Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 23 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

PMDB se reúne com governo para confirmar 2 ministérios



31/08/2003 | 21:40


O presidente Luiz Inácio Lula da Silva convidou a cúpula do PMDB para um encontro nesta terça, no Palácio da Alvorada, para agradecer a adesão do partido ao governo e a fidelidade de seus líderes nas negociações em torno das reformas no Congresso. Não será ainda desta vez que os peemedebistas vão sair com os tão sonhados ministérios nas mãos, mas o presidente Lula deverá definir o tamanho da participação do partido – provavelmente dois ministérios – e a data em que pretende fazer mudanças na sua equipe.

Foram convidados o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), os líderes do partido no Congresso, senador Renan Calheiros (AL) e deputado Eunício Oliveira (CE), além do presidente nacional do PMDB, deputado Michel Temer, que não é ainda uma figura freqüente nas reuniões com Lula.

O presidente Lula dirá aos dirigentes do PMDB que é certo que o partido indicará pelo menos dois ministros, além de outros cargos federais nos Estados, mas que a dificuldade é que não pode fazer isso agora. O Planalto trabalha com duas datas para mexer no primeiro escalão do governo: em outubro, se tudo der certo no Congresso com as reformas; ou em dezembro, data inicial planejada para o troca-troca.

Líderes – Se dependesse só de José Sarney e dos líderes Renan e Eunício, que se mostraram até agora fiéis aliados do governo, o presidente não teria problemas. Esse mesmo grupo considera, porém, que Lula pode avançar um pouco mais “indicando os rumos e critérios” da parceria. “Eu sei que alguns ficam mais angustiados por uma participação efetiva no governo, mas o presidente é quem define isso”, afirma o líder Eunício Oliveira. “Com ou sem cargo no Ministério estamos conseguindo garantir de 52 a 54 votos nas reformas”. O grupo de dissidentes do PMDB gira em torno de 18 ou 20, mas só 12 são mesmo contra o governo. Os demais estão na expectativa de “virar governo” de verdade.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

PMDB se reúne com governo para confirmar 2 ministérios


31/08/2003 | 21:40


O presidente Luiz Inácio Lula da Silva convidou a cúpula do PMDB para um encontro nesta terça, no Palácio da Alvorada, para agradecer a adesão do partido ao governo e a fidelidade de seus líderes nas negociações em torno das reformas no Congresso. Não será ainda desta vez que os peemedebistas vão sair com os tão sonhados ministérios nas mãos, mas o presidente Lula deverá definir o tamanho da participação do partido – provavelmente dois ministérios – e a data em que pretende fazer mudanças na sua equipe.

Foram convidados o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), os líderes do partido no Congresso, senador Renan Calheiros (AL) e deputado Eunício Oliveira (CE), além do presidente nacional do PMDB, deputado Michel Temer, que não é ainda uma figura freqüente nas reuniões com Lula.

O presidente Lula dirá aos dirigentes do PMDB que é certo que o partido indicará pelo menos dois ministros, além de outros cargos federais nos Estados, mas que a dificuldade é que não pode fazer isso agora. O Planalto trabalha com duas datas para mexer no primeiro escalão do governo: em outubro, se tudo der certo no Congresso com as reformas; ou em dezembro, data inicial planejada para o troca-troca.

Líderes – Se dependesse só de José Sarney e dos líderes Renan e Eunício, que se mostraram até agora fiéis aliados do governo, o presidente não teria problemas. Esse mesmo grupo considera, porém, que Lula pode avançar um pouco mais “indicando os rumos e critérios” da parceria. “Eu sei que alguns ficam mais angustiados por uma participação efetiva no governo, mas o presidente é quem define isso”, afirma o líder Eunício Oliveira. “Com ou sem cargo no Ministério estamos conseguindo garantir de 52 a 54 votos nas reformas”. O grupo de dissidentes do PMDB gira em torno de 18 ou 20, mas só 12 são mesmo contra o governo. Os demais estão na expectativa de “virar governo” de verdade.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;