Fechar
Publicidade

Domingo, 26 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

'Estamos todos bem', diz refém filipino


Do Diário do Grande ABC

11/05/2000 | 09:59


Os 21 reféns que estao em poder de rebeldes muçulmanos na ilha de Jolo ``estao bem'', incluindo o francês Stephane Loisy e a sul-africana Monique Strydom, grávida de dois meses, afirmou um refém filipino a três jornalistas franceses nesta quarta-feira.

Andy Diamante, 26 anos, é refém dos rebeldes muçulmanos do grupo Abu Sayyaf desde fevereiro. Diamante já conhece os 21 reféns por seus nomes e afirma que jamais foram maltratados. ``Eles receberam remédio contra a malária'', acrescentou.

Os rebeldes também deram roupas e servem como comida arroz e sardinha, segundo o refém filipino. Todos se encontram desde terça-feira passada em uma casa perto de um rio, depois ter caminhado noite e dia desde domingo pela selva da ilha de Jolo.

Estavam fugindo quando começaram os disparos do exército filipino. Foi nesse momento que Sonia Wendling perdeu o controle durante alguns momentos. ``Ela começou a gritar para que parassem os disparos'', relatou Andy aos jornalistas Nicolas Poincaré, da Radio France, Franck Berruyer, da Europe 1, e Jerome Fritel, da France Soir, que conseguiram chegar perto do local onde quarta-feira foi realizada uma primeira negociaçao entre um diplomata líbio, Rajab Azzaruk, um ima de Jolo, Ghazali Ibrahim, e líderes rebeldes.

Cerca de cem rebeldes muito jovens e fortemente armados vigiam os reféns.

``Os reféns mais fortes sao o francês e o sul-africano Carel Strydom'', disse Andy. ``Marie Michele Moarbes, a refém libanesa, torceu o tornozelo e Stephane a carregou nos ombros durante a caminhada'', acrescentou.

Andy Diamante também contou que vive constantemente acompanhado de ``seu'' seqüestrador, que nao o deixa sozinho um só instante. ``Fomos tomar banho esta manha (de quarta-feira)'', explicou.

Um casal francês, uma família alema de três pessoas, um casal finlandês, outro sul-africano, nove malaios e dois filipinos foram seqüestrados em 23 de abril na ilha malaia de Sipadan e depois foram conduzidos de barco para Jolo.

Os negociadores pediram quarta-feira a libertaçao da refém alema Renate Wallert, que se encontra muito debilitada, segundo as imagens da televisao filipina divulgadas no domingo passado. Mas o grupo Abu Sayyaf pediu um prazo antes de dar resposta.

Na quarta-feira um porta-voz dos rebeldes, entrevistado por telefone por uma rádio local filipina, disse que ``a alema nao está realmente enferma. (...) As vezes nao é capaz de andar, mas, quando ouve os disparos, é a primeira sair correndo''.

O negociador filipino declarou nesta quinta que o refém francês Stephane Loisy manifestou que desejava continuar com os seqüestradores e junto à sua amiga, Sonya Wendling, e nao ser libertado por razoes de saúde.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;