Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 28 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Avamileno teve só uma decepção


Leandro Laranjeira
Do Diário do Grande ABC

24/12/2006 | 15:20


Pelo segundo ano consecutivo, a grande decepção do prefeito de Santo André, João Avamileno (PT), é o não-cumprimento do cronograma de entrega do Hospital da Mulher. Localizada no Parque Novo Oratório, a primeira maternidade pública da cidade, com capacidade para realizar 400 partos por mês, era para estar em funcionamento desde 2006. “Não diria que é um ponto negativo da administração, mas é um assunto que incomoda. Não vejo a hora de colocá-lo em funcionamento”, ressalta Avamileno.

O chefe do Executivo andreense fez um balanço de sua administração em 2006. Destacou avanços na cidade, especialmente na área da Educação, em que a Prefeitura foi premiada com o Educare (Prêmio Nacional de Excelência na Educação) pelo trabalho realizado com o Programa Integrado de Qualificação, que atende aproximadamente 8,5 mil jovens e adultos no município.

Aponta que o principal problema hoje de Santo André é a exclusão social. “Embora tenhamos bons programas de inclusão, ainda temos bairros com esgoto a céu aberto e habitação de péssima qualidade. Quando visito essas áreas fico perturbado.” Admite, no entanto, que não resolverá o problema em seu mandato. “Mas vou conseguir amenizar o problema”, acrescenta.

Avamileno considera como principais desafios para 2007 a finalização das obras do Hospital da Mulher e do Viaduto Cassaqüera, que desafogará o trânsito do Centro ao ligar a avenida dos Estados à avenida Giovanni BaPtista Pirelli, sobre a linha de trens da CPTM. Outra promessa é continuar combatendo a exclusão social.

O petista também falou sobre a relação com o Legislativo, a vitória de José Montoro Filho, o Montorinho (PT) à presidência da Câmara, o resultado das eleições deste ano e o processo de escolha para a sucessão municipal em 2008.

Balanço geral - “O ano foi produtivo. Colocamos em andamento a ampliação do Pólo Petroquímico, cumprimos nosso papel na Cúpula de Mercocidades, na Argentina, onde trocamos experiências e fortalecemos o relacionamento com cidades da América do Sul. Avançamos na assinatura do contrato com o BNDES que financiará parte do investimento para recuperação do Córrego Taioca (Jardim Cristiane) e remoção das famílias no entorno do córrego. Destaco também a recuperação da Industrial, uma das últimas avenidas de paralelepípedo da cidade, totalmente recapeada e sinalizada. Iniciamos as aulas na Universidade Federal do ABC, com 500 alunos, batemos novo recorde de público com o 6º Festival de Inverno de Paranapiacaba e temos feito um grande esforço na questão de recuperação de patrimônios culturais e públicos.”

Educação - “Além dos investimentos na área, ganhamos dois prêmios. Destaco o Educare, em que conseguimos ouro na categoria Pesquisa e Desenvolvimento na Educação. Santo André foi a única cidade com investimento na educação pública que ganhou. As outras vencedoras foram na área privada. Também fomos premiados por conta do ‘Programa para o Mundo do Trabalho’, para adolescentes entre 15 e 20 anos. Em fevereiro devemos inaugurar o Sabina (ex-Epac), que será grande sucesso na área de conhecimento, cultura e até turismo na nossa cidade.”

Saúde - “Construímos cinco unidades de saúde, além de ter reformado e ampliado outras cinco. Ampliamos em sete as equipes no Programa de Saúde da Família. Hoje, estamos com 25 equipes e o objetivo é chegar a 30 até final do mandato, o que totalizará atendimento para quase 140 mil pessoas. Além disso, inauguramos em janeiro, em parceria com o governo federal, a Farmácia Popular.”

Hospital da família - “Reconhecemos o atraso. Tivemos problema com a empreiteira contratada. Depois de iniciarem a obra a todo o vapor, começaram a reduzir gradativamente o número de pessoas na obra, de 40 trabalhadores caiu para cinco. Tentamos de tudo, mas fomos forçados a rescindir o contrato e fazer nova licitação. Se fôssemos brigar na Justiça, terminaria meu mandato e a obra não ficaria pronta. Por isso, optamos pelo caminho mais rápido. Pagamos o que devemos e abrimos outra licitação. A expectativa é reiniciar as obras até março e inaugurar o hospital no final de 2007. Antes disso, será difícil.”

Viaduto Cassaqüera - “Trata-se de uma obra fundamental. Assinei a autorização para a execução do serviço. Devemos iniciar as obras em janeiro, com previsão de entrega para o final de 2007 ou início de 2008. É necessário para desafogar o Centro de Santo André e também ajudar no desenvolvimento da região. O Cassaqüera, juntamente com o Hospital da Mulher, são os principais desafios do governo em 2007.”

Febem - “Não podemos ter Febem, mesmo sendo um novo modelo de funcionamento, em áreas residenciais. Para mim, essa é uma questão resolvida, encerrada. Só discuto outra área se ficar comprovada que a região escolhida causará problemas ambientais. Hoje, não há outra área para a Febem.”

CPI da Craisa - “CPI não é bom para ninguém, significa desgaste para qualquer governo. Gostaria que não tivesse tido CPI. Mas sempre confiei na minha equipe de governo. O resultado provou que não houve problemas. Quanto aos vereadores que elaboraram o relatório paralelo, vamos aguardar o posicionamento do Ministério Público.”

Legislativo - “A relação foi boa. A oposição cumpre o seu papel de questionar sempre, e manter vivos os pontos negativos de um governo. Faz parte do jogo político e democrático. Quando a oposição fala que eu não fui flexível, provavelmente não tenha sido mesmo, mas a oposição também nunca foi flexível comigo. A oposição tem o direito de criticar, reclamar, mas algumas coisas têm de ter fundamento. Mas, no geral, a oposição votou projetos importantes para a cidade.”

Nova Mesa Diretora - “Em momento algum o governo interferiu na decisão dos vereadores para a composição da Mesa. Apenas fiz um pedido no sentido de que seria importante a união dos 12 vereadores para eleger uma Mesa da base de sustentação. E foi isso o que fizeram. Houve um debate interno e o ganhador foi o Montorinho (vereador petista José Montoro Filho). A vitória dele tem uma importância partidária, de o PT ter a presidência da Casa. Mas nada contra se fosse qualquer um dos onze outros vereadores da sustentação.”

Eleições 2006 - “No primeiro turno, faltou empenho maior dos petistas.Revertemos a situação depois, quando a militância teve uma atuação maior em prol do Executivo. O PT não foi o grande vitorioso na cidade, mas também não foi o maior derrotado. Além disso, só teve um deputado eleito em Santo André e foi do PT (o deputado estadual Vanderlei Siraque). Quanto à derrota do Luizinho, foi uma derrota do grupo. Aliás, considero uma injustiça o Luizinho não ter sido reeleito. Ele contribuiu e muito com a nossa cidade.”

Desafio - “Estou feliz em administrar a cidade. Temos problemas, mas Santo André recuperou a questão econômica e estabilizou-se quanto a perda de indústrias. O principal problema é a exclusão social. Embora tenhamos bons programas de inclusão, ainda temos bairros com esgoto a céu aberto e habitação de péssima qualidade. Quando visito essas áreas fico perturbado. Infelizmente, vou encerrar o mandato sem resolver o problema, mas vou conseguir amenizar.”


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Avamileno teve só uma decepção

Leandro Laranjeira
Do Diário do Grande ABC

24/12/2006 | 15:20


Pelo segundo ano consecutivo, a grande decepção do prefeito de Santo André, João Avamileno (PT), é o não-cumprimento do cronograma de entrega do Hospital da Mulher. Localizada no Parque Novo Oratório, a primeira maternidade pública da cidade, com capacidade para realizar 400 partos por mês, era para estar em funcionamento desde 2006. “Não diria que é um ponto negativo da administração, mas é um assunto que incomoda. Não vejo a hora de colocá-lo em funcionamento”, ressalta Avamileno.

O chefe do Executivo andreense fez um balanço de sua administração em 2006. Destacou avanços na cidade, especialmente na área da Educação, em que a Prefeitura foi premiada com o Educare (Prêmio Nacional de Excelência na Educação) pelo trabalho realizado com o Programa Integrado de Qualificação, que atende aproximadamente 8,5 mil jovens e adultos no município.

Aponta que o principal problema hoje de Santo André é a exclusão social. “Embora tenhamos bons programas de inclusão, ainda temos bairros com esgoto a céu aberto e habitação de péssima qualidade. Quando visito essas áreas fico perturbado.” Admite, no entanto, que não resolverá o problema em seu mandato. “Mas vou conseguir amenizar o problema”, acrescenta.

Avamileno considera como principais desafios para 2007 a finalização das obras do Hospital da Mulher e do Viaduto Cassaqüera, que desafogará o trânsito do Centro ao ligar a avenida dos Estados à avenida Giovanni BaPtista Pirelli, sobre a linha de trens da CPTM. Outra promessa é continuar combatendo a exclusão social.

O petista também falou sobre a relação com o Legislativo, a vitória de José Montoro Filho, o Montorinho (PT) à presidência da Câmara, o resultado das eleições deste ano e o processo de escolha para a sucessão municipal em 2008.

Balanço geral - “O ano foi produtivo. Colocamos em andamento a ampliação do Pólo Petroquímico, cumprimos nosso papel na Cúpula de Mercocidades, na Argentina, onde trocamos experiências e fortalecemos o relacionamento com cidades da América do Sul. Avançamos na assinatura do contrato com o BNDES que financiará parte do investimento para recuperação do Córrego Taioca (Jardim Cristiane) e remoção das famílias no entorno do córrego. Destaco também a recuperação da Industrial, uma das últimas avenidas de paralelepípedo da cidade, totalmente recapeada e sinalizada. Iniciamos as aulas na Universidade Federal do ABC, com 500 alunos, batemos novo recorde de público com o 6º Festival de Inverno de Paranapiacaba e temos feito um grande esforço na questão de recuperação de patrimônios culturais e públicos.”

Educação - “Além dos investimentos na área, ganhamos dois prêmios. Destaco o Educare, em que conseguimos ouro na categoria Pesquisa e Desenvolvimento na Educação. Santo André foi a única cidade com investimento na educação pública que ganhou. As outras vencedoras foram na área privada. Também fomos premiados por conta do ‘Programa para o Mundo do Trabalho’, para adolescentes entre 15 e 20 anos. Em fevereiro devemos inaugurar o Sabina (ex-Epac), que será grande sucesso na área de conhecimento, cultura e até turismo na nossa cidade.”

Saúde - “Construímos cinco unidades de saúde, além de ter reformado e ampliado outras cinco. Ampliamos em sete as equipes no Programa de Saúde da Família. Hoje, estamos com 25 equipes e o objetivo é chegar a 30 até final do mandato, o que totalizará atendimento para quase 140 mil pessoas. Além disso, inauguramos em janeiro, em parceria com o governo federal, a Farmácia Popular.”

Hospital da família - “Reconhecemos o atraso. Tivemos problema com a empreiteira contratada. Depois de iniciarem a obra a todo o vapor, começaram a reduzir gradativamente o número de pessoas na obra, de 40 trabalhadores caiu para cinco. Tentamos de tudo, mas fomos forçados a rescindir o contrato e fazer nova licitação. Se fôssemos brigar na Justiça, terminaria meu mandato e a obra não ficaria pronta. Por isso, optamos pelo caminho mais rápido. Pagamos o que devemos e abrimos outra licitação. A expectativa é reiniciar as obras até março e inaugurar o hospital no final de 2007. Antes disso, será difícil.”

Viaduto Cassaqüera - “Trata-se de uma obra fundamental. Assinei a autorização para a execução do serviço. Devemos iniciar as obras em janeiro, com previsão de entrega para o final de 2007 ou início de 2008. É necessário para desafogar o Centro de Santo André e também ajudar no desenvolvimento da região. O Cassaqüera, juntamente com o Hospital da Mulher, são os principais desafios do governo em 2007.”

Febem - “Não podemos ter Febem, mesmo sendo um novo modelo de funcionamento, em áreas residenciais. Para mim, essa é uma questão resolvida, encerrada. Só discuto outra área se ficar comprovada que a região escolhida causará problemas ambientais. Hoje, não há outra área para a Febem.”

CPI da Craisa - “CPI não é bom para ninguém, significa desgaste para qualquer governo. Gostaria que não tivesse tido CPI. Mas sempre confiei na minha equipe de governo. O resultado provou que não houve problemas. Quanto aos vereadores que elaboraram o relatório paralelo, vamos aguardar o posicionamento do Ministério Público.”

Legislativo - “A relação foi boa. A oposição cumpre o seu papel de questionar sempre, e manter vivos os pontos negativos de um governo. Faz parte do jogo político e democrático. Quando a oposição fala que eu não fui flexível, provavelmente não tenha sido mesmo, mas a oposição também nunca foi flexível comigo. A oposição tem o direito de criticar, reclamar, mas algumas coisas têm de ter fundamento. Mas, no geral, a oposição votou projetos importantes para a cidade.”

Nova Mesa Diretora - “Em momento algum o governo interferiu na decisão dos vereadores para a composição da Mesa. Apenas fiz um pedido no sentido de que seria importante a união dos 12 vereadores para eleger uma Mesa da base de sustentação. E foi isso o que fizeram. Houve um debate interno e o ganhador foi o Montorinho (vereador petista José Montoro Filho). A vitória dele tem uma importância partidária, de o PT ter a presidência da Casa. Mas nada contra se fosse qualquer um dos onze outros vereadores da sustentação.”

Eleições 2006 - “No primeiro turno, faltou empenho maior dos petistas.Revertemos a situação depois, quando a militância teve uma atuação maior em prol do Executivo. O PT não foi o grande vitorioso na cidade, mas também não foi o maior derrotado. Além disso, só teve um deputado eleito em Santo André e foi do PT (o deputado estadual Vanderlei Siraque). Quanto à derrota do Luizinho, foi uma derrota do grupo. Aliás, considero uma injustiça o Luizinho não ter sido reeleito. Ele contribuiu e muito com a nossa cidade.”

Desafio - “Estou feliz em administrar a cidade. Temos problemas, mas Santo André recuperou a questão econômica e estabilizou-se quanto a perda de indústrias. O principal problema é a exclusão social. Embora tenhamos bons programas de inclusão, ainda temos bairros com esgoto a céu aberto e habitação de péssima qualidade. Quando visito essas áreas fico perturbado. Infelizmente, vou encerrar o mandato sem resolver o problema, mas vou conseguir amenizar.”

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;