Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 10 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

Chicote petista

Após 11 meses de governo, o prefeito de São Bernardo, Luiz Marinho (PT) reuniu ontem, pela primeira vez, os integrantes do Conselho


Do Diário do Grande ABC

06/11/2009 | 00:00


Após 11 meses de governo, o prefeito de São Bernardo, Luiz Marinho (PT) reuniu ontem, pela primeira vez, os integrantes do Conselho de Desenvolvimento Econômico, criado em 2007, ainda durante o governo de William Dib (PSDB). E, pelo visto, será a última. Dib chegou a realizar 19 encontros com personalidades do município que compõem o órgão. No evento de ontem, o chefe do Executivo de São Bernardo reservou boa parte do tempo para que fossem passadas informações sobre o pré-sal, que é uma das principais bandeiras da pré-candidata petista à Presidência Dilma Rousseff. Logo depois, Marinho avisou que a administração iria esticar o período do programa refis (refinanciamento de impostos e taxas municipais atrasados). Mas o petista não aguentou o tom formal e pareceu ter esquecido que estava em um evento com empresários: disse que essa seria a única vez que daria a oportunidade para quitação de dívidas atrasadas e que, a partir de agora, trataria o empresariado e a população "na base do chicote". Os integrantes da comissão não esconderam o choque com o tom do prefeito. Isso porque ele não completou nem um ano à frente do Paço, hein ...

Bastidores

Não me lembro ....
Por falar em Marinho, o comandante da Prefeitura de São Bernardo parece estar com a memória curta. Em abril de 2002, o petista criticou duramente o hoje aliado Maurício Soares, por conta do troca-troca partidário do atual conselheiro do prefeito. "Será que este cidadão está tão firme mesmo? É PT, depois vira PSDB, depois PPS, depois PSDB de novo. Para onde vai o Maurício? Acho que ele deveria pensar um pouco sobre qual barco quer continuar na região", afirmou, em entrevista ao Diário na época. Na última eleição, Mauricio trocou o PSB para retornar ao PT, desta vez sem nenhuma crítica pela mudança de barco.

Foge de mim
Deu o que falar ontem em São Caetano a notícia de que as corridas semanais do prefeito José Auricchio Júnior (PTB) estavam virando motivo de comentários entre as aposentadas que ficam no café localizado ao lado dos equipamentos esportivos, na Avenida Robert Kennedy. Auricchio só muda o caminho na pista de cooper quando encontra o ex-rival Hamilton Lacerda (que deixou o PT após se envolver no escândalo do dossiê tucano), que também faz suas caminhadas.

Separados no nascimento
Durante a audiência pública de Saúde, ontem, o vereador de Mauá Alberto Betão Pereira Justino (PSB) aproveitou para disparar críticas ao governo de Oswaldo Dias. O presidente Rogério Santana (PT), então, pediu que se ativesse ao teor do evento, sob risco de responder por falta de decoro. Irritado, Betão encerrou o discurso. No final, Rogério contemporizou, pediu desculpas e disse que os dois eram quase parentes. Sem nenhum grau de parentesco entre Rogério e Betão, o comentário na Câmara era de que os dois eram parecidos, principalmente no tamanho da cabeça. Essas más línguas...



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Chicote petista

Após 11 meses de governo, o prefeito de São Bernardo, Luiz Marinho (PT) reuniu ontem, pela primeira vez, os integrantes do Conselho

Do Diário do Grande ABC

06/11/2009 | 00:00


Após 11 meses de governo, o prefeito de São Bernardo, Luiz Marinho (PT) reuniu ontem, pela primeira vez, os integrantes do Conselho de Desenvolvimento Econômico, criado em 2007, ainda durante o governo de William Dib (PSDB). E, pelo visto, será a última. Dib chegou a realizar 19 encontros com personalidades do município que compõem o órgão. No evento de ontem, o chefe do Executivo de São Bernardo reservou boa parte do tempo para que fossem passadas informações sobre o pré-sal, que é uma das principais bandeiras da pré-candidata petista à Presidência Dilma Rousseff. Logo depois, Marinho avisou que a administração iria esticar o período do programa refis (refinanciamento de impostos e taxas municipais atrasados). Mas o petista não aguentou o tom formal e pareceu ter esquecido que estava em um evento com empresários: disse que essa seria a única vez que daria a oportunidade para quitação de dívidas atrasadas e que, a partir de agora, trataria o empresariado e a população "na base do chicote". Os integrantes da comissão não esconderam o choque com o tom do prefeito. Isso porque ele não completou nem um ano à frente do Paço, hein ...

Bastidores

Não me lembro ....
Por falar em Marinho, o comandante da Prefeitura de São Bernardo parece estar com a memória curta. Em abril de 2002, o petista criticou duramente o hoje aliado Maurício Soares, por conta do troca-troca partidário do atual conselheiro do prefeito. "Será que este cidadão está tão firme mesmo? É PT, depois vira PSDB, depois PPS, depois PSDB de novo. Para onde vai o Maurício? Acho que ele deveria pensar um pouco sobre qual barco quer continuar na região", afirmou, em entrevista ao Diário na época. Na última eleição, Mauricio trocou o PSB para retornar ao PT, desta vez sem nenhuma crítica pela mudança de barco.

Foge de mim
Deu o que falar ontem em São Caetano a notícia de que as corridas semanais do prefeito José Auricchio Júnior (PTB) estavam virando motivo de comentários entre as aposentadas que ficam no café localizado ao lado dos equipamentos esportivos, na Avenida Robert Kennedy. Auricchio só muda o caminho na pista de cooper quando encontra o ex-rival Hamilton Lacerda (que deixou o PT após se envolver no escândalo do dossiê tucano), que também faz suas caminhadas.

Separados no nascimento
Durante a audiência pública de Saúde, ontem, o vereador de Mauá Alberto Betão Pereira Justino (PSB) aproveitou para disparar críticas ao governo de Oswaldo Dias. O presidente Rogério Santana (PT), então, pediu que se ativesse ao teor do evento, sob risco de responder por falta de decoro. Irritado, Betão encerrou o discurso. No final, Rogério contemporizou, pediu desculpas e disse que os dois eram quase parentes. Sem nenhum grau de parentesco entre Rogério e Betão, o comentário na Câmara era de que os dois eram parecidos, principalmente no tamanho da cabeça. Essas más línguas...

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;