Fechar
Publicidade

Domingo, 14 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Artistas brasileiros se rendem de vez à tecnologia de NFT



26/06/2022 | 08:00


Quem entrar na Galeria Leblon a partir de quarta, 29, no Rio, não irá encontrar ali uma exposição convencional. Ainda que tenha quatro esculturas em bronze assinadas pelo artista e fotógrafo Beto Gatti, a maior parte da exibição será composta por um artigo virtual: o NFT. São 14 obras digitais no local, unindo a contemporaneidade de Gatti com seu trabalho como fotógrafo.

Afinal, mais do que uma forma de vender sua arte, Gatti vê o NFT como uma possibilidade de acompanhar as movimentações do mercado e misturar elementos de várias áreas do conhecimento, como foto, vídeo e escultura: "Essa tecnologia abriu um leque de possibilidades do meu trabalho, de como expressar artisticamente. A imagem não fica mais estática. Temos interação, tem som, se mexe. É como um filme do Harry Potter."

Hoje, Gatti é um dentre vários brasileiros que estão encontrando espaço com o NFT. Em Nova York, na última semana, a fotógrafa Livia Elektra teve uma foto de sua autoria exposta em um telão na Times Square. Já a partir de 30 de junho, Marcus MPC, fundador da coleção CryptoRastas, encabeça a exposição NFT.Rio, que vai reunir criações de cem artistas no Parque Lage.

Na outra ponta da equação, o Brasil se consolida como o segundo maior mercado da tecnologia: são cinco milhões de brasileiros donos de NFT, segundo a pesquisa Statista Digital Economy Compass 2022. Os artistas celebram. "É um momento muito bom. As pessoas e os artistas estão descobrindo melhor essa tecnologia, também como forma de financiar o trabalho", afirma Marcus, do CryptoRastas.

POR DENTRO DO NFT. Apesar de ser conhecida pelo apelido NFT, a tecnologia tem nome e sobrenome: token não fungível. Em termos gerais, são itens digitais, como imagens, vídeos e áudios, com registro na rede blockchain. Uma espécie de livro-caixa, onde tudo do mercado cripto fica registrado. Assim, os NFTs se tornam à prova de falsificações e vendas ilegais.

Ou seja, o NFT não é um tipo de arte, um limitador. É, na verdade, uma nova forma de os artistas se expressarem, misturando técnicas e olhares. Gatti, por exemplo, não precisa mais vender as esculturas. Pode vender vídeos das obras. Fotos com novos olhares. Tudo digital. Afinal, o comprador não leva a escultura para casa, mas sim essa imagem digital.

Parece complicado, mas é um processo simples. De um lado, o artista, com sua obra em formato digital, a coloca em uma plataforma, como a OpenSea, que faz registro na blockchain. O comprador paga pela obra, usando geralmente a criptomoeda Ethereum. Depois, pode revender, como investimento, ou colecionar. Na outra ponta, alguns artistas veem o NFT como forma de liberdade. "Parte do dinheiro gerado nesse sistema volta para a comunidade artística, descentralizando parte do lucro e ampliando a quantidade de artistas que conseguirão gerar renda", afirma Nino Arteiro, no mercado desde 2018. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;