Fechar
Publicidade

Domingo, 23 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Câmara de S.Bernardo fica sem contrato para serviço de limpeza

Divulgação/ Facebook Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Acordo com terceirizada chega ao fim sem que licitação para substituta tenha sido concluída; direção da casa prevê normalização ‘nos próximos dias’


Raphael Rocha
Do Diário do Grande ABC

05/10/2021 | 00:02


A Câmara de São Bernardo está sem serviço de limpeza desde a semana passada, quando o vínculo com a Guima Conseco Construção, Serviço e Comércio Ltda chegou ao fim sem que a licitação para admissão de nova terceirizada fosse finalizada.

O acordo com a Guima Conseco foi firmado em 2015, na gestão do ex-vereador José Luís Ferrarezi (PT, atual secretário de Esportes de Mauá), por R$ 1,34 milhão ao ano. Sua última prorrogação aconteceu em maio de 2020, assinada pelo também ex-parlamentar Juarez Tudo Azul (PSDB). Concorrência para contratar nova empresa – uma vez que estavam vedados novos aditamentos por causa de impedimentos da Lei de Licitações – foi aberta na gestão do atual presidente da casa, Estevão Camolesi (PSDB), no dia 10 de setembro.

O pregão presencial, porém, não avançou a ponto de a futura terceirizada assumir os serviços da antiga sem interrupção dos trabalhos – a ideia era abrir os envelopes no dia 23 de setembro. O contrato com a Guima terminou no dia 28 e a empresa retirou os funcionários do prédio legislativo. Na última sessão, na quarta-feira, a Câmara já estava sem empresa formal de limpeza.

A mais recente sessão do processo licitatório foi realizada na quarta-feira, quando a concorrente MABG Prestadora de Serviços Eireli, localizada no bairro Alvarenga, confirmou a melhor proposta – a primeira colocada na disputa foi a AFC Correia – Prestadora de Serviços Ltda, mas a firma não encaminhou planilha com custos com readequação de preços e foi eliminada. Nas contas da MABG, é possível executar o trabalho por R$ 886,8 mil por ano (R$ 73,9 mil ao mês). O preço sugerido no edital era de R$ 1,32 milhão ao ano (R$ 110 mil por mês). O objeto da licitação era para contratar empresa para executar serviços de “limpeza e conservação das dependências do Palácio João Ramalho e edifício anexo, incluindo áreas externas (pátios, estacionamentos e rua), áreas verdes (coleta de detritos e capinagem), vidros (faces interna e e externa), com fornecimento de mão de obra especializada, materiais de consumo, utensílios e máquinas”.

Ao Diário, a gestão Camolesi admitiu o problema, entretanto, evitou dar prazo concreto para regularização. “O processo licitatório da nova contratação está em sua fase final e já nos próximos dias será assinado o novo contrato. Neste interregno, a limpeza das dependências da Câmara está sendo providenciada e continuará a ser realizada de forma restrita, para assegurar o mínimo de asseio necessário, com os recursos e meios disponíveis para o presente momento”, discorreu o tucano.

O Diário apurou que servidoras da Prefeitura têm sido deslocadas para atuar na limpeza do prédio legislativo – o mesmo modelo foi adotado no começo do ano, quando se encerrou o contrato de vigilância. Servidores relataram ao jornal que gabinetes apresentam sujeira que, em alguns deles, houve força-tarefa para higienização dos ambientes. 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;