Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 30 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

diarinho@dgabc.com.br | 4435-8396

Arara Tem Bico Poderoso

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

do Diário do Grande ABC

30/10/2011 | 07:00


Múculos poderosos? Que nada. A superforça da arara está no bico em forma de gancho que usa para abrir os frutos dos quais se alimenta. Ele também a ajuda a escalar árvores, apesar de a ave voar com muita destreza.

É a maior representante da família Psittacidae, da qual fazem parte papagaios e periquitos. O Brasil, aliás, tem grande diversidade de espécies desse grupo; tanto que os colonizadores chamaram o País de Terra dos Papagaios.

Entre as três principais espécies está a arara-canindé (Ara ararauna), com o topo da cabeça e as costas azuis e o peito e abdômen amarelos. É a mais comum, embora já tenha sumido de alguns Estados por causa da destruição do habitat e do tráfico de animais silvestres. Pode ainda ser vista na América Central, Bolívia e Paraguai.

Como o nome indica, a arara-vermelha (Ara chloropterus) tem a maioria das penas avermelhadas, além de algumas verdes e azuis. Vive principalmente na Amazônia, mas pode ser encontrada na região que vai do Panamá à Argentina.

A arara-azul-grande (Anodorhynchus hyacinthinus) é a maior das araras, podendo atingir 1 m de comprimento. Tem penas azuis-escuras e um anel amarelo em volta dos olhos e do bico. Ameaçada de extinção, ocorre do Pará até o Mato Grosso do Sul, e em áreas do Paraguai e Bolívia.

Em geral, as araras fazem ninhos nos ocos das árvores, onde botam de um a três ovos, dependendo da espécie. Vivem cerca de 60 anos em cativeiro. O macho e a fêmea costumam ficar unidos a vida inteira.

Vítimas do tráfico de animais

No Brasil, as aves da família Psittacidae estão entre as que mais sofrem com o tráfico de animais. Apesar de o comércio de bichos silvestres (naturais da fauna brasileira) ser crime, o homem continua a retirá-los do habitat natural e vendê-los na beira de estradas, feiras e até na internet. Calcula-se que 12 milhões de exemplares no mundo são tirados das matas anualmente. Grande parte das espécies brasileiras, aliás, é enviada ao Exterior.

Os traficantes costumam capturar os filhotes, que são escondidos em malas, caixas, tubos plásticos e até latões de tinta. Em geral, permanecem nesses locais vários dias sem ventilação, água e alimento; de cada dez animais, nove morrem antes de chegar aos compradores.

Só pode ser comercializado o bicho que nasce em cativeiro autorizado pelo Ibama. Como não estão acostumados a conviver presos e perto das pessoas, os silvestres podem ficar agressivos ou morrer em pouco tempo. Quem retira ou vende animais da mata pode ficar de seis meses a um ano na cadeia, além de ser punido com multa.

Arara não imita voz humana como o papagaio

A arara adora comer coquinhos de diferentes palmeiras, como o buriti, acuri e bocaiúva, dependendo da espécie. Esperta, usa os habilidosos dedos para levar o fruto ao bico. No entanto, demora para conquistar a independência e se virar sozinha. No caso da arara-azul-grande, por exemplo, o filhote permanece pouco mais de três meses no ninho, sendo alimentado pelos pais. Depois, recebe cuidados dos adultos durante mais um ano e meio.

É barulhenta e inteligente como os outros integrantes da família Psittacidae. Entretanto, não tem a capacidade de repetir o som da voz humana ou de outros animais como o primo papagaio, que consegue gravar centenas de sons na memória. Mas isso acontece apenas se tiver contato com o homem. Apesar de não pertencer ao mesmo grupo, a gralha também possui essa habilidade.

Em 2008, o papagaio Yosuke Nakamura, do Japão, conseguiu voltar para casa porque disse seu nome e endereço para os policiais que o salvaram. Os donos ensinaram o bicho a repetir as palavras durante dois anos. Já o papagaio-cinza-africano Alex, da pesquisadora norte-americana Irene Pepperberg, sabia mais de 100 palavras, fazia continha de somar e conseguia identificar formas e cores. Ele morreu em 2007, aos 31 anos.

Bicho do mês tem a consultoria do biólogo Daniel F. Parrella, da Divisão de Ciências Biológicas do Zoológico de São Paulo.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;