Fechar
Publicidade

Domingo, 19 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Greenspan: déficit corrente dos EUA não pode crescer indefinidamente


Do Diário OnLine
Com AFP

14/11/2005 | 14:43


O presidente do Federal Reserve (banco central americano), Alan Greenspan, considerou nesta segunda-feira que o déficit em conta corrente dos Estados Unidos não pode crescer indefinidamente. Ele lembrou que o país tem facilidade para conseguir financiamento, mas isso pode mudar se o rombo nas contas americanas persistir por muito tempo.

"Apesar de um déficit em conta corrente superior a 6% do PIB (Produto Interno Bruto), os Estados Unidos têm poucas dificuldades para atrair fundos necessários para seu financiamento, como prova da recente valorização do dólar", destacou o presidente do Fed em discurso por videoconferência em comemoração pelos 80 anos do Banco do México, na capital mexicana.

"Mas os déficits que provocam uma alta da dívida líquida externa não podem persistir indefinidamente", advertiu. "Em dado momento, os investidores hesitarão em continuar financiando-os", acrescentou.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Greenspan: déficit corrente dos EUA não pode crescer indefinidamente

Do Diário OnLine
Com AFP

14/11/2005 | 14:43


O presidente do Federal Reserve (banco central americano), Alan Greenspan, considerou nesta segunda-feira que o déficit em conta corrente dos Estados Unidos não pode crescer indefinidamente. Ele lembrou que o país tem facilidade para conseguir financiamento, mas isso pode mudar se o rombo nas contas americanas persistir por muito tempo.

"Apesar de um déficit em conta corrente superior a 6% do PIB (Produto Interno Bruto), os Estados Unidos têm poucas dificuldades para atrair fundos necessários para seu financiamento, como prova da recente valorização do dólar", destacou o presidente do Fed em discurso por videoconferência em comemoração pelos 80 anos do Banco do México, na capital mexicana.

"Mas os déficits que provocam uma alta da dívida líquida externa não podem persistir indefinidamente", advertiu. "Em dado momento, os investidores hesitarão em continuar financiando-os", acrescentou.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;