano, o dólar da Nova Zelândia e o canadense. Ante o franco suíço, caiu para as mínimas desde o começo de 2015. Nos emergentes, o peso mexicano foi as máximas perante o dólar desde março. A possibilidade de vacinação da população mundial antes que o mercado esperava e o renovado otimismo com o pacote fiscal americano alimentaram a busca por ativos de risco, ressalta ele.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Dólar cai ao menor nível desde julho com fluxo e otimismo externo


03/12/2020 | 18:43


O dólar teve novo dia de forte queda ante o real, fechando pela primeira vez abaixo de R$ 5,20 desde o pregão de 31 de julho. O cenário externo positivo foi o principal fator a contribuir para a queda, com os participantes do mercado mais otimistas com a possibilidade de aprovação de um pacote de estímulo fiscal em Washington. A moeda americana registrou mínimas em anos ante divisas como franco suíço, euro e dólar canadense e caiu de forma generalizada nos emergentes.

A expectativa pelo pacote fiscal americano provocou nova rodada de fluxo para os mercados emergentes, com Brasil incluído, e levou os investidores a seguirem reduzindo apostas contra o real no mercado futuro e de derivativos. A moeda brasileira foi a com melhor desempenho internacional hoje, considerando uma cesta de 34 divisas mais líquidas. Na mínima do dia, o dólar caiu a R$ 5,12. No fechamento, a moeda no balcão terminou em queda de 1,94%, cotada em R$ 5,1401, o menor valor desde 22 de julho, quando terminou em R$ 5,11.

No mercado futuro, o dólar para janeiro desacelerou o ritmo de queda no final da tarde, com a notícia de que a Pfizer pretende reduzir pela metade os envios de doses da vacina em relação ao que tinha inicialmente planejado. O contrato fechou em baixa de 1,27%, a R$ 5,1530, com giro de negócios de quase US$ 18 bilhões.

O sócio da Armor Capital, Alfredo Menezes, destaca que tem entrado fluxo no Brasil, com o País, que estava com preços mais descontados, acompanhando a onda que tem beneficiado os demais emergentes. Mas pelas conversas que ele tem tido com gestores, é basicamente um dinheiro de curto prazo. "Para entrar 'real money' é preciso das reformas andando", afirma ele, ressaltando que tem preocupado as quedas mensais no Investimento Externo Direto, que é de mais longo prazo, com fluxos caindo pela metade.

Na visão de um diretor de tesouraria, o ambiente favorável aos emergentes encontrou o Brasil com um ambiente político menos ruidoso e ainda apresentando indicadores da atividade melhor que seus pares. O Produto Interno Bruto (PIB) do terceiro trimestre teve avanço de 7,7%, menos que o esperado, mas deve garantir que a economia brasileira encolha na casa dos 4% este ano, melhor que outros países da América Latina, com contrações previstas de 8% a 10%, destaca a consultoria inglesa Capital Economics.

"Outro dia, mais um dia de baixa em 2020 para o dólar", destaca o analista de mercados do banco Western Union, Joe Manimbo. Ele ressalta que a moeda americana testou as mínimas em dois anos e meio ante o euro, o dólar australiano, o dólar da Nova Zelândia e o canadense. Ante o franco suíço, caiu para as mínimas desde o começo de 2015. Nos emergentes, o peso mexicano foi as máximas perante o dólar desde março. A possibilidade de vacinação da população mundial antes que o mercado esperava e o renovado otimismo com o pacote fiscal americano alimentaram a busca por ativos de risco, ressalta ele.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;