Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 9 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

EUA permitem mulheres em postos de batalha



25/01/2013 | 00:25


O secretário de Defesa dos EUA, Leon Panetta, assinou nesta quinta-feira uma ordem que revoga uma lei criada há duas décadas que excluía as mulheres de postos de batalha no Exército, uma medida que abrirá, eventualmente, milhares de novos trabalhos nas linhas de frente.

A nova política reconhece que, em guerras modernas, todos na zona de combate estão nas linhas de frente, disse Panetta.

Atualmente, as mulheres são barradas de 184 mil postos de combate com armas e 53 mil posições especiais em unidades de combate, o que inclui especialistas de suprimentos das linhas de frente ou médicos de combate.

Oficiais militares manifestaram dúvidas sobre a utilidade da integração em unidades com rigorosos padrões físicos, que, segundo eles, apenas poucas mulheres seriam capazes de atender. Os serviços militares têm até 15 de maio para elaborar planos para a integração de mulheres em postos de trabalho que as excluía. O planejamento deve ser concluído até janeiro de 2016. As informações são da Dow Jones.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

EUA permitem mulheres em postos de batalha


25/01/2013 | 00:25


O secretário de Defesa dos EUA, Leon Panetta, assinou nesta quinta-feira uma ordem que revoga uma lei criada há duas décadas que excluía as mulheres de postos de batalha no Exército, uma medida que abrirá, eventualmente, milhares de novos trabalhos nas linhas de frente.

A nova política reconhece que, em guerras modernas, todos na zona de combate estão nas linhas de frente, disse Panetta.

Atualmente, as mulheres são barradas de 184 mil postos de combate com armas e 53 mil posições especiais em unidades de combate, o que inclui especialistas de suprimentos das linhas de frente ou médicos de combate.

Oficiais militares manifestaram dúvidas sobre a utilidade da integração em unidades com rigorosos padrões físicos, que, segundo eles, apenas poucas mulheres seriam capazes de atender. Os serviços militares têm até 15 de maio para elaborar planos para a integração de mulheres em postos de trabalho que as excluía. O planejamento deve ser concluído até janeiro de 2016. As informações são da Dow Jones.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;